MotoGP, 2020: Ciabatti da Ducati pondera a época que passou

Por a 1 Janeiro 2021 13:30

Paolo Ciabatti da Ducati falou sobre a temporada de 2020 com respeito pela Yamaha, Suzuki e KTM e reconhece saber a causa do fraco desempenho das Desmosedici

“Aprendemos uma lição”

Paolo Ciabatti

Entre 2017 e 2019, a Ducati terminou em segundo lugar no Mundial de MotoGP três vezes seguidas com Andrea Dovizioso, atrás do notável Marc Márquez, mas o italiano de 35 anos não conseguiu corresponder às expectativas na temporada de 2020.

Ao contrário dos outros anos, Dovi não foi além do quarto lugar e Petrucci do 12º lugar no Mundial de pilotos.

O diretor desportivo da Ducati, Paolo Ciabatti, não está à procura de desculpas, mas explica as razões do fraco desempenho e mostra respeito pela Yamaha, Suzuki e KTM.

A Ducati descobriu demasiado tarde durante os testes de inverno que a nova geração de pneus traseiros da Michelin não se enquadrava na GP20 Desmosedici como desejado.

Durante o teste de Fevereiro em Sepang, o problema não foi tão óbvio para os pilotos da Ducati e depois, por causa do bloqueio do Coronavírus com os pilotos regulares, não foi possível voltar a testar até 15 de Julho em Jerez.

“Descobrimos então que tínhamos problemas, especialmente nos circuitos com um nível de aderência muito baixo”, disse o diretor desportivo da Ducati, Paolo Ciabatti, numa entrevista recente.

“Por exemplo, em Doha e Jerez. Isto deveu-se quer à qualidade do pneu, quer à temperatura. Além disso, visitámos algumas pistas em 2020 em épocas muito diferentes do ano. Jerez, por exemplo, estava extremamente quente em meados de Julho. Acho que nunca andámos com tanto calor, nem na Tailândia.

Além disso, por vezes, deparámo-nos com pistas onde estava muito mais frio do que no passado, por exemplo em Aragón. O frio foi extremo lá, mas não quero procurar desculpas. Todos os pilotos e fabricantes foram confrontados com as mesmas condições. No final, alguns concorrentes tiveram melhor desempenho do que nós.”

No final, apesar de apenas duas vitórias, a Ducati venceu o Campeonato de Construtores, pela primeira vez desde 2007, quando Casey Stoner também triunfou no campeonato mundial de pilotos para a Ducati na nova era dos 800cc.

Mas a Yamaha perdeu o Campeonato do Mundo de 2020 depois de sete vitórias (três vezes por Quartararo, três vezes por Morbidelli, e uma por Viñales) e também porque lhe foram deduzidos 50 pontos para o GP de Espanha por causa das válvulas ilegais.

“A forma como a nossa mota é construída pode ter-nos feito sofrer um pouco mais devido aos novos pneus traseiros, do que os nossos concorrentes, especialmente os motores 4 em linha como a Yamaha e a Suzuki”, diz Ciabatti. “Mas não quero diminuir o desempenho da equipa. Fizeram um excelente trabalho.”

A KTM usa motores V4 como a Honda, a Ducati e Aprilia, mas os austríacos têm três vitórias em GP por Binder e Oliveira e cinco terceiros lugares através de Pol Espargaró.

A KTM beneficiou um pouco do facto de terem entrado na temporada do Campeonato do Mundo como uma equipa de concessão e, por isso, terem sido autorizados a testar com os pilotos regulares sempre que o desejassem.

Dani Pedrosa testou em quase todas as pistas de GP a tempo do Grande Prémio.

A Ducati não tinha os quilómetros de teste feitos e, portanto, perdeu informações valiosas.

Os italianos tentaram, por isso, primeiro adaptar a Desmosedici aos novos pneus traseiros, alterando a configuração da travagem motor.

“Quando competimos nas primeiras corridas em Jerez, os nossos pilotos habituais não tinham andado nas máquinas de corrida desde o teste do Qatar, ou seja, durante cinco meses“, diz Ciabatti.

“Além disso, os nossos engenheiros tinham sido banidos de viajar durante semanas pelo estrito bloqueio do Ministério do Interior. Mas aprendemos uma lição e agora sabemos as razões dos nossos resultados. Agora sabemos como melhorar o equilíbrio da moto. Vamos ter as mesmas motos em pista em 2021, como na época passada. Os pneus também não vão mudar. Mas agora temos mais experiência com eles.”

“A KTM beneficiou muito dos privilégios de concessão, pois foram autorizados a testar a qualquer momento. Foi uma vantagem, claro, mas era uma vantagem legal. A KTM tinha permissão para realizar estes testes e beneficiou desta situação. Testaram intensivamente em Spielberg e Brno. Isto certamente os ajudou a afinar muito bem a moto para o início da temporada. A KTM fez um trabalho impecável e utilizou as regras habilmente. Ganharam três corridas, mais uma do que nós. Demonstraram que estão agora a operar a um nível muito elevado e competitivo. Acreditamos também que o piloto de testes Dani Pedrosa deu muito impulso a todo o projeto KTM e liderou o desenvolvimento na direção certa. O seu compromisso valeu a pena. Como resultado, a KTM poupou-se a algumas aberrações técnicas no seu desenvolvimento. Dani faz um excelente trabalho, foi uma boa escolha. Quem tem um piloto de testes com tanta experiência e tanto carisma, vai encontrar soluções mais rápidas que funcionam eficientemente para os pilotos de fábrica também. Os engenheiros foram então, aparentemente, capazes de se concentrar nas áreas certas e melhorar a moto em benefício dos pilotos.”

5 1 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x