Moto2 2021,Le Mans: Moto2 com uma série de mudanças às regras

Por a 12 Maio 2021 14:38

A Comissão de Grande Prémio reuniu-se para discutir concessões para as MV Augusta e NTS, bem como novos regulamentos para as épocas de 2021 e 2022

A Comissão do Grande Prémio, composta por Carmelo Ezpeleta (Dorna, Presidente), Paul Duparc (FIM) e Hervé Poncharal (IRTA), numa reunião eletrónica realizada a 10 de Maio de 2021, tomou as seguintes decisões sobre os Regulamentos Técnicos da Moto2:

Concessões, Época 2021, com efeito imediato

No primeiro evento da temporada 2020, a NTS e MV Agusta participaram com a sua especificação de máquina de 2019. Assim, quando a especificação da moto foi congelada para 2020 e 2021, forçou-as a continuar com as suas máquinas de 2019, apesar de terem começado a produzir as suas peças de 2020.

Isto teve um impacto óbvio na sua capacidade de serem competitivos com os outros fabricantes de chassis.

A Comissão concordou em abordar esta questão, concedendo aos dois fabricantes as seguintes concessões para 2021.

A NTS será autorizada a utilizar o seu para-lamas dianteiro e o desenho da carenagem principal para 2020.

A MV Agusta será autorizada a utilizar o seu para-lamas dianteiro, carenagem principal, assento e braço oscilante em 2020.

A Comissão também aprovou uma decisão apoiada por todos os fabricantes Moto2 de fazer uma exceção ao seu protocolo acordado para o resto de 2021, para permitir que todos os fabricantes tenham dois dias de testes privados apenas com pilotos de teste (pilotos não contratados).

REGULAMENTOS – ÉPOCA EFETIVA DE 2022

A Comissão confirmou os seguintes regulamentos destinados a minimizar os custos.

Para 2022, as seguintes peças serão classificadas como peças de desempenho e, por conseguinte, terão de ser homologadas:

Quadro, Braço oscilante, Carenagem principal, Guarda-lamas dianteiro.

Todas as especificações atuais declaradas em 2021 continuarão a ser aprovadas em 2022 (e para as épocas futuras).

Cada fabricante será autorizado a fazer uma atualização em 2022 de cada uma das peças de desempenho acima listadas (que podem ser em alturas diferentes).

A única modificação permitida às peças de desempenho é a remoção de material, sob as seguintes condições:

Carenagem principal e para-lamas frontal: O material pode ser removido por desbaste, perfuração e corte, na condição de não afetar ou alterar qualquer perfil do desenho aprovado. O único objetivo da remoção de material será proporcionar folga e/ou arrefecimento adicionais, quando necessário, e devem ser envidados todos os esforços possíveis para que estes sejam os únicos efeitos, a critério exclusivo do Diretor Técnico.

A remoção de material só pode ser solicitada pelo fabricante do chassis com a condição de não afetar ou alterar qualquer perfil do desenho aprovado. O único objetivo da remoção de material deve ser o de proporcionar uma folga e/ou arrefecimento adicional quando necessário, e devem ser feitos todos os esforços possíveis para que estes sejam os únicos efeitos.

Antes da remoção de qualquer material, o quadro ou braço oscilante deve ser submetido ao Diretor Técnico para confirmação de que está em conformidade com o desenho original homologado em forma e peso. Uma vez confirmada, a peça será registada e será aplicado um selo oficial, permitindo depois a remoção do material. Uma vez o material removido, o novo peso da peça deve ser registado.

Concessão para Fabricantes de Chassis

Qualquer Fabricante de Chassis que não tenha alcançado um pódio nas duas temporadas anteriores receberá a seguinte concessão: Serão autorizados uma vez durante a época a melhorar quer o para-lamas frontal e a carenagem principal, quer o quadro e o braço oscilante.

Moto2 Testes dos fabricantes de chassis

A Comissão também aprovou uma decisão apoiada por todos os fabricantes de chassis Moto2, que decidiram que o seu acordo anterior, que proibia os fabricantes de chassis Moto2 de realizarem quaisquer ensaios com pilotos não contratados, terminaria esta temporada. Isto significa que serão autorizados a testar livremente com pilotos não contratados.

Com pilotos contratados, os fabricantes são limitados pelas restrições de testes privados dos pilotos.

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Moto GP
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x