MotoGP 2020: Que corridas cancelar?

Por a 21 Março 2020 15:00

As dúvidas sobre o calendário de MotoGP de 2020 continuam, no meio da crise do coronavírus, que torna a probabilidade de cancelar corridas mais real.

À medida que as perguntas sobre o calendário de MotoGP continuam a aumentar ao mesmo ritmo que o coronavírus se espalha, o calendário de 2020 ainda é suscetível de sofrer grandes alterações e a realidade indesejada de se cancelarem corridas.

Quais as corridas que mais estão em risco depende de como os organizadores de MotoGP e os promotores de corridas lidam com a situação em constante mudança e qual se torna a maior prioridade para os que estão no poder.

Enquanto o presidente do FIM, Jorge Viegas, abriu a porta a agendamento de corridas para o início de 2021 se for preciso, realisticamente a situação fica mais e mais difícil quanto mais tempo a temporada se atrase.

O CEO da Dorna, Carmelo Ezpeleta, quer completar o número máximo de corridas possíveis, com um mínimo de 13 necessárias para um campeonato do mundo completo em circunstâncias normais, mas também reconhece que todas as opções estão em curso para planos alternativos.

Vejamos como o calendário de MotoGP de 2020 poderia ser moldado se uma temporada completa não puder ser contemplada.

Com a Espanha a acolher quatro rondas e a Itália duas, a redução do calendário de 2020 para uma corrida por país veria o programa imediatamente cortado de 19 para 15 provas.

Ainda por cima, isto tem a vantagem para a MotoGP de coincidir com as regiões mais atingidas da Europa, que enfrentam as maiores dificuldades em combater o coronavírus, o que significa que medidas mais rigorosas se mantêm em vigor. Manter as últimas rondas para cada país logicamente é a opção mais fácil, que veria o MotoGP rumar a Misano em Setembro e depois Valencia em Novembro.

Mas perder Mugello, Jerez, Catalunha e Aragón seria um duro golpe em termos de receitas e atividade em mercados-chave, já para não falar de um tema altamente sensível para os pilotos dessas regiões que veriam negada a oportunidade de dar espetáculo aos seus fãs locais.

Uma solução poderia ser acolher a corrida de cada país no traçado preferido, por exemplo, trocar a data de Setembro de Misano para Mugello, mas isso abre maiores complicações com contratos de circuitos individuais e corre-se o risco de quebrar acordos em vigor.

Em última análise, as decisões-chave serão ditadas, literalmente, por onde o MotoGP pode e não pode ir. Dos países que acolhem um MotoGP, aqueles que registaram mais de 10.000 casos até agora são: Itália, Espanha, Alemanha, EUA e França.

Mas estes números são muito fluidos, com cada nação numa parte diferente do seu ciclo previsto de taxas de infeção. A China continua a ter o maior número de casos globais, mas está agora a registar uma rápida diminuição de novos casos.

Portanto, uma ideia seria ir a locais menos atingidos pelo coronavírus primeiro. Isso inverteria o calendário, dirigindo-se primeiro a MotoGP a rondas não europeias, mas outro problema óbvio que cria é conseguir autorização para que milhares de europeus entrem em países que procuram evitar a propagação.

Se um teste de coronavírus rápido e rigoroso se tornasse disponível, aceleraria as decisões e proporcionaria ao MotoGP a oportunidade de se dirigir a eventos não europeus, utilizando uma tripulação mínima de pessoal, com todos eles testados à chegada.

Muitos “ses”, “mas” e “talvez”, mas com o MotoGP a manter as comunicações abertas com todos os organizadores de corridas e as correspondentes autoridades sanitárias, talvez seja esta a opção mais viável.

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas MotoGP
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x