Moto GP, atualidade: Marc Márquez, o Campeão

Por a 31 Maio 2020 16:00

Só mesmo os muito distraídos poderão declarar não conhecer Marc Márquez, o prodígio espanhol que já vai em 8 títulos mundiais, 6 deles na classe rainha, o que o torna um dos mais bem sucedidos pilotos de sempre.

Marc Márquez Alentà nasceu a 17 de Fevereiro de 1993 e pôr Cervera no mapa com o seu talento e incríveis recuperações do que para outro qualquer seriam quedas certas.

Márquez corre pela equipa de fábrica da Honda desde a sua estreia em MotoGP em 2013. É apelidado de “Formiga de Cervera” em todo o mundo e “el tro de Cervera” na sua cidade natal, que significa “Trovão de Cervera”. É um de apenas quatro pilotos que conquistou títulos mundiais em três categorias diferentes, depois de Mike Hailwood, Phil Read e Valentino Rossi.

Márquez permanece modesto e simpático

Márquez tornou-se o segundo piloto catalão depois de Àlex Crivillé e o terceiro espanhol, depois de Crivillé e Jorge Lorenzo, a conquistar o título de campeão da classe rainha, e é até à data o piloto catalão e espanhol mais bem sucedido na categoria de topo, para não dizer um dos mais bem sucedidos de todo o mundo.

Márquez venceu o Campeonato do Mundo de 125 em 2010, o Campeonato do Mundo de Moto2 de 2012 e os Mundiais de MotoGP de 2013, 2014, 2016, 2017, 2018 e 2019.

Marc Márquez tornou-se o primeiro piloto desde Kenny Roberts, em 1978, a conquistar o título de campeão na sua primeira temporada, e o mais jovem a conquistar o título. Em 2014 defendeu o seu título, vencendo o campeonato com três rondas de sobra, e venceu dez corridas consecutivas.

É também o irmão mais velho do campeão do mundo de Moto3 de 2014 e campeão mundial de Moto2 de 2019, Álex Márquez, que se juntou a ele na MotoGP e na Honda Repsol para 2020.

Márquez igualou o recorde de sempre das pole positions em Grande Prémio, aos 23 anos, em 2016. Também garantiu o título de 2016 com três rondas de sobra em Motegi e selou o título em Valencia na última ronda de 2017.

Em seguida, ganhou o título de 2018 três corridas antes do fim e tornou-se o terceiro maior vencedor de sempre de Grandes Prémios.

O ano passado, garantiu o título de 2019 com quatro corridas de sobra no Circuito Internacional de Chang, em Buriram, na Tailândia, marcando o seu 7.º título mundial e o 6.º título de classe.

Márquez estreou-se no campeonato em 13 de Abril de 2008, no Grande Prémio de Portugal de 125cc, com 15 anos e 56 dias. Assim, era o mais jovem piloto espanhol a subir a uma pole position ou a um pódio num mundial de motociclismo.

Márquez alcançou o seu primeiro pódio em 22 de Junho de 2008 no Grande Prémio da Grã-Bretanha. Em 2009, como piloto de fábrica da KTM, no Grande Prémio de França, alcançou a sua primeira pole position aos 16 anos e 89 dias. Também conquistou a pole para o Grande Prémio de Espanha de 2010, mas o tubo de escape caiu na primeira volta e passou por baixo da roda traseira, fazendo com que Márquez caísse e ferisse um ombro – a primeira de muitas lesões relacionadas com essa parte da anatomia, eventualmente o seu único ponto vulnerável.

A caminho do título de 125 em Assen em 2010

A sua primeira vitória em Grand Prix foi a 6 de Junho de 2010, em Mugello. Mais vitórias em Silverstone, Assen e Catalunha nas três corridas seguintes fizeram de Márquez o piloto mais jovem a vencer quatro corridas consecutivas. A sua quinta vitória consecutiva no Sachsenring foi a 100ª vitória da Derbi em corridas de Grande Prémio, e Márquez tornou-se o primeiro piloto desde Valentino Rossi em 1997 a vencer cinco corridas consecutivas em 125, uma classe notória pela variedade de vencedores numa época.

Foi menos bem sucedido nas corridas seguintes, caindo para o terceiro lugar da classificação a um ponto de Nicolás Terol e Pol Espargaró, depois de se ter envolvido num acidente com Randy Krummenacher na primeira curva no Grande Prémio de Aragón.

Quatro vitórias consecutivas de Motegi levaram Márquez a uma vantagem de 17 pontos sobre Terol, a apenas uma jornada do fim. No Estoril, a corrida foi interrompida pela chuva, com Márquez a correr em segundo para Terol. Ao regressar à grelha para a segunda corrida, Márquez caiu na volta de observação e teve de regressar às boxes. Com as reparações, Márquez começou na parte de trás da grelha, não tendo conseguido sair para a pista antes do Pit Lane fechar cinco minutos antes do início. Apesar disso, Márquez recuperou para vencer a corrida e, assim, estender a sua vantagem antes da final em Valencia.

A sua décima vitória da temporada levou-o a um dos recordes estabelecidos por Rossi em 1997. Ficaria aquém de empatar, pois foi quarto na última corrida em Valencia para se tornar o segundo mais jovem campeão do mundo depois de Loris Capirossi.

Márquez mudou-se para a classe de Moto2 em 2011, o primeiro ano de um acordo de dois, como o único piloto da nova equipa da Monlau Competición, dirigida pelo seu manager Emilio Alzamora. Terminou em 21º lugar em Portugal, antes de conquistar a primeira vitória na classe no Grande Prémio de França.

Na sua corrida em casa na Catalunha, Márquez terminou em segundo lugar, atrás do líder do campeonato, Stefan Bradl, antes de mais uma queda em Silverstone, tendo começado a sua primeira pole position de Moto2. Com Bradl a levar a sua quarta vitória nas primeiras seis corridas, Márquez seguiu-o com 82 pontos no final do fim de semana. Márquez fez uma subida a meio da época na classificação do campeonato, vencendo seis das sete corridas seguintes para ficar a seis pontos de Bradl na classificação do campeonato.

No Grande Prémio do Japão, Márquez conquistou a sua sétima pole position da temporada, mas terminou em segundo lugar para Andrea Iannone, mas esse resultado, combinado com um quarto lugar para Bradl, permitiu a Márquez assumir a liderança do campeonato por um ponto.

No Grande Prémio da Austrália, Márquez esteve envolvido num incidente com Ratthapark Wilairot durante os treinos livres; Márquez bateu em Wilairot por detrás depois de concluída a sessão, e por pilotar de forma irresponsável, foi-lhe aplicada uma penalização de um minuto no tempo de qualificação.

A penalidade fez com que Márquez começasse a corrida do último lugar da grelha, mas conseguiu ascender e acabou a corrida no terceiro lugar.

Inicialmente, era vulgar Márquez cair 22 vezes numa época

Antes do Grande Prémio da Malásia, Márquez confirmou que permaneceria em Moto2 para a temporada de 2012, depois de rumores de uma mudança para a classe MotoGP.

O fim de semana de corrida de Márquez foi dificultado nos minutos iniciais da primeira sessão de treinos livres, ao cair numa zona húmida de asfalto. Depois de ter ficado fora de mais duas sessões de treinos, Márquez completou duas voltas na sessão de qualificação, mas os seus tempos só foram bons o suficiente para o 36º lugar da grelha. Não começou a corrida, pois falhou um exame médico antes do aquecimento na manhã da corrida. Márquez marcou presença na última corrida da temporada em Valencia, na esperança de estar apto para competir, mas retirou-se devido aos seus problemas de visão continuados, dando a Bradl o título.

Em 2012, no entanto, Márquez conquistou o título de campeão de Moto2 depois de uma longa batalha com o compatriota Pol Espargaró. Um terceiro lugar para Márquez no Grande Prémio da Austrália, apesar da vitória de Espargaró, foi suficiente para lhe dar o seu segundo título mundial antes de se mudar para a classe rainha da temporada de 2013. Obteve a sua última vitória na classe no Grande Prémio de Valencia, apesar de ter começado a partir do 33º lugar da grelha.

Esta performance, que envolveu ultrapassar 20 motos só na primeira volta, tornou-se o maior retorno da história da modalidade. Terminou a temporada com nove vitórias em corridas, estabelecendo um recorde para a classe que ainda se mantém. O resultado de Márquez foi suficiente para dar à Suter o título de construtores para a classe.

Em 12 de Julho de 2012, foi anunciado que Márquez tinha assinado um contrato de dois anos com a equipa da Honda Repsol em MotoGP, substituindo o reformado Casey Stoner e juntando-se ao colega de equipa Dani Pedrosa, a partir de 2013.

Márquez testou pela primeira vez a Honda RC213V em Valencia, depois do final dos campeonatos de 2012, rodando pouco mais de um segundo mais lento do que o seu companheiro de equipa e compatriota Dani Pedrosa, que superou as tabelas de tempos. Márquez voltou a impressionar nos primeiros testes oficiais de MotoGP em Sepang, onde terminou os dois primeiros dias de testes na terceira posição, logo atrás de Pedrosa e Jorge Lorenzo e à frente de Valentino Rossi em quarto, antes de trocar de lugar com Rossi no último dia. Márquez também fez uma simulação de corrida durante as etapas finais da sessão e os seus tempos foram consistentes e fenomenais para um novato. Depois continuou a sua impressionante forma no teste privado da Honda em Austin, onde superou as tabelas de tempos nos três dias seguintes.

Márquez iniciou a temporada de 2013 com um pódio no Qatar. Classificou-se em sexto e acabou em terceiro, atrás de Jorge Lorenzo e Valentino Rossi. Na segunda ronda do campeonato no novo Circuito das Américas, no Texas, Márquez bateu o seu companheiro de equipa Dani Pedrosa e tornou-se o primeiro vencedor na nova pista. Ao fazê-lo, Márquez tornou-se o mais jovem vencedor de sempre de uma corrida de MotoGP aos 20 anos, 63 dias, batendo o recorde de Freddie Spencer, que durou 30 anos.

Em Jerez Márquez escorregou durante a terceira sessão de treinos livres sem se lesionar ou danificar a sua moto e acabou por se qualificar em terceiro lugar. Márquez terminou a corrida na segunda posição, atrás do colega de equipa Dani Pedrosa. Em Le Mans, Márquez conquistou a segunda pole da sua curta carreira no MotoGP, 0,03 segundos à frente de Lorenzo.

Porém, Márquez sofreu um mau início de corrida e passou muitas voltas na metade inferior do top 10, no entanto, a meio da corrida começou a encontrar o seu ritmo e ganhou lugares. Ultrapassou Andrea Dovizioso com apenas duas voltas restantes, para conquistar o seu quarto pódio em tantas corridas, empatando o recorde de Max Biaggi desde 1998.

Marc controla uma MotoGP de 250 cavalos como poucos

A seguir, Márquez teve um fim de semana difícil em Mugello. Depois de ter caído com a sua Honda Repsol na manhã de sexta-feira, Márquez voltou a despistar-se na tarde de sexta-feira, mas recuperou para se qualificar na segunda linha da corrida.

Sofreu a sua 4ª queda do fim de semana com apenas 3 voltas restantes na corrida; Era a primeira vez que não terminava desde que entrara para a classe rainha.

Na Catalunha, Márquez terminou a prova em 3º lugar. Em Assen, Márquez sofreu uma enorme chicotada no treino matinal, causando pequenas fraturas no dedo mindinho da mão direita e também no dedo grande do pé esquerdo. Mesmo assim, terminou a corrida em 3º lugar. Em Sachsenring, na sequência de lesões dos principais rivais Pedrosa e Lorenzo, Márquez conquistou a sua terceira pole position em MotoGP.

Depois de um arranque médio, trabalhou até à frente para liderar até ao final da quinta volta e nunca mais foi ameaçado, apesar de uma forte carga tardia de Cal Crutchlow, para vencer por 1,5 segundos. Em Laguna Seca, Márquez replicou a ultrapassagem que Rossi fez sobre Casey Stoner na mesma curva em 2008 para passar Rossi. Venceu a sua terceira corrida do ano para aumentar a vantagem no campeonato para 16 pontos sobre Dani Pedrosa.

Em Indianápolis, Márquez conquistou a pole position a 0,5 segundos de Jorge Lorenzo. Na corrida Márquez fez uma média de fugir e caiu atrás de Lorenzo e Pedrosa. Na 12. de volta, Márquez passou Lorenzo para a liderança. Lorenzo e Pedrosa conseguiram manter o ritmo com Márquez durante algumas voltas, mas nas últimas voltas o intervalo abriu-se e Márquez conseguiu a quarta vitória do ano com pouco mais de 3 segundos. Em Brno, a corrida foi uma intensa batalha entre Márquez e Lorenzo. Lorenzo fez um grande arranque da linha e liderou a corrida na primeira curva. A dupla passou a trocar de lugar em várias ocasiões, com o passe final a chegar à Curva 3, a pouco menos de quatro voltas do fim; Márquez tornou-se o primeiro piloto a vencer quatro corridas consecutivas desde Valentino Rossi em 2008.

Em Silverstone, durante o aquecimento da manhã de domingo, Márquez caiu e deslocou o ombro. A corrida foi uma luta entre Márquez e Lorenzo nas primeiras voltas, quando se afastaram do resto. Nas voltas finais, os dois corredores da frente trocaram lugares e Márquez passou Lorenzo nas curvas finais, mas foi repassado e terminou em segundo.

Em Misano, Márquez voltou a estar no topo da classificação, mais de meio segundo sobre Lorenzo, para reclamar a pole position e terminou a corrida no segundo lugar, atrás de Lorenzo. Em Aragón a seguir, Márquez partiu da pole pela sétima vez em 2013. Novamente Márquez perdeu a vantagem para Lorenzo na primeira curva. Márquez viu-se a dois segundos de Lorenzo, mas logo recuperou e acabou por cruzar a linha mais de um segundo à frente para registar a sua sexta vitória da temporada. A quatro corridas do fim, Márquez tinha 278 pontos, 39 à frente do segundo classificado, Lorenzo.

Em Sepang, Márquez conquistou a quarta pole position consecutiva. Na corrida, Márquez fez mais um mau arranque e foi lutando com Rossi pelo terceiro e quarto lugares nas primeiras voltas e terminou a corrida no segundo lugar. Em Phillip Island, na Austrália, Márquez foi desclassificado, reduzindo a sua vantagem no campeonato sobre Lorenzo (que ganhou) de 43 pontos para 18 a duas rondas do fim. Em Motegi, Márquez recuperou de uma forte queda na manhã de corrida para terminar em segundo atrás de Lorenzo.O resultado reduziu a sua vantagem no campeonato para 13 pontos, o que significa que um quarto lugar em Valencia seria suficiente para o coroar campeão mesmo que Lorenzo ganhasse. Márquez iniciou a corrida na pole, mas teve um mau arranque e caiu para terceiro.

Márquez deixou então Dani Pedrosa fazer a maior parte do ataque precoce a Jorge Lorenzo; Lorenzo continou na frente depois de um susto para vencer a corrida, Pedrosa e Márquez ficaram em segundo e terceiro lugar, respetivamente, o que foi suficiente para Márquez se sagrar campeão, o mais jovem da história da série.

Em 2019, Marc Márquez, aqui em Aragón, só não acabou no pódio uma corrida

A temporada de 2014 começou bem para Márquez produzindo os tempos mais rápidos nos três dias do primeiro teste malaio. Sofreu então uma fratura na perna direita e não pôde participar no segundo teste malaio ou no teste dos pneus de Phillip Island.

A primeira corrida da temporada realizou-se em Losail, no Qatar. Márquez progrediu continuamente nos treinos e mostrou um forte ritmo para assumir a pole position. Durante a corrida, Márquez foi-se esforçando gradualmente para chegar à frente da corrida e aguentar uma batalha tensa com Valentino Rossi na segunda metade da corrida, acabando por vencer por 0,259 segundos. Venceu também as cinco rondas seguintes no Texas, Argentina, Espanha, França e Itália, todas da pole position.

No Grande Prémio da Catalunha, Márquez não conseguiu a pole position – qualificando-se em terceiro lugar após uma queda durante a sessão –, mas depois de afastar os ataques do colega de equipa Pedrosa e da Yamaha, com Jorge Lorenzo e Rossi, Márquez conseguiu vencer a sua sétima corrida consecutiva, ampliando a vantagem para 58 pontos sobre Rossi.

Com o irmão mais novo, Álex, a vencer a corrida anterior de Moto3, os irmãos Márquez tornaram-se os primeiros irmãos a vencer em Grande Prémio no mesmo dia.

Os irmãos repetiram a proeza no TT holandês duas semanas depois. No Grande Prémio da Alemanha, Márquez voltou a vencer a prova, tornando-se assim o piloto mais jovem a vencer nove corridas consecutivas na classe rainha.

Com a décima vitória consecutiva em Indianápolis, Márquez tornou-se o terceiro piloto a conseguir tal feito na classe rainha, depois de Mick Doohan e Giacomo Agostini, os recordes anteriores gradualmente a ceder ao seu domínio.

(continua)

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas MotoGP
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x