MotoGP: Pilotos da classe rainha reivindicam melhores salários

Por a 23 Maio 2022 22:02

Caminhamos para junho, e não é por acaso que por esta altura há apenas contratos assinados com 4 pilotos para 2023. A precaridade no emprego chegou ao MotoGP, com salários em queda, demasiados pilotos, e alguns a avisarem que preferem ficar em casa a auferir um salário miserável.

 O campeonato do mundo não se livra, à sua própria escala, de um mal que assola toda a sociedade. No último Grande Prémio de França, os pilotos de MotoGP foram ter com Carmelo Ezpeleta na Comissão de Segurança para expor um problema que os preocupa: os salários estão em queda no campeonato do mundo.

No final de 2022 quase todos os pilotos de MotoGP terminam o seu contrato. Especificamente, 20 dos 24 pilotos da categoria rainha do mundo agora estão sem contrato para a próxima temporada. E se os salários já estavam a cair, após a saída da Suzuki estão em colapso direto e alguns pilotos ameaçam mesmo desistir, como afirma o empresário de Joan Mir.

A coisa vem de longe. A crise derivada da pandemia e a guerra na Ucrânia foram as desculpas para as marcas reduzirem bastante as ofertas que estão a fazer aos pilotos, mas a saída da Suzuki do campeonato mundial foi a gota d’água: agora há muitos pilotos, então os salários mínimos são oferecidos, sabendo que muitos não têm alternativa. Embora a Dorna esteja a procurar uma forma de substituir a equipa Suzuki para 2023, a verdade é que existem agora apenas 22 motos confirmadas para a próxima época. Não que restem dois dos 24 pilotos; restam mais! Da Moto2 existem várias com opções para subir, e até Toprak Razgatlioglu pode vir das Superbikes.

É por isso que existem vários pilotos que começam a procurar um destino alternativo, ou pelo menos a preparar um plano B. Remy Gardner disse em público que “se a KTM não me quiser, vou para as Superbikes ”. Quando o disse, não se referia apenas ao aspecto desportivo, mas também ao factor monetário: Gardner recebe atualmente menos de 100.000 euros.

O empresário do australiano, Paco Sánchez, também representa outro piloto da grelha, Joan Mir, e não teve vergonha de explicar que “Joan não vai correr de graça ou com um mau contrato como os oferecidos pela Ducati ou KTM aos seus pilotos. Também sou agente de Remy e sei como esses contratos são maus”, disse.

Mir é um dos pilotos que fica sem posto e sem moto após a saída da Suzuki. Mas não ter uma fábrica para renovar não parece fazer com que Mir baixe as suas condições. O próprio Sánchez disse: “A Suzuki fez-nos uma oferta muito baixa antes de sair, e eu disse-lhes que por esse dinheiro o Joan fica em casa”.

E Mir não é o único caso de um piloto de alto nível com problemas para encontrar uma oferta compatível. A renovação de Aleix Espargaró com a Aprilia também está a ficar muito complicada por razões financeiras, como explicou o próprio espanhol depois de vencer na Argentina.

Apesar de Espargaró ter dado à Aprilia a primeira vitória no MotoGP e estar a lutar pelo campeonato do mundo, a marca de Noale quer baixar-lhe o salário. A informação vinda de Itália, sugere que Espargaró está a pedir menos de 500.000 euros por ano, e a Aprilia nem sequer lhe quer oferecer isso. “A Aprilia cometerá a maior estupidez da sua história se me deixar ir embora”, diz Espargaró, acrescentando que não vai baixar o seu pedido um cêntimo porque “está abaixo do valor de um piloto de topo”. A verdade é que Espargaró é um dos pilotos da atual grelha que corre o risco de pendurar as botas.

O campeão do mundo de 2020 Joan Mir não é o único piloto que ameaçou parar de correr. Rául Fernández também jogou essa carta com a KTM, mas no seu caso não só porque quer um aumento salarial, mas porque gostaria de assinar pela Yamaha, a marca com a qual queria subir ao MotoGP e não o deixaram.

“Não pode ser que salários tão precários estejam a ser oferecidos. Quando Fabio Quartararo subiu ao MotoGP teve que assinar por 80.000 euros, e esses valores são o que alguns pilotos estão a receber”, disse um participante da reunião improvisada que os pilotos tiveram com Carmelo Ezpeleta em Le Mans. Pol Espargaró por exemplo, pediu a criação de uma associação que viria a funcionar como uma espécia de sindicato dos pilotos.

0 0 votes
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x