MotoGP, 2021: Valentino Rossi, ainda a rivalidade com Lorenzo

Por a 7 Fevereiro 2021 17:00

Valentino Rossi teve muitas rivalidades abertas na sua carreira no Mundial, de Biaggi a Gibernau e de Stoner e Márquez, mas a maior parte das hostilidades foi reservada para Jorge Lorenzo

“Decidam, ou o Lorenzo, ou eu!” Valentino Rossi

Uma clara inimizade emanou desde o primeiro dia entre a superestrela Valentino Rossi e o seu novo companheiro de equipa na Yamaha MotoGP, Jorge Lorenzo, que se juntou à equipa de fábrica da Yamaha em 2008, depois de dois títulos do Campeonato do Mundo de 250cc.

Rossi considerou o determinado espanhol como um intruso irritante que ameaçou o seu domínio como o Nº 1 indisputado da Yamaha, uma posição para a qual o 46 se preparou ganhando sensacionalmente o Campeonato do Mundo de MotoGP em 2004 e 2005.

Antes disso, a Yamaha estivera de mãos vazias durante dez anos, mas em 2008 e 2009, Rossi triunfou duas vezes pela marca na classe de MotoGP.

Rossi criou uma constelação de privilégios exclusivos que provavelmente permanecerá única: foi-lhe concedido o direito exclusivo na equipa de fábrica da Yamaha de usar os pneus Bridgestone vencedores, com os quais Casey Stoner conquistou o título de campeão mundial na Ducati em 2007 e que na altura eram considerados melhores que os da Michelin.

Lorenzo, como colega de equipa de Rossi, teve de usar os pneus Michelin inferiores, o que o atirou espetacularmente fora da pista várias vezes quando ainda não estavam na temperatura ideal de funcionamento.

O talentoso Lorenzo ainda venceu três vezes como estreante na MotoGP nos três primeiros Grandes Prémios, mas lesionou-se várias vezes e no final, Rossi triunfou no Campeonato do Mundo.

Lorenzo foi rápido, mas teve de suportar inúmeras quedas dolorosas devido à natureza extrema dos Michelin e à falta de experiência.

Mas a história dos pneus não era a única prova da inimizade. Rossi até tinha uma parede erguida na boxe da Yamaha entre ele e Lorenzo, não fosse algum segredo ser revelado ao seu companheiro de equipa.

Quando o contrato de Rossi com a Yamaha expirou após 2010, fez uma exigência categórica aos japoneses no inverno anterior: “Decidam ou Lorenzo ou eu. Caso contrário, partirei!”

Porém, os responsáveis da Yamaha viram estas declarações como uma ameaça vã e prolongaram o contrato com Lorenzo ainda antes do início da temporada de 2010.

Rossi não queria voltar atrás e assinou com a Ducati Corse em 2011 e 2012. Depois de um 17º lugar no primeiro teste, percebeu que estava em apuros.

Depois de dois anos sem ganhar, Rossi não conseguiu manter sequer o salário inicial de €17m da Ducati e do seu patrocinador Philip Morris em 2013.

Assim, o “Doctor” regressou à Yamaha e foi vice-campeão por três vezes em série de 2014 a 2016.

Em 2017 festejou a sua 115ª e última vitória no GP da Holanda, em Assen.

Loenzo, por sua vez, ingressou na Ducati em 2017 e 2018 e depois andou sem sucesso na Honda Repsol em 2019, e depois de um ano como piloto de testes na Yamaha, está agora desempregado.

Rossi, por outro lado, quase dez anos mais velho que o Maiorquino, ainda tem um contrato de fábrica da Yamaha no bolso e recentemente reconheceu que Lorenzo teria sido útil como ensaiador na Yamaha, um cargo que acabou por ir para Crutchlow este ano…

No entanto, a malograda era Ducati pode ter impedido Valentino, que completa 42 anos a 16 de Fevereiro, de ter a oportunidade de superar o recorde de 122 vitórias em GP de Giacomo Agostini.

3.5 2 votes
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x