MotoGP, 2021 – Miguel Oliveira: “Perseguir um sonho não vale uma vida humana”

Por a 13 Outubro 2021 12:39

O ano de 2021 será difícil e triste para o cenário motociclístico, com vários acidentes que resultaram na perda da vida de três adolescentes. Miguel Oliveira, 26 anos, piloto oficial da Red Bull KTM, questiona se vale a pena pagar com a vida um sonho…

FOTOS OFICIAIS: RED BULL CONTENT POOL

Jason Dupasquier de 19 anos, Hugo Millán de 14 anos e Dean Berta Viñales com 15 anos de idade, foram três talentosos adolescentes que perderam a vida nas pistas de corrida desde o final de maio. A trágica série de acidentes gerou debates sobre segurança e levantou questões, e os pilotos de MotoGP não ficaram indiferentes.

“Tudo começou na Idemitsu Asia Talent Cup, onde morreu um piloto”, disse Miguel Oliveira, lembrando Afridza Munandar, de 20 anos, que sofreu um acidente fatal em Sepang em novembro de 2019. “Então Jason, Hugo e finalmente o Dean … Não tenho respostas, mas tenho muitas perguntas para tentar entender por que essas coisas estão a acontecer. “

“Praticamos um desporto perigoso e todos deveriam saber disso. Mas qual é o preço de perseguir um sonho? Não acho que vale uma vida humana.”

“Quem sai para a pista numa moto de corrida deve estar ciente de como ela é perigosa, saber o que está a acontecer e se realmente vale a pena correr o risco”, destacou o 15 vezes vencedor de Grandes Prémios nas três categorias de Moto3, Moto2 e MotoGP.

“Claro que pode haver muitos debates sobre as regras e o formato dos campeonatos. Mas acho que no final tudo se resume a três coisas: piloto, moto, maturidade. Isso tem que ser resolvido, tem que estar presente quando a criança anda de moto com 14, 15 ou 19 anos ”, enfatizou o português de 26 anos.

“Somos uma família que cresceu com as corridas. Quando acontece uma tragédia destas, falamos sobre ela e tentamos entender como tudo pode funcionar melhor ”, acrescentou o piloto da Red Bull KTM.

“Vimos que a Fórmula 1 fez grandes avanços em termos de segurança. Mas estamos tão desprotegidos numa moto que se torna difícil – para a FIM e a Dorna. ”

“Por um lado, é preciso dar aos jovens e ao maior número possível uma boa hipótese de terem um futuro neste desporto. Ao mesmo tempo, porém, é difícil controlar todo o ambiente e como as coisas são feitas .”

“Estou a falar sobre estas questões mas tenho grande confiança na FIM e na Dorna. São duas organizações muito fortes e capazes. Penso que é do seu interesse olhar em primeiro lugar para a segurança dos seus pilotos e, em segundo lugar, para a imagem que o desporto cria na sociedade. Acho que estamos em boas mãos.” Conclui o três vezes vencedor de MotoGP.

5 1 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x