MotoGP, 2021, Aragón: Um desafio para a Michelin

Por a 6 Setembro 2021 16:30

Após a corrida de Silverstone, a Michelin esteve mais uma vez involuntariamente na ribalta pelas razões erradas. Piero Taramasso, que gere a divisão de MotoGP da Michelin, faz uma antevisão do próximo desafio em Aragón

“A Michelin pode dar respostas”

Piero Taramasso

De Silverstone, a MotoGP passou para Aragón, Espanha, onde o 13º encontro da época está agendado para este fim-de-semana no MotorLand.

O circuito de 5,077 km no sentido contrário ao dos ponteiros do relógio, com dez curvas à esquerda e sete à direita, apresenta outro desafio para o fornecedor francês do pneu único.

“No ano passado, em Aragón, algumas das sessões foram iniciadas mais tarde devido às temperaturas muito baixas… a temperatura do asfalto era inferior a 10 graus na manhã de sexta-feira”, recordou Piero Taramasso, sobre a dupla prova de Aragón. “Espero que as condições sejam melhores este ano, uma vez que a corrida se realiza um pouco mais cedo no ano”.

A atribuição de pneus para o Gran Premio Tissot de Aragón 2021 apresenta, como habitualmente, os três compostos Macio, Médio e Duro, cada um com um desenho simétrico à frente e um assimétrico, onde o flanco do pneu é reforçado à esquerda, na traseira.

“O traçado é um desafio e tanto para os nossos designers de pneus porque inclui uma mistura de curvas – desde lentas e apertadas a rápidas e fluidas – e duas retas onde as motos de MotoGP atingem uma velocidade bastante elevada. Quando se juntam todos estes fatores em cada volta, os pneus são colocados sob considerável stress e temos de nos certificar de que damos a todos os pilotos e à equipa o nosso habitual alto nível de desempenho”, salientou Taramasso.

É precisamente neste requisito que a Michelin não tem estado à altura dos últimos tempos, com vencedores de GP e campeões mundiais como Bagnaia, Miller, Binder, Rossi e Oliveira a queixarem-se dos pneus em Silverstone.

Taramasso disse a propósito: “Em geral, na corrida de Silverstone no Domingo, notámos mais desgaste nos pneus, tanto à frente como atrás, do que nas sessões de treino de sexta-feira e sábado, o que levou a uma perda de desempenho. Esperávamos uma queda de rendimento após dez voltas, mas veio mais cedo, logo após cinco voltas para alguns pilotos”.

Taramasso admitiu que a Michelin precisava de melhorar quando se tratava de fazer previsões sobre o comportamento dos pneus ao longo da distância da corrida.

“Aqui estou a falar de diferentes aspetos: Quando as temperaturas mudam, quando o ritmo acelera ou abranda, ou quais são as consequências quando mais um dos dois pneus são mudados na grelha… Temos de trabalhar melhor para isso, especialmente na TL4 com o tanque cheio, temos de fazer o maior número possível de voltas consecutivas. Sei que não é fácil porque o tempo é curto, mas temos ideias sobre como melhorar este aspeto”.

Segundo Taramasso, o circuito de Silverstone de 5,9 km é, fundamentalmente, muito exigente no que diz respeito aos pneus.

“Voltámos lá pela primeira vez em dois anos e trouxemos a nova carcaça de pneu traseiro, que foi introduzida no ano passado e nunca tinha sido testada lá. Só notámos este desgaste significativo, e em certos casos irregular, num par de pilotos, mas não se devia a motos individuais, pois tínhamos seis fabricantes entre os seis primeiros”.

“Estamos a fazer mais investigação sobre certos casos, há muitos aspetos que podemos analisar, e para mais, as equipas estão a ajudar-nos, fornecendo-nos os seus dados. Isto permitir-nos-á dar respostas baseadas em dados objetivos aos pilotos que pedem explicações“, anunciou o gestor da Michelin.

No entanto, Taramasso quis esclarecer algumas teorias que foram apresentadas nas redes sociais: “Por exemplo, as pessoas dizem que estas coisas nunca acontecem ao Quartararo porque ele é francês. Mas é impossível favorecer um piloto, porque os pneus são atribuídos por sorteio. Também não é verdade que o orçamento tenha sido cortado e temos de poupar, felizmente a nossa empresa lidou muito bem com a situação causada pela Covid-19 e está de boa saúde. Em vez disso, temos todas as tecnologias à nossa disposição para analisar o que aconteceu”.

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x