MotoGP, 2021: Apesar do desenvolvimento congelado, o MotoGP está mais rápido

Por a 21 Julho 2021 16:00

Devido à pandemia de Covid-19, o desenvolvimento motor foi congelado… mas os fabricantes foram buscar à aerodinâmica o modo de tornar as motos mais rápidas, como Oliveira mostrou ao ganhar em Barcelona

Os pilotos de MotoGP ganharam mais de dez segundos em relação ao tempo da distância da corrida num ano, nos circuitos de Montmeló e Jerez, apesar do facto de o desenvolvimento do motor ter sido em grande parte congelado.

Se a segurança sofre como resultado, com as velocidades astronómicas atingidas agora, é uma questão de debate persistente no paddock.

Há precedentes: o recente acidente fatal do Luso-descendente Jason Dupasquier na classe Moto3, (abaixo) e os recordes de velocidade de Brad Binder e Johann Zarco, que passaram a 362,4 quilómetros por hora na reta de Mugello.

Portanto, pela primeira vez em vários anos, surgiram discussões sobre uma possível limitação tecnológica na classe de MotoGP.

Nas primeiras conversações entre os fabricantes, entre outras coisas, falou-se de reduzir o volume de combustível no depósito de 22 para 21 ou 20 litros.

O piloto substituto da Honda Stefan Bradl tinha dito recentemente que as pistas teriam de ser revistas de tempos a tempos, a fim de acompanhar o desenvolvimento das motos.

Isto, apesar do desenvolvimento dos motores já estar congelado devido à situação do Covid desde 2020.

No entanto, uma análise das listas de resultados de 2021 e 2020 mostra que os pilotos melhoraram muito entretanto.

Enquanto Fabio Quartararo ganhou em Jerez em 2020 em 41:22.666 minutos, Jack Miller precisou de 17 segundos menos um ano depois com a Ducati.

Em ambas as ocasiões, a corrida tinha 24 voltas. O tempo da pole de Quartararo também foi melhorado em quase 0,3 segundos pelo próprio francês.

Em Montmeló, a diferença não é tão grande, mas ainda é claramente percetível.

Miguel Oliveira foi doze segundos mais rápido no domingo como vencedor da corrida na KTM Red Bull do que Quartararo fora na pré-época.

No entanto, é também importante notar que a corrida teve lugar em diferentes condições meteorológicas.

Em 2021 estavam sete graus mais no ar e o asfalto estava até 21 graus mais quente. Naturalmente, isto também desempenha um papel na análise. Nas classes mais pequenas, os tempos estão mais próximos uns dos outros.

A FIM, IRTA, MSMA e Dorna estão a conversar entre si para promover o desarmamento técnico. Pode ser útil que, num futuro próximo, queiram voltar a concentrar-se mais na sustentabilidade no desporto.

Marc Márquez é a favor da limitação da velocidade máxima:

“As motos e os motores são quase idênticos, mas algo foi encontrado na área da aerodinâmica. Foram feitos mais progressos com os sistemas de arranque. Temos de encontrar um limite para limitar o desempenho, porque se continuarmos assim, a dada altura, as zonas de segurança não serão suficientes”.

Paolo Ciabatti, da Ducati, discorda:

Sim, vimos registos inéditos de Zarco em Doha. Mas aconteceu porque ele teve vento de trás e depois falhou o ponto de travagem no final da reta. Brad Binder igualou essa velocidade na KTM em Mugello. Mas penso que o perigo nas corridas de motos vem da dinâmica de alguns acidentes, a velocidade não é o fator decisivo. Os acidentes graves acontecem quando um piloto cai e os pilotos atrás não se conseguem desviar. Todos sabem que uma atropelamento pode ter consequências fatais mesmo a 50 ou 60 km/h”.

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x