MOTOGP 2020: ALTERAÇÕES ÀS REGRAS DA AERODINÂMICA 2

Por a 19 Janeiro 2020 16:00

“Área A”: Além de “Outras partes da carroçaria Aero“, foi criada uma nova região da Aerodinâmica que cobre a metade inferior do braço oscilante (onde está localizado o defletor da Ducati, posteriormente copiado pelos rivais após a confirmação da sua legalidade), chamada ‘ Área A ‘.

Esta é definida como um retângulo “que se estende entre o centro do eixo do braço oscilante até à parte de trás da roda traseira e entre 50 mm até o chão e o centro real do eixo da roda”.

As restrições da Aerodinâmica serão aplicadas a: “... todas as partes que, em vista lateral, pertencem, total ou parcialmente, à área” A “e com elementos de design e /ou partes que não são estritamente necessárias para permitir que o motociclista controle a máquina (aceleração, travagem, direção, mudanças), ou conecte as duas rodas com rigidez adequada, permitindo movimento relativo (suspensão, direção), independentemente de serem estruturais (por exemplo, um braço oscilante monocoque projetado para funções extras) ou não (por exemplo, um acessório do braço oscilante)… com exceção dos sensores, chicotes elétricos, condutas de refrigeração do travão traseiro e tubos de escape e /ou tampas de tubo de escape contidas num espaço de 20 mm.”

Como antes, apenas uma atualização pode ser feita em cada parte do corpo Aero expandido (agora incluindo o guarda-lamas dianteiro, carenagem frontal, área “A” e outras partes do corpo Aero) durante a temporada.

 

A nova ‘Área A’ e ‘Outras Partes do Corpo Aero’ são “consideradas como um único componente cada”. Isso significa que “qualquer alteração a um deles é considerada uma atualização”.

O exemplo dado é “se uma moto tiver um acessório do braço oscilante e um guarda-lamas traseiro ambos pertencentes à Área” A “, se o acessório do braço oscilante for alterado ou removido, não será possível atualizar o guarda-lamas traseiro mais tarde durante a temporada.”

Os regulamentos da Aerodinâmica continuam numa base por piloto, de modo que “diferentes pilotos com o mesmo fabricante podem ter diferentes corpos Aero”.

‘Adições’ para tempo chuvoso: Os ‘complementos’ permitidos à Aerodinâmica para pilotagem em clima húmido, definidos como quando pelo menos um pneu de chuva está montado na moto, são os seguintes:

Protetores de mãos que “espelham o perfil de carenagem existente no ponto de fixação” e um defletor de água dos pneus traseiros “não mais largos do que as peças às quais são acoplados e, em vista lateral, localizados na área” A “, à frente do centro das rodas traseiras.”

É permitido remover partes da Aerodinâmica para substituí-las pelos complementos de clima húmido.

Desbaste, furação e corte: O material pode ainda ser removido por desbaste, perfuração e corte das partes da Aerodinâmica, desde que “não afete ou altere qualquer perfil do projeto aprovado” e que o “único objetivo … seja fornecer folga e /ou refrigeração adicionais, quando necessário, e seja feito todo o esforço possível para tê-los como efeitos únicos, ao critério exclusivo do Diretor Técnico”.

Um novo exemplo para 2020 afirma: “É permitido aparar a carenagem dianteira em caso de interferência com um novo design de chassis (folga), não é permitido aparar o perfil de um acessório do braço oscilante inferior ou alterar o design homologado para restaurar a distância mínima ao solo, caso o braço oscilante tenha sido reprojetado, e o implemento seja abaixado como consequência do novo projeto “.

Raio mínimo: Para 2020, todas as arestas da carroceria “devem ter um raio mínimo de 2,5 mm para segurança”.

Vazamentos de óleo e água: Como antes, a quilha inferior fechada é necessária para manter pelo menos “metade da capacidade total de óleo e líquido de arrefecimento do motor usada no motor” para ajudar a impedir que o fluido chegue à pista em caso de vazamento. No passado, a carenagem tinha que conter um mínimo de 5 litros, mas isso foi reduzido para 4 litros em 2020.

Phillip Island: Conforme anunciado anteriormente pela Comissão de Grande Prémio, agora será possível às equipas remover os painéis laterais (seções laterais) da Aerodinâmica em Phillip Island, por razões de segurança. As condições são que “todos os pods laterais sejam removidos e não afetem o perfil externo“.

A remoção foi permitida devido a preocupações com a pilotagem com ventos fortes cruzados, que causou o adiamento da qualificação para o Grande Prémio da Austrália em 2019. “A Direção da Corrida será responsável por determinar se esta concessão será aplicada em outros eventos, com base em condições climáticas adversas.”

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas MotoGP
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png