SBK: Scott Redding em retrospetiva

Por a 29 Agosto 2019 15:30

A tão esperada chegada de Scott Redding ao Campeonato Mundial de Superbike verá o antigo vencedor de MotoGP em 125cc e no Campeonato do Mundo de Moto2 voltar ao cenário mundial depois de uma época no Britânico de Superbike – a vencer!

Com uma personalidade exuberante e uma rica experiência, a entrada no campeonato de SBK com apenas 26 anos deixa Redding com muito a provar no seu regresso à competição a nível mundial.

Começando a correr em tenra idade, Scott Redding estreou-se no campeonato CoolFab Racing, agora certificado como Road to MotoGP oficial. A partir daí, Redding passou para o campeonato espanhol de 125cc em 2006, subindo ao pódio na última corrida do ano em Jerez. Um ano depois, disputou o título e conquistou três vitórias, quatro pódios e duas poles, para ficar em segundo lugar geral na classificação – a oito pontos de Stefan Bradl.

Ambos se mudaram para o paddock de MotoGP na temporada seguinte, no Campeonato do Mundo de 125cc. Redding, a bordo da Aprilia Blusens, começou a temporada com um quinto e um sétimo no Qatar e em Espanha, mas seria no Grande Prêmio de Inglaterra em Donington Park que alcançaria a sua primeira vitória.

A incrível vitória de Redding seria a vitória pelo piloto mais jovem de todos os tempos no paddock de MotoGP, até a de Can Öncü em Valência o ano passado.

O jovem piloto britânico terminou em 11º no final da temporada. Em 2009, Redding permaneceu com a mesma equipa, mas não conseguiu repetir as conquistas de 2008, terminando em 15º no campeonato.

O ano de 2010 começou lentamente na classe de Moto2 com a Suter da Marc VDS, com apenas cinco pontos marcados nos quatro primeiros Grand Prix. Um quarto lugar em Silverstone mostrou o seu potencial e um primeiro pódio na classe chegou em Indianápolis, com o terceiro lugar.

Redding conquistou mais um pódio em Phillip Island para terminar esse ano em oitavo na geral. 2011 viu Redding lutar sem alcançar o pódio, embora 2012 já o tenha visto na luta. Cinco pódios e um melhor resultado de segundo em Silverstone demonstraram que Scott Redding era uma força a ter em conta.

2013 foi o ano do grande assalto ao campeonato de Redding. O Inglês começou a temporada com dois segundos lugares e uma pole, antes de vencer em Le Mans e Mugello. Mais três pódios seguidos, com uma vitória em Silverstone na frente da maior multidão que a pista já viu desde que Silverstone voltou ao calendário, dando-lhe fogo pelo resto do ano. No entanto, não era para ser, e uma lesão em Phillip Island deu o campeonato a Pol Espargaró. Ele terminaria em segundo, atrás do espanhol.

Redding passaria para a classe de MotoGP com a equipa Honda Gresini na classe aberta na temporada seguinte, marcando pontos em 16 dos 18 Grand Prix, com sete top 10 e um melhor resultado de sétimo em duas ocasiões: Losail e Phillip Island, para terminar em 12º na geral.

Em 2015, Scott mudou-se para a nova equipa da Marc VDS Honda e terminou como o melhor piloto britânico no Grande Prémio da Inglaterra, antes de um louco GP de San Marino o ver subir ao pódio da classe rainha.

O ano de 2016 trouxe um novo desafio para a Ducati e a equipa Pramac, com dois top 10 nas três primeiras corridas. Ele liderou o Grande Prêmio da Holanda para terminar em terceiro, e ficou em quarto lugar no Sachsenring.

Redding terminou em 14º na classificação. Permanecendo com a equipa em 2017, o britânico fez 4 Top 10, com um melhor em sétimo. Redding deixou a equipa no final da temporada e juntou-se à equipa da Aprilia Gresini em 2018, onde lutou para igualar a sua forma de anos passados e terminou em 20º no campeonato.

2019 viu Redding voltar às suas raízes no Reino Unido, participando com a Ducati da Paul Bird Motorsport no britânico de Superbike. Adaptando-sea pistas onde nunca correra como um peixe na água, Redding tem sido um dos líderes do campeonato. Com apenas um ano na classe, vai agora tentar fazer uma estreia em grande nas SBK em 2020.

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas Mundial Superbikes
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png