MOTOGP, Teste Sepang: Quartararo em voo no fecho do dia 2

Por a 8 Fevereiro 2020 14:30

Fabio Quartararo (Petronas Yamaha SRT) voltou a ser o homem no topo das folhas de tempos no dia 2 do Teste de Sepang, mas desta vez o francês deixou a sua marca na máquina de fábrica de 2020 ao provar a nova YZR-M1 este Sábado.

O homem que ele depôs foi Jack Miller (Pramac Racing), que voltou a ser aDucati mais rápida, depois do australiano ter mantido o primeiro posto toda a manhã. E

m terceiro lugar ficou outra performance estelar que fez manchetes, uma vez que Dani Pedrosa colocou a KTM nos três primeiros e apenas a 0,090 do topo; o seu 1:58.662 definitivamente um tempo notável.

O dia 2 viu o tempo correr bem, com o tempo em pista ininterrupto a revelar-se valioso para muitos – e muitos a darem mais voltas no Sábado. As 70 voltas de Quartararo foram prova disso e seguiram-se a uma performance no Dia 1 que foi impressionante mas, de certa forma, poderia ser esperada – com o número 20 já a mostrar velocidade cintilante na Yamaha de 2019.

Entrar na nova máquina e provar ser capaz de colocar um 1:58.572 pouco tempo depois para garantir o Dia 2 foi mais do que uma simples repetição. O colega de equipa Franco Morbidelli também foi rápido, em quinto após 60 voltas, a 0,259 do topo numa máquina de especificação “A” de 2020 – alegadamente sem o novo motor e admissão de arm mas caiu na Curva 2.

Maverick Viñales (Yamaha Monster Energy), entretanto, ficou mesmo atrás do italiano, a apenas 0,062, apesar de ter voltado a cair. O número 12 fez 69 voltas, tanto ele como o seu companheiro de equipa Valentino Rossi continuando a trabalhar com três máquinas cada, e Rossi foi décimo após 60 voltas.

O melhor do Doctor foi um 1:59.116. Katsuyuki Nakasuga, outro piloto de testes da Yamaha, sofreu uma queda, piloto OK.

Na Ducati, foi Jack Miller mais uma vez o homem mais rápido. Fez 50 voltas e só perdeu o lugar no topo por 0,069, com relatos positivos sobre a maquinaria Ducati de 2020. Em termos de posição, foi um dia “mais difícil” nas folhas de tempo para os seus colegas das GP20, no entanto, com Danilo Petrucci (Ducati Team) em 13º seguido por Francesco Bagnaia (Pramac Racing) e Andrea Dovizioso (Ducati Team) em 14º e 15º, respetivamente; todos os três dentro de um décimo e todos os três a fazer quase 60 voltas.

Dovizioso caiu na Curva 6, piloto OK, mas causando uma breve Bandeira Vermelha. Johann Zarco (Reale Avintia Racing), entretanto, bateu a volta que estabeleceu no Dia 1 por mais de meio segundo, embora tenha mantido a mesma posição, e o diretor desportivo da Ducati Corse, Paolo Ciabatti, foi visto na boxe com o francês. Tito Rabat, colega de equipa de Zarco, estava logo atrás dele em posição, mas a três décimos e meio.

Na KTM, Dani Pedrosa foi a atração principal nas tabelas de tempos, e o ‘Pequeno Samurai’ fez a sua volta mais rápida de sempre no Circuito Internacional de Sepang – notável dado o seu número de poles e vitórias no traçado.

Pol Espargaró também cantou os seus elogios e terminou o dia em 8º após quase cinquenta voltas, ficou feliz com o seu dia apesar de uma queda na Curva 1 – trabalhando no novo chassis e testando-o com diferentes configurações, citando algumas melhorias fundamentais em travagem e estabilidade.

Brad Binder (KTM Red Bull) também melhorou, desfazendo oito décimos do seu melhor dia e aproximando-se de Alex Márquez (Honda Repsol).

Miguel Oliveira (KTM Red Bull Tech 3) foi 16º no final do dia após 42 voltas, continuando o regresso de lesão e depois de também ter participado no shakedown.

Da mesma forma, o seu companheiro de equipa, Iker Lecuona, que fez 41 voltas na estreia na classe rainha, terminou o sábado em 2:00.396, apesar de ter sofrido uma queda.

A Suzuki só perdeu um lugar nos três primeiros depois do ataque tardio de Pedrosa. As tabelas de tempos viraram-se no dia 2, com Joan Mir (Suzuki Ecstar) a liderar a máquina da fábrica de Hamamatsu em 4º, um 1:58.731 colocando-o a apenas uma décima e meia do topo após 54 voltas. O colega de equipa Alex Rins fez 63 voltas e averbou o seu melhor de 1:58.978 no novo chassis… citando-o como um passo na direção certa.

Mir viu a coisa mais como um balanço de positivos e negativos. O piloto de testes Sylvain Guintoli também esteve gem pista e fez 58 voltas.

Teste Sepang, Final do Dia 2

1 20 F. Quartararo- Yamaha Petronas 1:58.572
2 43 J. Miller – Ducati Pramac +0.069
3 26 D. Pedrosa – KTM Red Bull +0.090
4 36 J. Mir – Suzuki Ecstar +0.159
5 21 F. Morbidelli – Yamaha Petronas +0.259
6 12 V. Rossi – Yamaha Monster +0.321
7 42 A. Rins – Suzuki Ecstar +0.406
8 44 P. Espargaró – KTM Red Bull +0.417
9 93 M. Márquez – Honda Repsol +0.525
10 46 V. Rossi – Yamaha Monster +0.544

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas MotoGP
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png