SBK, 2020: Sandro Cortese já recupera em casa

Por a 4 Setembro 2020 15:04

“Agradeço a Deus todos os dias por ainda estar vivo e não numa cadeira de rodas, foi muito perto”, diz Sandro Cortese sobre o seu terrível acidente e Portimão nas Superbike. O piloto está de volta a casa desde terça-feira.

Sandro Cortese foi autorizado a deixar a clínica especial em Murnau, Baviera, há dois dias e está agora a recuperar em casa, no seu apartamento em Illerbachen, perto de Berkheim, bem cuidado pela namorada Alina e a sua família.

O piloto da Kawasaki Team Outdo de Lucio Pedercini esmagou a sua sétima vértebra depois de colidir com Tati Mercado na última volta da corrida da SBK em Portimão, a 8 de agosto.

A sétima vértebra danificada foi operada e remendada com talas e parafusos e para manter a mobilidade necessária na parte de trás, as vértebras traseiras adjacentes 5, 6, 8 e 9 foram fixadas. “Para que a vértebra danificada possa recuperar em paz”, explicou Sandro Cortese em entrevista à Speedweek.com. “Deve estar estável após três ou quatro meses. A escora na parte de trás é muito grande. O metal deve permanecer na parte de trás da coluna por seis a oito meses. Sinto as escoras e parafusos, também porque não tenho gordura nas costas, o rescaldo das lesões e a cirurgia devem sarar primeiro. Então posso ganhar músculo de novo. Também fui operado ao joelho em Murnau, porque o ligamento exterior estava rasgado. É por isso que tenho de poupar o joelho por mais seis semanas depois da cirurgia. Não devo sobrecarregá-lo e o meu dia-a-dia é composto por sofá, e o ponto alto neste momento é a comida “, riu-se Sandro, que já soa muito melhor e mais confiante do que há duas semanas.

“Houve uma fratura no tornozelo que também precisava de tratamento. Acima de tudo, estou de volta a casa agora. Claro, as quatro semanas no hospital em Faro e na clínica em Murnau foram necessárias para que tudo fosse verificado e ficasse em condição estável. Em três semanas estarei numa clínica de reabilitação. A decisão ainda está pendente aonde isso vai ser.”

“Neste momento só quero ficar saudável. Não me estou a queixar porque a dor vai passar”, disse o campeão mundial de motociclismo. “E com a reabilitação e o treino tudo voltará a correr bem. Os médicos acreditam que a sétima vértebra deve estar estável após três a quatro meses.”

Sandro, campeão do mundo de Moto3 em 2012 (na KTM Red Bull Ajo) e campeão mundial de Supersport de 2018 (na Yamaha Kallio), sofreu uma lesão grave pela segunda vez em 13 meses desde Silverstone em julho de 2019 (nessa altura, foi a articulação do ombro esquerdo demolida). Mesmo assim, não teve culpa própria.

Cortese tem memória completa da colisão com Mercado na corrida de sábado em Portimão, onde o desastre começou com uma queda na última volta: “Lembro-me de tudo. Tati Mercado abrandou na quinta curva, e desviou um pouco para a direita. Estávamos fora dos pontos, já não interessava… Ultrapassei-o, mas ele teve mais aceleração e queria apanhar-me. Conheces o lugar em Portimão, da televisão, fazes lá um voo antes de descer a montanha. Depois colidiu com a minha moto. Quando a minha roda dianteira voltou a entrar em contacto com o chão, partiu o guiador, saí pela direita e bati na parede de cimento a cerca de 130 km/h!”

Passei por momentos muito, muito difíceis desde o acidente”, admitiu Sandro. “Muitos testes foram feitos em Murnau para descartar coisas que poderiam acontecer. Tinha que ter a certeza de como continuar em termos de tratamento.”

“Pelas medições dos impulsos nervosos, só a partir da semana passada é que tudo funciona. Sinto as pernas, a medula espinal está saudável. Ao longo de todos os exames e testes, também se viu que os nervos no lugar ferido foram atingidos, havia hemorragia. Claro que também sinto isso, tenho muitos lugares, especialmente à esquerda do corpo, que ainda estão insensíveis. A sensação está em todo o lado, mas não é como deveria ser. Os médicos disseram-me que pode levar até três ou quatro meses para o corpo voltar a sentir-se normal. Mas os médicos também me asseguraram que mesmo que eu sinta dor agora, me anime, porque a dor vai passar. E se eu não tivesse dor, seria muito pior, porque teria perdido a sensibilidade.”

“Vários médicos disseram-me que tive muita sorte. Alguns graus a mais de ângulo do impacto, e teria sido muito, muito pior. Graças ao meu corpo e à minha forma física, o meu corpo absorveu muito impacto”, disse o piloto de Berkheim, de 30 anos.”

0 0 votes
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x