MotoGP 2020: O que podemos esperar da Ducati este ano? Parte 1

Por a 21 Janeiro 2020 16:00

Para a Ducati, 2019 foi um ano de experiências. O fabricante italiano promoveu Danilo Petrucci da Pramac para a equipa da fábrica, uma reversão da política habitual das principais equipas, para unir dois rivais ferrenhos na esperança de que eles se esforçassem ainda mais.

A contratação de Petrucci ao lado de Andrea Dovizioso transformou o esquadrão da fábrica da Mission Winnow numa verdadeira equipa, com os dois pilotos trabalhando juntos para tentar melhorar a moto e se aperfeiçoar.

As experiências da Ducati no trabalho em equipa superaram as experiências usuais de Gigi Dall’Igna, chefe da Ducati Corse, com as regras, esticando os limites do que é legal no MotoGP.

A Ducati sempre esteve na vanguarda da aerodinâmica e, em 2019, encontrou novas fronteiras para explorar. Com novas regras em vigor definindo ainda mais o que era permitido em termos de aerodinâmica, a Ducati leu atentamente as regras para ver o que não tinha sido coberto.

Descobriu-se que a Comissão do Grande Prémio, que faz as regras, não considerou a colocação de spoilers no braço oscilante. Foi exatamente isso que a Ducati fez, adicionando um spoiler na parte inferior do braço oscilante e coberturas sobre a roda dianteira, ostensivamente para ajudar a resfriar o pneu traseiro – a temperatura do pneu é um fator chave no desgaste dos pneus, uma área na qual a Ducati investiu pesadamente durante a era Michelin.

O facto de também adicionar uma pequena quantidade de força descendente à roda traseira, ajudando a melhorar a travagem, mantendo-a em contato com o solo, foi apenas um efeito colateral útil. Tão útil que até o final do ano, todos os seis fabricantes de MotoGP estavam a fazer o mesmo ou a testar o seu uso para o futuro.

No entanto, toda essa experiência não ajudou a Ducati a vencer o campeonato que tanto cobiçava. Apesar de Andrea Dovizioso ter marcado 269 pontos, o maior número de sempre em MotoGP, o veterano italiano ainda só conseguiu terminar em segundo lugar a seguir a Marc Márquez.

Não há vergonha nisso: Márquez marcou um número recorde de pontos em 2019 e nunca terminou abaixo de segundo, com apenas uma desistência o ano todo. Superar esse tipo de consistência exigiria um esforço sobre-humano ou uma vantagem esmagadora da máquina.

Apesar de não vencer o campeonato, Dovizioso teve uma temporada muito forte em 2019. O italiano queria melhorar a sua consistência após 2018, e no ano passado fez exatamente isso. Ele teve duas quedas, mas a culpa não foi dele: Dovizioso foi derrubado por Lorenzo na pilha de pilotos em Barcelona e depois eliminado no início em Silverstone, quando Fabio Quartararo caiu diretamente à frente dele, deixando-o sem ter para onde ir. Além disso, terminou entre os quatro primeiros em todas as três corridas, exceto a pior, o sétimo lugar em Phillip Island.

Com a Honda negando a maior vantagem da Ducati – potência total – as relações entre Dovizioso e Gigi Dall’Igna azedaram. Dovizioso pede uma coisa desde que chegou à Ducati em 2013: que eles finalmente resolvam o problema da inserção em curva.

A Desmosedici vem melhorando lentamente nessa área desde 2015, quando a Ducati lançou a GP15, a primeira moto a ser construída com o design de Dall’Igna. Mas ainda sofre em curvas longas e rápidas, e a paciência de Dovizioso está-se esgotando.

Isso poderá mudar em 2020? A Ducati levou dois chassis diferentes para os testes em Valencia e Jerez, e o feedback foi positivo, embora Dovizioso fosse cauteloso nas declarações.

“É um passo adiante, porque não houve pontos negativos e isso é bom. Mas não é um passo assim tão grande”. O novo chassis, combinado com um motor revisto que visa tornar a entrega de potência mais suave, para ser mais gentil com os pneus, especialmente na borda, deve facilitar a manutenção de uma trajetória com a Desmosedici.

Onde deixa isto a Ducati para esta temporada?

Andrea Dovizioso está em segundo lugar há três anos e enfrenta pressão da Ducati e de si mesmo para finalmente conquistar o título a Marc Márquez. Existe uma frustração mútua entre a Ducati e Dovizioso por o italiano até agora não ter conseguido fazê-lo.

Se 2020 for mais um ano em que Dovizioso é segundo, uma separação dos caminhos pode estar iminente…

continua

 

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas MotoGP
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x