MotoGP, 2020: Já se fala de 2021 na Honda e Yamaha

Por a 11 Dezembro 2019 15:30

A grelha de MotoGP de 2020 mal acaba de ser estabelecida oficialmente, mas já se fala das possíveis mudanças para 2021.

As mudanças tardias e inesperadas, nalguns casos, de pilotos, dominaram brevemente as manchetes de MotoGP neste final de 2019, mas a seguir o foco mudou para a chamada “silly season” de 2021 que pode entrar em ebulição mais cedo do que nunca.

Com a grelha do próximo ano agora oficialmente concluída, após o anúncio formal de que Johann Zarco substitui Karel Abraham na Avintia Ducati, a atenção já está a voltar-se para 2021, pois todos os pilotos de MotoGP estarão sem contrato no próximo ano (com a exceção incomum de Tito Rabat).

A chave para desencadear movimentos do mercado de pilotos será o destino dos dois maiores nomes da grelha, embora por razões diferentes: Marc Márquez e Valentino Rossi.

Márquez é a batata mais quente do mundo, com todas as equipas, com exceção da Yamaha, dispostas a oferecer o mundo ao multi-campeão mundial.

Mas, considerando que a Honda decidiu fabricar a sua máquina de MotoGP em redor das suas necessidades, muitas vezes à custas dos seus outros pilotos, e a sua demonstrada lealdade ao fabricante japonês, parece improvável que o jovem de 26 anos pule do barco nesta fase da sua carreira.

O que deve amenizar a situação ainda mais é a chegada do irmão mais novo Alex Márquez à Honda Repsol como substituto de Jorge Lorenzo, demonstrando o compromisso da equipa com o seu piloto, construindo a equipa e até o seu companheiro de equipa a seu pedido- coisa que Marc, claro, nega veementemente.

Depois de dominar completamente o MotoGP em 2019, o ónus está nos seus rivais para irem apanhar Márquez equipado com uma Honda e, se ele quiser ficar parado, continuará a assegurar vitórias com um risco mínimo envolvido para todas as partes.

Do outro lado da situação dos grandes jogadores, está a questão do que o futuro reserva para Rossi. O icónico italiano completa 41 anos no início da próxima temporada e, se a conversa sobre a reforma se tornou apenas um murmúrio indesejado quando ele assinou o seu último contrato, o barulho será ensurdecedor no início do próximo ano quando este estiver a expirar.

Dois anos atrás, Rossi assinou contrato com a Yamaha para 2019-2020 antes do início da campanha de 2018 e o nove vezes campeão mundial já disse que quer usar os testes e as rondas de abertura para avaliar a competitividade da Yamaha antes de tomar uma decisão para o seu futuro.

Quanto mais Rossi tomar uma decisão firme, maior será a ansiedade na Yamaha, nem que seja puramente do ponto de vista de marketing, mas a vantagem da equipa de Iwata é a sua força relativa em profundidade na escolha de pilotos.

Se Fabio Quartararo continuar a sua rápida subida em 2020, uma vaga na fábrica estará a acenar-lhe e com Maverick Vinales ainda na foto, a Yamaha deve ter opções claras, mesmo que um dos seus principais astros se afaste.

Independentemente do futuro de Rossi, há uma clara sensação de que a marca VR46 não deixará o paddock tão cedo, com muitas pessoas a acreditar que Rossi dirijirá uma equipa quando se aposentar do MotoGP.

Dada a saída de Marc VDS e Aspar da classe rainha no ano passado, um espaço na grelha está disponível para uma nova equipa no futuro e, embora a expansão para seis motos possa representar um desafio, a Yamaha pode bem preferir trazer Rossi e a marca VR46 diretamente para a equipa de fábrica.

 

 

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas MotoGP
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x