MotoGP, 2020: Davide Brivo da Suzuki em Teleconferência

Por a 11 Maio 2020 15:00

Numa iniciativa da Suzuki Racing que se saúda, o seu manager Davide Brivio esteve em conferencia em direto com vários especialistas e falou da atual situação, das esperanças da equipa e do seu método de seleção de pilotos.

Davide Brivio anunciou recentemente novos contratos tanto para Alex Rins como para Joan Mir até ao final de 2022, e confirmou-os durante a mais recente videoconferência da equipa com os meios de comunicação da MotoGP.

Antes de dar a resposta de Brivio, vale a pena referir que há vários anos, o italiano (que dirigia a garagem de Valentino Rossi na Yamaha durante as suas épocas de conquista do campeonato mundial e deu a Maverick Viñales, Alex Rins e Joan Mir as suas oportunidades no MotoGP com a Suzuki) falou em tentar usar as estatísticas para tirar algum do risco de escolher jovens pilotos para a sua equipa.

“Sou bastante apaixonado por cálculos estatísticos e matemáticos, mas custa-me sempre  pô-los em prática!”, disse Brivio. “Claro que olhamos para as estatísticas, que pilotos ganham muitas corridas, pilotos que nunca ganham… Mas, principalmente, é um palpite.”

Assim, não é surpresa que, ao considerar uma temporada encurtada para 2020, Brivio tenha revelado que esteve a trabalhar para tentar calcular a possível mudança no resultado do campeonato usando os resultados do ano passado, mas não encontrou grandes surpresas.

“Não acho que ter um campeonato curto ou um campeonato longo mude muito as coisas”, começou por dizer. “Os pilotos rápidos serão sempre os mesmos. É claro que este ano existem algumas variáveis, porque temos de ver se esta paragem prolongada afeta mais algumas equipas do que outras, mas em termos de resultados ou competição, acho que vai ser praticamente o mesmo.”

“Tentei fazer um exercício sozinho: fazer as corridas que é suposto fazermos [numa época curta]. Há uma vaga ideia de quais são, como ir duas vezes em Jerez, e podemos ir duas vezes à Áustria… mais ou menos se duplicarmos os resultados do ano passado para Jerez e Áustria e assim por diante, então a situação no campeonato seria muito semelhante. Acho que isto não vai mudar muito.”

“Claro que não se pode cometer um erro, porque há menos corridas para recuperar. Na situação normal, se tivermos um mau início de temporada, alguns acidentes ou algo assim, na segunda parte da época pode-se recuperar.

“Por exemplo, no ano passado, o Viñales teve um início de época difícil, mas foi forte até ao final e voltou [ao terceiro lugar]. Para as duas ou três primeiras posições, acho que não será exatamente a mesma coisa, mas muito semelhante ao que seria para o campeonato completo.”

No entanto, com duas corridas e talvez apenas 25% dos 20 circuitos previstos para um campeonato mundial, existe o perigo de a pequena amostra de pistas escolhidas inclinar o equilíbrio a favor de certos fabricantes?

“Deste ponto de vista, claro que não queremos correr duas vezes na Áustria!”, brincou Brivio. “Mas provavelmente vai acontecer. E, por exemplo, não temos uma corrida em Assen onde somos muito fortes, e não vamos correr em Silverstone onde ganhámos duas vezes nos últimos quatro anos.

Mas OK, as coisas são assim. Não se pode pensar em “Oh, nós não gostamos da Áustria” porque alguém pode ser muito forte na Áustria, mas talvez seja menos forte em Jerez.”

“Ao fim e ao cabo, fazer duas corridas no mesmo circuito é uma das soluções para poder continuar o campeonato. Por isso, temos de aceitar e estar preparados para isso. OK, se vamos fazer 10 ou 12 corridas, e a Áustria vai ter duas corridas, vamos tentar recuperar nos outros circuitos!”

“Mas ‘recuperar’ também não é a palavra certa, porque vamos para a Áustria, com toda a intenção de lutar.”

“Claro que é um circuito onde a Ducati já ganhou muitas vezes, e basicamente Dovizioso e Márquez são sempre fortes, mas a Yamaha marcou pódios na Áustria, e por que não?

“Talvez para alguns fabricantes não seja bom correr duas vezes em Jerez, ou para alguém não seja bom correr duas vezes na Áustria, ou alguém pode sofrer mais em Aragón e talvez tenhamos duas corridas lá, não sei como será o calendário. Mas estamos em 2020, e temos de aceitar que 2020 é especial.”

Brivio revelou ainda que, embora o conceito de fim de semana de duas corridas tenha sido proposto pela Dorna, também tinha sido acordado separadamente pelos fabricantes durante as suas próprias discussões na MSMA.

“A Dorna pensou nisso sozinha, mas nós [os fabricantes] dissemos que se tivéssemos de correr duas vezes no mesmo circuito, ou mesmo se tivéssemos de fazer duas corridas no mesmo fim de semana, OK, íamos fazê-lo. Estávamos abertos a qualquer solução.”

“Em todas estas discussões [com os fabricantes], nunca senti ninguém a pensar nos seus próprios interesses. Toda a gente falava dos interesses do campeonato.”

“Logo, se no interesse do campeonato precisamos de correr duas vezes no mesmo circuito, vamos a isso.”

A temporada passada foi a melhor de Suzuki desde o início da era de quatro tempos, com Rins a conseguir duas vitórias a caminho do quarto lugar do campeonato do mundo.

Mas o espanhol também sofreu três desistências a meio da temporada, e terminou em nono em Aragón e Phillip Island, deixando-o fora da batalha pelo melhor dos restantes atrás de Márquez.

Voltando às hipóteses de Suzuki causar uma surpresa esta temporada, depois de um inverno impressionante que viu tanto Rins como Mir, (este com um melhor de 5º numa temporada de rookie interrompida por lesão) ser muito rápidos durante os testes de inverno, Brivio disse que precisam de ultrapassar a inconsistência do ano passado.

Depois de dez corridas de 2019, Rins já tinha deslizado de segundo (a seguir a Jerez) para o quarto lugar da classificação.

“Espero que a Suzuki possa ser a surpresa, mas também espero que a Suzuki não seja mais a surpresa!”, sorriu Brivio. “No ano passado, o que perdemos foi que não fomos tão fortes no final do campeonato. Podíamos terminar melhor do que acabámos.”

“Só temos de manter resultados mais consistentes este ano e talvez um campeonato encurtado possa ser um bom treino desse ponto de vista.”

A longa pausa desde que as motas de MotoGP viram a última ação no teste do Qatar, em 24 de Fevereiro, também cria incertezas.

“Temos de ver a situação quando recomeçarmos em Julho, depois de quase seis meses em que ninguém andou numa moto de MotoGP. Estamos a discutir com a Dorna sobre ter um dia de testes [na quarta-feira antes de Jerez] e parece que isto vai ser possível e depois vamos direto para o fim de semana de corrida.”

“É também sobre a forma do piloto e quem for mais rápido a adaptar-se terá uma vantagem.”

“Nos últimos anos, muitas vezes as primeiras corridas não são muito significativas para o resto do campeonato para alguns pilotos, mas [agora] terão de ser, todos vão ter de estar na melhor forma durante três ou quatro meses e jogar tudo.”

“Deste ponto de vista é algo novo e eu diria interessante. É o que é. Este será um ano especial para tudo. É um bom teste. Acho que vamos ver os 5-6 melhores pilotos a lutar pela vitória. Não importa quantas corridas temos no calendário.”

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas MotoGP
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x