MotoGP, 2020: Zeelenberg fala da época da Petronas

Por a 30 Novembro 2020 16:00

Na terceira parte de uma entrevista ao manager da Yamaha Petronas Wilco Zeelenberg, o holandês fala da melhoria de Morbidelli

“O Franco nunca desistiu, tentou de tudo: a posição do guiador, a sua própria posição na moto!”

Para o team manager da Yamaha Petronas, Wilco Zeelenberg, a temporada de MotoGP teve duas caras. Primeiro, Fabio Quartararo mostrou resultados na Yamaha da Petronas. Franco Morbidelli, por outro lado, estava a ficar cada vez melhor no fim da época.

Franco Morbidelli foi campeão do mundo de Moto2 na Marc VDS em 2017, e um ano depois ganhou o prémio de Rookie do Ano de MotoGP na Honda Marc VDS numa RC213V algo decrépita.

Wilco Zeelenberg, team manager da Yamaha Petronas, esperava muito do italiano, que foi apresentado como o número 1 da nova Equipa de Sepang no ano passado. Com um décimo lugar no Mundial 2019, Morbidelli tinha feito menos impressão do que o incrível estreante Fabio Quartararo.

O bicampeão do CEV Moto3 terminou em quinto lugar na sua primeira temporada de MotoGP e ganhou uma M1 oficial em 2020 para a nova temporada.

Franco Morbidelli manteve a sua Yamaha de 2019, mas apresentou excelentes desempenhos. Atrás da surpresa Joan Mir, Morbidelli, de 25 anos, foi um igualmente surpreendentemente vice-campeão.

Na temporada de 2020, nenhum piloto de MotoGP fez tantas voltas à frente como Franco Morbidelli: 97.

Na classificação do Campeonato do Mundo, Morbidelli subiu 3 lugares em duas corridas; Quartararo, por outro lado, perdeu seis lugares na tabela, de Valência 1 para Portimão, porque marcou apenas 19 pontos nas últimas seis corridas!

Joan Mir marcou 71 pontos nesse período, Morbidelli 81. Chegou a estar em discussão se Morbidelli deveria continuar a manter a sua Yamaha de especificação A ou obter uma máquina de fábrica para 2020.

Morbidelli disse em Valência que ficou “feliz” com a decisão da equipa e da Yamaha de continuar a dar-lhe a Yamaha de 2019.

Mas também notou que uma M1 de 2020 poderia ter-se desenvolvido mais, pelo que uma máquina atual pode ter vantagens em relação à sua moto vencedora de 2019.

“A minha máquina continua como está”, disse o vice-campeão do Mundo no final. “Eu só tenho que espremer o máximo deste pacote. A nova máquina é a que tem maior margem para melhoria. A minha moto anterior é a máquina com menos possibilidades de otimizações. Mas isso não significa que não possa andar rápido com ela.”

Acha então Wilco que se atingiu o potencial do Fabio em 2020?

“Não. Claro que queríamos o título do Campeonato do Mundo, deixámos escapar o título, é assim que nos sentimos. Não se pode dizer que Joan Mir fosse o mais forte em todo o lado. Foi o piloto mais consistente e chegou ao pódio várias vezes, e é assim que o jogo funciona: se tens mais pontos, és o campeão do mundo.

Mas, por boas razão, se sagrou campeão do mundo, e conquistou o título. Podia-se sentir como cresceu durante a temporada. No entanto, penso que as diferenças entre os pilotos diminuíram.”

Entretanto, o Franco Morbidelli tornou-se mais e mais forte. Ele surpreendeu-te?

“Sim, mostrou serviço, já no final da época passada mostrou que se tinha tornado mais forte. Não esperávamos que ele se apresentasse da mesma forma que o Fabio no ano anterior, mas já esperávamos que ele estivesse à sua frente na classificação. Mas demorou mais tempo a deixar para trás a Honda de 2018!”

Por que foi isso?

“A Yamaha tem de ser conduzida de forma diferente. O Fabio veio como um piloto de Moto2, por isso não teve termo de comparação, e entendeu mais rapidamente como conduzir a Yamaha rapidamente. Mas o Franco nunca desistiu, foi bom de se ver. Tentou de tudo: a posição do guiador, a sua própria posição na moto. Sempre lutou muito. Treinou muito no inverno e no primeiro Teste em 2020 foi muito mais forte do que esperávamos.”

No próximo ano, Franco voltará a andar na M1 de 2019. Havia razões financeiras para isso?

“De início, sim. Mas, neste momento, não quer outra coisa. Ele tem uma boa sensação com esta máquina e não a quer perder… Claro que quer mais velocidade, mas disse: “Se não conseguir testar e comparar a máquina de 2020, prefiro ficar com a M1 de 2019.”

“Fala-se sempre de uma máquina de 2019, mas na verdade é um híbrido, uma mistura. O motor não foi totalmente atualizado em 2019 e já vimos outros fabricantes que por vezes pensam: “Preferíamos ter a máquina do ano anterior outra vez, mas como o desenvolvimento do motor está congelado até ao final de 2021, às vezes as suas mãos estão atadas!”

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x