Moto2, 2020, Le Mans: Intact GP sem Lüthi, devido à falta de vitórias

Por a 30 Setembro 2020 14:30

A equipa de Moto2 Liqui Moly Intact GP vai separar-se do suíço de 34 anos, que já assinou pela SAG, no final da temporada.

Desde o GP da Catalunha, o desempenho medíocre de Thomas Lüthi tem sido constantemente atribuído ao chefe da equipa Michael Thier pelo manager do piloto e isso tem causado desconforto no seio da equipa.

A separação entre a Liqui Moly IntactGP e Tom Lüthi está nas cartas há dois anos, segundo a Speedweek. Ela começou com Jürgen Lingg, que dirige a formação de Moto2 como diretor de equipa e é também responsável pela tecnologia como diretor técnico.

Depois de terminar em quinto lugar no GP da Estíria a 23 de Agosto, Tom Lüthi assumiu que a cooperação iria continuar, e estava a lutar pela sua continuidade. Mas parece que o manager de Lüthi, Dani Epp, tem testado a paciência dos donos da equipa Stefan Keckeisen e Wolfgang Kuhn com as suas críticas ao chefe da equipa, Michael Thier, pelo que o contrato não foi renovado, como foi revelado na passada sexta-feira no 54º aniversário de Jürgen Lingg.

Lingg não poupa elogios ao antigo técnico da Kalex. “Muitas equipas de Moto2 conhecem o Michael da era Kalex e sabem o que ele pode fazer. É um tipo inteligente. Durante o tempo do Tom com o técnico chefe Gilles Bigot na equipa CGBM suíça, ele foi responsável pelo apoio Kalex na boxe do Tom e estava muito envolvido. Além disso, o Lüthi ficou apenas 12 pontos atrás do campeão do mundo no seu primeiro ano com Thier no Mundial. Nunca esteve tão perto em 10 anos de Moto2 e isso diz tudo”, diz Lingg, que não quer lavar roupa suja, porque ainda há seis fins de semana de GP a completar juntos.

“O Michael sabe o que está a fazer e não merecia esta crítica”, acrescentou Lingg, que ganhou muita experiência na Kiefer Racing, Racing Team Germany e Ajo Motorsport,.

O facto é que Epp levou a carreira do seu protegido a um beco sem saída. A mudança forçada de Lüthi para a SAG não é uma melhoria, porque o CEO da SAG, Edu Perales, está constantemente a debater-se com problemas de orçamento. Lüthi vai ter de trazer dinheiro, inédito para um piloto de Moto2 com os seus resultados. Mas as outras equipas de topo, como Marc VDS, Pons, Gresini, Italtrans e Red Bull Ajo, já não tinham vagas quando a IntactGP se recusou a renovar o contrato com o suíço de 34 anos.

Tom Lüthi já ficou em segundo no Campeonato do Mundo em 2016 e 2017 e era um dos favoritos para o Mundial de Moto2 de 2020 devido à subida de Alex Márquez e Brad Binder à MotoGP. Mas depois de terminar em 11º lugar no GP da Catalunha, está apenas em nono a 93 pontos do líder Luca Marini, com o ponto mais baixo deste ano o 26º lugar na grelha em Brno.

Claro, a IntactGP também não é infalível, mas quem passa o cheque, dá as ordens. Em qualquer caso, a equipa acusa Lüthi e Epp de falta de autocrítica. Para um piloto colocado em terceiro no Mundial, mesmo com uma configuração menos que perfeita, um 26º lugar na grelha não basta.

O que correu mal então depois do teste de Jerez? Uma equipa ganha junta e perde junta. Tom Lüthi dominou os testes de Fevereiro em Jerez, mas não encontrou uma configuração adequada na baixa aderência do Qatar.

Seguiram-se quedas, perda de autoconfiança e muita incerteza durante a pausa do Covid até meados de Julho, e os maus resultados continuaram após o recomeço em Jerez.

Observadores atentos recordarão que já na temporada de MotoGP de 2018, Lüthi perdeu a confiança após um bom início de temporada no Qatar depois de inúmeras quedas, e manteve-se todo o ano sem pontos no Campeonato do Mundo, enquanto o jovem companheiro de equipa Franco Morbidelli marcou 50  como estreante. Como piloto de testes da KTM, Tom Lüthi também já tinha adquirido alguma experiência em MotoGP.

Talvez tenha sido um erro de Lüthi imaginar Gilles Bigot, que trouxe consigo de Moto2, como chefe de equipa de MotoGP, pois o  francês não trabalhava na classe rainha há quase 20 anos.

Sucesso duradouro envolve muito mais do que talento e capacidade de andar de moto rapidamente. Também são precisas sensibilidade e capacidade de previsão e por vezes também uma abordagem fresca aos erros e riscos calculados.

Tom é um corredor apaixonado e talentoso e um piloto simpático. Com um título de Campeão do Mundo, dois segundos lugares em Mundiais em 2016 e 2017 e 17 vitórias em GP, teve sucesso considerável, mas desde tenra idade não quis preocupar-se com os aspetos fora das corridas, e Daniel Epp tirou-lhe isso tudo de cima.

Lüthi entrou para o Campeonato do Mundo de 125 em 2002, aos 15 anos, e venceu em 2005, aos 18 anos, como piloto privado da Honda contra a equipa de fábrica da KTM com Kallio, Talmacsi e Simon.

O seu talento é indiscutível, mas às vezes o popular Suiço carece de frieza em pista, e da assertividade ou competitividade de um Brad Binder ou de jovens estrelas como Luca Marini, Enea Bastianini ou Jorge Martin.

Resta saber se o objetivo de vencer o Campeonato do Mundo de Moto2 é mais fácil para a equipa SAG do que para a Intact.

Por enquanto, não há vencedor nesta disputa. Tom Lüthi deixa uma das melhores equipas do paddock, e a Intact perde um potencial campeão do mundo e vai substitui-lo pelo estreante Tony Arbolino.

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Moto GP
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x