Moto2, 2020: A história da Speed Up, Parte 2

Por a 27 Dezembro 2020 14:30

Vimos como logo na sua estreia a Speed Up teve algum sucesso, mas mais viria a seguir depois de 2013

Em 2021, a equipa sairá com quatro SF20Ts e duas equipas revistas

No ano seguinte, três Speed Ups estavam em pista, um para Sam Lowes na equipa oficial, mais duas para Anthony West e Roman Ramos na equipa da Federação do Quatar QMMF, uma parceria com a equipa do Qatar que continuará até 2017.

É mesmo o australiano que traz à equipa um sucesso histórico no GP da Holanda a seguir, mas vamos pela ordem. Em 2015, a Speed Up, com Sam Lowes, conseguiu ficar a seguir à Kalex, conquistando uma vitória, cinco pódios no total, três pole positions e uma volta mais rápida em corrida.

Resultados que permitiram à empresa italiana terminar pela primeira vez no segundo lugar como fabricante, um ranking que também repetirá em 2016, apesar da ausência de vitórias, contando os três pódios de Simone Corsi e o portador da bandeira do QMMF, Julion Simon.

Em 2017, duas SF17s estão no bom caminho durante toda a temporada, pilotadas por quatro pilotos em diferentes alturas, devido a lesões e alterações.

O mesmo em 2018, mas com a SF18H, que está de volta às vitórias.

Na Catalunha, Fabio Quartararo assume o comando para conseguir o seu primeiro título de campeão do mundo. Para o francês, há também mais dois pódios, uma pole e uma volta rápida.

A partir de 2019, é o adeus ao motor Honda, pois a Triumph chega à classe de Moto2 com o seu três cilindros de 765cc.

A Speed Up projeta a SF19T, confiada a Fabio Di Giannantonio e Jorge Navarro. Não houve vitórias nesse ano, mas o espanhol conquistou oito pódios, quatro pole positions e duas voltas mais rápidas em corrida, o que lhe valeu o quarto lugar no campeonato.

Para o italiano, que acaba de chegar à categoria como vice-campeão de Moto3, são dois pódios, uma pole e outros lugares sólidos que lhe permitem garantir o título de rookie do Ano.

Em 2020, a equipa está de volta com a mesma dupla, mas com a adição de Aron Canet e Hafizh Syahrin na equipa Aspar, também em Speed Up.

Fabio Di Giannantonio consegue dois pódios para a moto artesanal Italiana, mais uma pole position conquistada graças ao estreante espanhol, melhor estreante do ano no final desta complicada temporada de 2020.

Em 2021, a equipa sairá com quatro SF20Ts e duas equipas semi-revistas: na equipa oficial, Jorge Navarro permanece, enquanto Yari Montella, campeão europeu de Moto2 do CEV Repsol com a companhia de Vicenza, chega ao Mundial. Do lado da Aspar, confirmou-se Aron Canet, que se juntará ao campeão mundial de Moto3 Albert Arenas.

A Speed Up também vai continuar a estar presente no Campeonato Italiano de Velocidade e no CEV.

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Moto GP
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x