SBK: Jonathan Rea diz que foi o regulamento que ‘tramou’ a Kawasaki

Por a 4 Dezembro 2021 13:04

A FIM e o promotor do WSBK, a Dorna, têm feito muito nos últimos anos para colocar todos os fabricantes ao mesmo nível. Para grande desgosto da Kawasaki.

De 2015 a 2020, Jonathan Rea e a Kawasaki venceram o Campeonato do Mundo de Superbike seis vezes consecutivas; Tom Sykes já era campeão em 2013. Este ano Rea foi derrotado pelo excelente Toprak Razgatlioglu, que trouxe para a Yamaha o primeiro título do Campeonato Mundo de Superbike desde 2009 (Ben Spies) e o segundo desde que o campeonato foi fundado em 1988.

Desde 2011, a Kawasaki investiu mais do que qualquer outro fabricante no Superbike World Championship para assim ganhar vantagens. Mas, a longo prazo, nem o promotor Dorna nem os fãs gostaram, eles querem ver diferentes pilotos e marcas no topo. Desde 2018, existe uma regra de equilíbrio complicada, que visa garantir a igualdade de oportunidades. Para 2021, a Kawasaki, portanto, trouxe um novo modelo de homologação da ZX-10RR para obter mais do que os magros 14.600 rpm permitidos até então.

Por comparação, a Ducati Panigale V4R atualmente tem uma rotação máxima permitida de 16.100/min, a Honda CBR1000RR-R pode girar a 15.600/min, a BMW M1000RR 15.500/min e a Yamaha R1 14.950/min.

A FIM não permitiu à Kawasaki uma rotação superior porque o motor da moto atual tem a mesma base do modelo anterior. “Só porque um fabricante tem um pistão diferente no seu motor isso não significa que é um novo motor para nós – é apenas um novo componente,” explicou o Diretor Técnico da SBK Scott Smart.

A Kawasaki teve um pacote muito equilibrado em 2021, Rea conquistou 30 pódios em 37 corridas, 13 vezes como vencedor. Mas o piloto da Irlanda do Norte teve sempre que ir ao limite e teve um número extraordinariamente grande de quedas.

“Temos que melhorar a aceleração e velocidade máxima da nossa moto”, esclareceu Rea ao Speedweek.com. “Achamos extremamente difícil em circuitos como Most e Navarra, onde é preciso acelerar na primeira marcha. E em alguma zonas perdemos 0,3 segundo apenas nas retas. Isso coloca-nos em crise para fazer uma volta rápida e eu tive que andar no limite sempre. É nisto que devemos nos concentrar, existem algumas áreas em que podemos melhorar. Estamos a trabalhar em estreita colaboração com os engenheiros da Kawasaki para testar algumas peças já em dezembro. “

O único grande teste de inverno antes do início do ano realiza-se de 15 a 17 de dezembro, no Circuito de Jerez. A Kawasaki e Rea já estão inscritos, assim como a Honda com Lecuona e Vierge e a BMW com o seu quarteto van der Mark, Redding, Baz e Laverty.

0 0 votes
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x