SSP: Primeiras impressões de Can Öncü

Por a 5 Dezembro 2019 16:00

O teste de dois dias da semana passada no Circuito de Jerez – Ángel Nieto deu-nos uma primeira visão de alguns dos rookies que aparecerão nas grelhas de SBK e SSP, com cerca de 24 pilotos de ambas as séries a evoluir na pista espanhola. Um deles foi Can Öncü, o prodigioso garoto de 16 anos que se junta ao paddock das SSP após 12 meses nas Moto3.

Assim, a bandeira turca será agitada mais uma vez nas Supersport, menos de dois anos após a retirada emocional de Kenan Sofuoglu, graças a esta nova colaboração entre a Orelac Racing e Manuel Puccetti, que trouxe o vencedor da Red Bull Rookies Cup de 2018 e de uma corrida de Moto3 ao paddock das SSP.

Jerez não foi apenas o primeiro teste de Öncü antes de 2020, mas também o primeiro numa moto de 600cc. Uma transição difícil até para o mais corajoso dos pilotos, mas o piloto de 16 anos conseguiu fazer 139 voltas nos dois dias e o seu melhor tempo foi apenas dois segundos mais lento que o próprio Campeão do Mundo da classe.

Foi um começo promissor para Öncü, que parecia encantado e relaxado após o segundo dia: “Foi muito bom, gostei muito. Depois de andar na moto Moto3, isto foi realmente impressionante e foi muito divertido.”

“Trabalhámos bem nos dois dias, fomos muito rápidos. Não tanto como os melhores, mas considerando que foi a primeira vez numa moto grande, fizemos um trabalho incrível. Precisamos de continuar neste caminho.”

Parte do motivo de sua rápida adaptação ao paddock das SBK é o apoio que Öncü recebeu – principalmente de um vencedor de corridas nas SBK, Toprak Razgatlioglu (Yamaha Pata). “Estamos sempre a divertir-nos, fazendo coisas loucas juntos, o que é muito bom. Também saímos juntos na pista; ele seguiu-me uma volta e disse-me onde eu precisava melhorar. Ele é muito simpático, tenho muito orgulho de estar aqui com o Toprak, nada podia ser melhor ”.

Com Razgatlioglu e Kenan Sofuoglu (que também supervisionou a ascensão do piloto de SBK ao estrelato) como mentores, Öncü espera que a sua adaptação continue sem problemas: “Pergunto sobre o que preciso melhorar, como posso obter melhores tempos e eles usam a experiência deles para me orientar. Quando o Toprak me segue, ele pode me dar alguns conselhos, como travar com mais força, ou motivar-me dizendo o que posso fazer melhor”.

“Eu preciso de trabalhar em todas as áreas. Preciso de pensar, de assistir a alguns vídeos, entender por onde se pode passar nesta categoria – porque no Moto3 é tão diferente, na travagem podemos ultrapassar quatro, cinco pilotos. Aqui é preciso ser mais inteligente por causa da maior potência”.

Öncü terá agora dois meses para refletir antes de voltar a Jerez para os primeiros testes de Janeiro, que serão cinco semanas antes do início da temporada. É muito cedo para estabelecer uma meta realista, mas o adolescente turco permanece ambicioso.

“Como todos, o meu objetivo é ganhar o título; mas a realidade é que não é tão fácil”, ele admite. “Vai ser preciso trabalhar muito. Vou tentar fazer o máximo, depois as coisas chegarão com o tempo. O meu primeiro objetivo é terminar entre os dez primeiros, depois os cinco primeiros, os três primeiros e finalmente a primeira posição”.

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas Mundial Supersport
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png