MotoGP:  Danilo Petrucci encontra-se

Por a 29 Julho 2019 16:00

Entre a elite da competição é raro ouvir os pilotos falarem abertamente sobre dúvidas. Mas Danilo Petrucci fez exatamente isso depois de uma corrida inspirada para a vitória diante dos seus fans em Mugello. “Muitas vezes no passado [quase] deixei a minha carreira por começar a pensar que isto não era o meu mundo”, disse ele.

Entrar na equipa da fábrica da Ducati para substituir o cinco-vezes campeão mundial Jorge Lorenzo não foi tarefa fácil para um piloto que competiu nas CRT em 2014. E entrando com um contrato de apenas um ano, o italiano de 28 anos sabia que os resultados deviam melhorar se ele quisesse permanecer como companheiro de equipa de Andrea Dovizioso em 2020.

Considerando isto tudo, o primeiro semestre de 2019 de Petrucci foi um grande sucesso. Ele está em terceiro no campeonato, apenas seis pontos atrás do seu companheiro de equipa mais experiente, depois de vencer de forma brilhante em Mugello.

E o antigo vice-campeão das Superstock nunca foi tão consistente: em nove corridas, Petrucci terminou cada uma dentro dos seis primeiros.

A sua reviravolta teve tanto a ver com a mudança na preparação como com a vantagem de ter uma equipa completa de fábrica à sua disposição.

Encontrar um caminho para dar largas ao talento que lhe trouxe sete pódios da categoria rainha foi a chave para a sua adaptação às pressões que vêm com a pilotagem para uma equipa de topo.

“Danilo tem mais potencial do que se pensa”, disse Dovizioso em Janeiro. Após a corrida em Mugello, ele comentou: “Acho que ele melhorou nesta temporada porque acreditou mais em si mesmo e entendeu o seu potencial. No passado, ele não acreditava e realmente não analisava e percebia os pontos positivos que tinha.”

Petrucci mudou-se para Forli, cidade natal de Dovizioso, no início de 2019 para aprimorar a sua abordagem. Para sua surpresa, o seu companheiro de equipa apresentou-lhe um grupo de pessoas que o colocaram no caminho para se tornar o principal rival de Marquez.

“Se eu o ajudar, eventualmente ele vai-me ajudar” foi o raciocínio de Andrea. Entre os apresentados estavam o médico e psicólogo desportivo de Dovizioso, que permite que os seus pacientes “treinem a mente como um músculo”.

Houve ajustes na sua preparação física, com o italiano agora a treinar mais na moto com Dovizioso, com uma ênfase adicional na intensidade da batalha.

Enquanto a GP19 da Ducati pode ter começado o ano como o pacote mais competitivo da classe, os resultados recentes mostraram que a Yamaha, a Suzuki e a Honda recuperaram.

A nova carenagem da Ducati e o novo “spoiler” ajudaram na aceleração e na conservação dos pneus. O motor de 2019 permanece forte em saída de curva e ainda possui velocidade máxima impressionante. Mas as deficiências também se tornaram mais aparentes à luz das melhorias dos concorrentes.

Mesmo com a vantagem de Márquez na corrida pelo título, um desafio ao campeonato pode aparecer do lado do Italiano. Petrucci cumpriu os seus próprios objetivos, a Ducati sentiu que os seus resultados já mereciam uma extensão de contrato e ele continua com a equipa para 2020, uma recompensa justa para um dos mais sólidos desempenhos na classe.

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas Sem categoria
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png