MotoGP, 2021: Dovizioso fala da vida na Ducati

Por a 9 Janeiro 2021 13:30

Andrea Dovizioso, três vezes vice-campeão do MotoGP, acabou o contrato com a Ducati a 1 de Janeiro e fala agora abertamente pela primeira vez sobre a separação

” Nunca negociámos e, acima de tudo, nunca houve uma oferta na mesa. Na Ducati, só o Dall’Igna decide!”

Nos últimos oito anos, Andrea Dovizioso conquistou 14 das suas 15 vitórias no MotoGP na Ducati, juntamente com 40 dos seus 62 pódios na classe rainha. Isto faz dele o segundo piloto de MotoGP mais bem sucedido para o fabricante de Borgo Panigale,  apenas superado por Casey Stoner.

Apesar dos sucessos, o fim da cooperação deixou um gosto amargo no italiano de 34 anos:

“O procedimento não foi transparente, ao contrário do Petrucci, a quem já tinham dito antes da época começar que não havia lugar na equipa para ele”, disse Dovi numa entrevista à La Gazzetta dello Sport.

“Houve falta de transparência, não foi um comportamento leal. Se soubesse, teria considerado a possibilidade com a KTM de uma forma diferente.”

No caso da Dovi, no entanto, a Ducati queria esperar por cinco Grandes Prémios antes das negociações para uma extensão do contrato com o vice-campeão de 2017, 2018 e 2019 serem aprofundadas.

Queriam ver como a situação se iria desenvolver, disse o diretor desportivo da Ducati, Paolo Ciabatti. Simone Battistella, empresário de Dovizioso, disse aos gestores de Borgo Panigale, no entanto, antes da quarta corrida da temporada na Áustria, a única vitória da temporada de Dovi, que o seu protegido já não estava interessado.

“Mas então Gigi explicou que já tinha compreendido na famosa reunião em meados de 2019, entre o Sachsenring e o GP da Áustria, que tudo tinha acabado”, disse Dovizioso, referindo-se a uma declaração feita por Gigi Dall’Igna após a temporada.

O chefe das corrida da Ducati disse que percebeu na reunião que as duas partes já não queriam trabalhar juntas.

Dovi discorda em absoluto: “Não. Isso devia ter sido uma reunião técnica. Havia ideias diferentes, atritos, e queríamos uma reunião com todos os engenheiros. Começou como uma reunião técnica, mas terminou numa espécie de confronto entre nós dois. Não sei exatamente como descrevê-lo, mas o Gigi sentiu-se… atingido, atacado. Do meu ponto de vista, este foi o momento em que fechou as portas, mas fê-lo em silêncio. E o que ele está a dizer agora confirma isso… Mas em 2020, ainda falaram da minha motivação… Agora sabemos que isso não era verdade.”

Nunca houve uma oferta concreta da Ducati, mas “dizia-se que Dovizioso exigia X, mas a Ducati só podia dar Y… Isso é tudo um disparate. Nunca negociámos e, acima de tudo, nunca houve uma oferta na mesa. Por isso, nunca rejeitei uma oferta baixa. Esta é a confirmação de que já tinha acabado tudo para o Gigi em 2019″, diz Dovi.

Depois, o vencedor de 24 GP foi mais além: “Estas decisões vêm apenas do Gigi. Estamos a falar da Ducati, mas isso é errado, todas as decisões tomadas desde que ele lá está são dele. Como Lorenzo em vez de Márquez em 2017. No início da temporada de 2016 houve uma oportunidade de o apanhar, mas o Gigi já tinha decidido que queria o Lorenzo.”

Mas o homem de 34 anos de Forli também reconhece as qualidades de Dall’Igna. “Sempre reconheci a qualidade e a habilidade de um grande número de engenheiros no departamento de corridas da Ducati. São italianos brilhantes, inteligentes, ” acrescentou Dovi.

“Estão sempre a tentar arranjar alguma coisa. E a Gigi, na minha opinião, é muito, muito bom a extrair o máximo deles. É uma grande vantagem. Mas sempre tive muita dificuldade em convencê-los a irem ao meu encontro em desenvolvimento, apesar de ter construído uma excelente relação com certos engenheiros.”

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x