MotoGP, Teste de Sepang: Crutchlow é o Mouro de trabalho da Honda

Por a 8 Fevereiro 2020 16:30

O piloto da Honda LCR Castrol completou 64 voltas no dia 2 em Sepang, enquanto continua a assumir a parte de leão do plano de testes da HRC.

Com Marc Márquez (Honda Repsol Team) e Takaaki Nakagami (Honda LCR Idemitsu) ainda a recuperarem de cirurgias depois da pausa de inverno, a carga de testes da HRC no teste de Sepang tem recaído nos ombros de Cal Crutchlow.

No dia 2, Crutchlow completou 64 cansativas voltas. Foi mais um dia atarefado para o piloto britânico e, apesar de ele e a Honda terem conseguido o que pretendiam, não foi necessariamente um dia de sucesso.

O número 35 admitiu que não encontra “muitos positivos” até agora com a máquina de 2020 e as diferentes coisas que estão a ser testadas, pelo que terá de ser um grande dia final em Sepang para Crutchlow e a HRC amanhã.

“Hoje tínhamos um grande horário de testes. Foi um dia longo, sem dúvida”, começou por dizer o triplo vencedor de Grande Prémio. “64 voltas por aqui a andar de moto, ficamos a saber no corpo e eu estou mais velho. Mas ultrapassámos a maior parte dos problemas, apesar de ter sido um dia difícil. Hoje a condição da pista não era soberba, mas conseguimos tudo o que precisávamos para passar.”

“Neste momento, não são tantos pontos positivos assim. Foi um dia difícil no que diz respeito a melhorar o tempo de volta de ontem, fomos consistentes, mas provavelmente não seríamos rápidos o suficiente durante uma volta completa se tentássemos forçar a fazer uma. Amanhã é mais um dia em que podemos fazer uma volta rápida, mas vamos ver.”

A sensação com a frente foi um dos principais problemas de Crutchlow em 2019, isso foi retificado com a nova moto?

 “No momento não. Temos de continuar a trabalhar e a tentar encontrar alguma coisa. Estamos a fazer modificações na moto durante todo o dia e durante toda a noite. Ontem à noite fizeram mais algumas modificações para melhorá-la, o que é um bom trabalho da minha equipa e da Honda, porque todas as noites estiveram aqui até à meia-noite, às 2 da manhã a tentar construir coisas que pudessem funcionar.”

“Neste momento, a minha sensação com a frente é talvez pior do que no ano passado, o que não é tão positivo, mas há áreas positivas da moto. O motor parece um pouco mais forte do que no ano passado, o que é sempre bom, mas precisamos de melhorar a sensação dos pilotos na moto.”

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas MotoGP
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png