MotoGP: Os 50 anos da Honda na MotoGP

Por a 9 Janeiro 2020 14:30

Em 2019, não só o Campeonato Mundial de Motociclismo comemorou o seu 70º aniversário, a Honda também comemorou um aniversário notável, pois em 1959, o fabricante japonês contestou o primeiro Grande Prémio da sua história.

Em Junho de 1959, a cena do GP mudou para sempre quando uma pequena equipa com pilotos e engenheiros desconhecidos apareceu na Ilha de Man (que era a prova da Grã-Bretanha a contar para o Mundial) : era a primeira aparição internacional em corridas da Honda e o Campeonato Mundial de Motociclismo não mais seria o mesmo.

A equipa não participou inicialmente de todo o campeonato mundial, mas quatro 125 estreantes surpreenderam o paddock ao acabar em 6, 7, 8 e 11 no Tourist Trophy – fazendo da Honda o melhor fabricante da classe imediatamente.

Esta primeira participação foi seguida pela primeira temporada completa no ano seguinte – e pela primeira vitória em 1961.

Tom Phillis e Kunimitsu Takahashi venceram nas classes 125 e 250 cc, mas a equipa japonesa alcançou o verdadeiro golpe ao contratar o britânico Mike Hailwood e do rodesiano Jim Redman.

Mike Hailwood deu à Honda o seu primeiro título mundial em 1961, e a seguir Jim Redman conquistou quatro títulos em 1962 e 1963 – e em 1964 a Honda e Redman eram imbatíveis na classe 350cc, com oito vitórias em oito GPs.

Depois do sexto e último título do campeonato mundial em 1965, Redman finalmente se tornou o primeiro piloto da Honda a aparecer na lista de vencedores da “categoria rainha” em 1966. A propósito: Marc Le Marquez comemorou a vitória do 300º GP da Honda na classe rainha do Campeonato Mundial de Motociclismo em Le Mans em 2019.

A Honda pode ter sido o fabricante japonês de maior sucesso na década de 1960, mas estava longe de ser o único: entre 1962 e 1967, 24 dos 30 títulos do Campeonato do Mundo em todas as classes foram para o Japão – 15 para Honda, seis para Suzuki e três Yamaha.

Isso também foi garantido por pilotos da Suíça e da Alemanha: Luigi Taveri foi triplo campeão mundial de 125cc na Honda (1962, 1964, 1966); Ernst Degner (1962) e Hans Georg Anscheidt (1966, 1967, 1968) concederam à Suzuki um total de quatro coroas no Mundial na classe 50 cc depois do primeiro ter “fugido” da Alemanha oriental, onde pilotara para a MZ, com os segredos do motor de 2 tempos desta desenvolvidos por Walter Kaaden.

No entanto, um projeto não foi exatamente o desejado: a entrada na classe rainha de 500 cc. A Honda atraíu Hailwood da MV Agusta com uma quantia considerável após conquistar quatro títulos consecutivos de 1962 a 1965.

A gloriosa Honda RC181 era rápida, mas provou-se pouco fiável. Hailwood venceu oito vezes nas onze corridas em que viu a bandeira quadriculada – mas contra o talentoso Giacomo Agostini na ex-MV de Hailwood, sete avarias em dois anos fizeram com que a Honda não conseguisse conquistar o título.

E enquanto os fabricantes japoneses comemoravam o sucesso no exterior, o Campeonato Mundial ainda estava nas mãos da Europa – e os fabricantes da Europa, que tinham contato direto com os organizadores, ​​até ficaram satisfeitos com a súbita chegada dos japoneses. É que as mecânicas japonesas eram complexa e caríssimas e isso levou a novas regras que visavam reduzir custos, reduzindo massivamente a complexidade das máquinas de corrida.

De um dia para o outro, a complicada transmissão de 14 velocidades da Suzuki de 50cc ou a Honda 250 com seis cilindros desapareceram e tudo isso foi substituído por motos mais próximas das máquinas que circulavam nas estradas todos os dias.

O desaparecimento temporário dos fabricantes japoneses andou de mãos dadas com a proibição dessas motos, tecnicamente muito avançadas,

Irritados com o conjunto de regras, que eles viram como uma tentativa de manter a competitividade da Europa e, em troca, enfraquecer as marcas japonesas, viraram as costas ao Campeonato Mundial de Motociclismo.

Mesmo com a Yamaha e a Suzuki a voltarem gradualmente nos seis anos seguintes, o retorno da Honda seria adiado até 1979. E, graças ao fisco do projecto NR de cilindros ovais, foi só em 1982 que voltaram ao pódio com Freddie Spencer.

Marcos de 1959 a 1967

1959: A Honda participa do Torusit Trophy da Ilha de Man pela primeira vez

1961: O GP da Argentina é a primeira corrida fora da Europa

1962: Mike Hailwood vence o primeiro de quatro títulos consecutivos de 500 para a MV Agusta

1963: O GP do Japão é a primeira corrida na Ásia

1964: O Grand Prix dos EUA é a primeira corrida na América do Norte

1966: A Honda vence o campeonato de construtores em todas as cinco classes

1966: Giacomo Agostini vence o primeiro dos sete  títulos de 500consecutivos na MV Agusta

1967: A Honda abandona em protesto à simplificação das regras

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas MotoGP
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png