MotoGP, história: A era de Rainey

Por a 17 Março 2020 15:30

Recuando nos anos da MotoGP para falar de pilotos que dominaram várias épocas do Campeonato, a seguir a Doohan vem Wayne Rainey, que ganhou o título de 500 três anos consecutivamente entre 1990 e 1992, separado de Doohan pelo título único de Schwantz em 1993.

Se excluirmos o título solitário do Australiano Gardner em 1987, Rainey cimentou um ciclo de dominação americana na classe rainha que durou 10 anos entre o primeiro título de Freddie Spencer em 1983 e o referido de Schwantz em 1993

A história de Wayne Rainey é o clássico percurso de anonimato à fama. Desde as suas primeiras aventuras como jovem piloto a correr em mini-motos, através da sua feroz rivalidade com Kevin Schwantz, até ao devastador acidente que terminou a sua carreira, Rainey levou-se ao limite das suas capacidades e definiu o píncaro do seu desporto para uma legião de seguidores.

Californiano de nascimento, Rainey começou a correr miúdo a bordo de um Honda Mini-Trail 50 a usar com 95% nitrometano e 5% de álcool. “O meu pai olhou para o livro de regras e tudo o que dizia era que devias ter combustível”, recorda Rainey.

Começou a ganhar quase de imediato, e continuou a desafiar as expectativas, subindo pela classe de 100cc numa Suzuki 90 aumentada cuja biela durava apenas oito voltas, e depois para uma Honda CR125 Elsinore quando mais ninguém já as montava.

Foi sobretudo a partir daí que Rainey conheceu sucesso: começou a andar numa moto maior, a garantir patrocínios e a roçar cotovelos e joelheiras com os melhores. Rainey ganhou o seu primeiro patrocínio aos 15 anos. Aos 18 anos, o seu ano de estreia como perito em pistas de terra, correu na classe Pro contra o grande Jay Springsteen. No seu primeiro ano, correr não era acerca de ganhar dinheiro; era sobre estar em pista, dormir numa carrinha e procurar a próxima oportunidade. Que estava prestes a chegar…

Depois de uma recomendação do amigo Eddie Lawson, que ia andar na moto mas tinha deslocado uma anca, Rainey fez um teste para o Team Green numa Kawasaki KX250 short-track. O infortúnio de Lawson transformou-se na boa sorte de Rainey, que levou de vencida toda a região Centro-Oeste dos EUA. Impressionados com o seu sucesso, a Kawasaki perguntou se queria experimentar a sua moto de pista.

Até então, Rainey nunca se sentara sequer numa Superbike. Mas como um destemido jovem de 20 anos, encolheu os ombros e disse: “Claro, porque não?”

Rainey tinha encontrado a sua verdadeira vocação. No primeiro ano, venceu 15 das 16 corridas de clubes da AFM e bateu recordes em cada uma delas. A Kawasaki queria capitalizar este sucesso e inscreveu-o para correr numa prova nacional da AMA em Loudon, New Hampshire. A corrida dos rookies foi realizada à chuva, e Rainey, com o fato ensopado, ganhou por 20 segundos.

No dia seguinte, a Kawasaki ofereceu-lhe um contrato para correr nas Superbikes em 1982. “Passei de brincar nas corridas de clubes para me tornar profissional e colega de equipa de Lawson na Kawasaki de 1025cc”, recorda Rainey. “Aquilo era um monstro!”

Aprendendo à medida que ia correndo, ganhou em Loudon, ficou em terceiro lugar no campeonato atrás de Lawson e Mike Baldwin e foi nomeado Rookie do Ano da AMA. Em 1983, Rainey atingiu a sua primeira série de sucesso. Montando uma GPz750 preparada por Rob Muzzy, venceu cinco das sete corridas contra a revolucionária VF750 V-4 da Honda, batendo Baldwin em Willow Springs para se tornar campeão da AMA Superbike.

Quando a Kawasaki despediu toda a sua equipa de Superbike no final da temporada, Kenny Roberts recrutou-o para a sua equipa de 250cc de Grande Prémio, mas a ascensão meteórica de Rainey atingiu um obstáculo.

As corridas internacionais na Venezuela e na África do Sul deram maus arranques e resultados menos que estelares e a volta à América, no ano seguinte. O seu desempenho atraiu a atenção da Honda, e a empresa ofereceu-lhe uma vaga na sua equipa de Superbike de 1986. Rainey queria focar-se na RS500 de dois tempos, mas a Honda foi inflexível. Essa insistência foi um precursor de uma das maiores rivalidades da história.

Rainey apareceu em Daytona em 1987, totalmente preparado para fazer jus à sua reputação de campeão, apesar de ter perdido o título para o colega de equipa Fred Merkel no ano anterior. Depois de vencer o Camel Challenge de cinco voltas, estava pronto para enfrentar a Daytona 200, uma corrida notável por o ter colocado contra o piloto da Suzuki Kevin Schwantz. A meio da corrida, Schwantz começou a fugir de Rainey.

Mas Rainey, determinado em manter a liderança, começou a pressionar Schwantz. A sua persistência salvou o dia quando Schwantz se despistou enquanto liderava. “Ele deitou fora a oportunidade, por isso ganhei a corrida”, afirma Rainey. Não contente com a vitória, Rainey sugeriu nas suas declarações que Schwantz tinha cedido sob pressão.

Nas lendárias corridas do Troféu Transatlântico realizadas no fim de semana de Páscoa em Inglaterra, que opunham os melhores ingleses aos melhores americanos, estava em jogo mais do que uma bolsa de $100.000.

Schwantz ganhou a primeira corrida, alimentando a determinação de Rainey. Enquanto os dois lutavam, Rainey fez uma ultrapassagem a Schwantz em Clearways. Schwantz respondeu, subindo o corretor e musculando Rainey fora do caminho, mas não funcionou. Rainey continuou a fechar a porta, finalmente empurrando Schwantz para a relva.

Rainey ganhou a segunda corrida, e depois disso, a competição passou de um jogo para guerra total. Voltando à América para a temporada de Superbike AMA, Rainey venceu as duas corridas seguintes, mas Schwantz levou cinco das últimas seis. Antecipando os seus futuros resultados nos Grandes Prémios de 500cc, Rainey manteve o seu estatuto de campeão através de desempenhos consistentes.

A Honda ofereceu novamente a Rainey um contrato Superbike, enquanto Schwantz rumou à Europa para andar pela Suzuki. No meio do desejo de Rainey de regressar à Europa, Roberts ofereceu-lhe um lugar na sua equipa de GP de 500cc, mas no GP do Japão de abertura da temporada, Schwantz deu espetáculo, chegando ao GP inaugural dos EUA como líder do campeonato.

Rainey respondeu conquistando a sua primeira pole de GP em Laguna Seca e terminou em quarto- não foi uma vitória, mas bateu Schwantz, que terminou em quinto lugar. Rainey não voltaria a vencer até ao GP da Grã-Bretanha, terminando o seu primeiro ano no campeonato do mundo em oitavo.

A temporada de 1989 assistiu a uma batalha entre Rainey, Schwantz e Eddie Lawson, que tinha saltado da Yamaha para a Honda. Schwantz ganhou seis corridas, mas resultados inconsistentes custaram-lhe na classificação.

Lawson venceu quatro corridas para as três de Rainey (incluindo a sua primeira vitória nos EUA), e quando Rainey caiu na Suécia, Lawson conquistou o seu quarto e último título mundial.

Nos anos seguintes, Lawson juntou-se a Rainey na Equipa Yamaha Roberts, patrocinada pela Marlboro, sofrendo uma série de lesões enquanto Rainey recuperou o seu andamento. Era o tipo a bater, e sabia-o. “Se eu terminasse em primeiro, Wayne seria segundo“, recorda Schwantz. “Mas quando o Wayne chegava primeiro, nunca se sabia quem o ia seguir.”

Estes foram os dias gloriosos dos Grandes Prémios, enquanto os maiores pilotos do mundo lutavam para explorar os limites das selvagens 500. Os pilotos eram tanto as suas vítimas como os seus mestres. “Foi o ano dos despistes violentos”, lembra Rainey. “As motos tinham muita potência e eram muito difíceis de domar. O motor a dois tempos não queria fazer o que era preciso, por isso tínhamos de o forçar. Schwantz, Lawson, Mick Doohan, Wayne Gardner… foi uma era muito especial com o talento que corria na época.”

A temporada de 92 foi difícil, repleta de lesões, uma perna e uma mão partidas, a perda de parte de um dedo, uma dor nas costas lesionadas e uma moto que não iria funcionar como se esperava, levando até Rainey a preferir o chassis satélite Harris a dada altura. No entanto, Rainey veio de trás para ganhar o seu terceiro campeonato mundial consecutivo, apenas por 4 pontos.

Mesmo assim, a emoção começava a passar para o campeão. Embora a temporada de 93 parecesse estar a preparar-se para lhe entregar mais um título, o tricampeão tinha perdido o gosto pelas corridas, já não se divertia.

O GP de Itália em Misano provou ser o ponto de rutura para Rainey. A meio da corrida, enquanto liderava Schwantz, estava a travar para a Curva 1 quando perdeu a aderência lateral e a traseira saiu, agarrou e o cuspiu. Rainey foi catapultado pela frente da moto a mais de 160 km/h. O seu primeiro pensamento foi de derrota, mas a situação era muito pior.

Rainey aterrara de cabeça na zona de gravilha, danificando a espinha. “Foi a dor maior que já senti”, diz. Já tinha tido grandes quedas antes, mas algo não estava bem e soube logo. O meu cérebro estava a dizer, “Levanta-te”, mas as únicas coisas que se moviam eram os meus braços. Sabia que algo estava terrivelmente errado. Estava consciente de tudo o que se estava a passar, e quando tudo começou a ficar preto pensei: “Então é isto… vou morrer aqui mesmo. Deus, se estiveres a ouvir, quero ver a Shae e o Rex.” (a mulher e o filho)

A espinha de Rainey estava partida, e tão deslocada que os médicos ficaram espantados por ter sobrevivido. Mas essa mesma determinação que lhe rendeu três títulos mundiais e o respeito até do seu maior rival foi manter Rainey, na vida como nas corridas de motos.

Mesmo perante a rivalidade, Schwantz ainda vê Rainey como o maior piloto contra quem já correu: “Era o piloto que mais admirava. Vias outros tipos a entrar na Yamaha depois de ele estar nela, e não eram tão competitivos. Aquele tipo tinha uma maneira de fazer qualquer moto funcionar bem!”

Rainey continuou a sua história como dono de uma equipa entre 1994 e 1998, vencendo o GP Australiano de 96 com Loris Capirossi. Mais tarde, foi decisivo para trazer o US GP de volta a Laguna Seca, uma pista perto da sua casa em Monterey, Califórnia, e querida ao seu coração. A esquerda rápida que desce do Corkscrew tem agora o seu nome.

“Se queres ser o melhor, e queres ser campeão do mundo, tens de estar completamente focado em corridas sem distrações”, diz Rainey. “Os meus colegas de equipa pensariam: ‘Vou esperar até que a moto melhore. Eu insistia até ao fim, o que fosse preciso para ser campeão, e quase conseguimos pela quarta vez. Acho que foi essa mesma mentalidade que me manteve vivo.”

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas MotoGP
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png