MotoGP: Desenvolvimento da KTM 2020 ‘nas mãos de Pedrosa’

Por a 17 Agosto 2019 15:15

Dani Pedrosa é muito útil do lado do motor e da eletrónica… A moto do próximo ano também está em grande parte nas suas mãos‘ – diz o Diretor técnico da KTM MotoGP, Sebastian Risse, falando do desenvolvimento da RC16 para 2020.

Quando a saída antecipada de Johann Zarco foi confirmada, a direção da KTM deixou claro que a solução do sonho seria o piloto de testes Dani Pedrosa sair da reforma e preencher o vazio. É improvável que isso aconteça, com o próprio Pedrosa a afirmar logo que não tem intenções de voltar a competir.

Mas o facto do seu nome ter sido instantaneamente ligado ao lugar vago demonstra o quanto o espanhol já é considerado pela KTM. Vencedor de 54 Grandes Prémios ao longo de 18 anos com a Honda, Pedrosa foi forçado a adiar o início dos testes da KTM após a descoberta de lesões na clavícula durante o Inverno.

Mas desde então, o piloto de 33 anos tem conseguido usar a sua vasta experiência para ajudar a refinar a atual RC16 e terá um papel importante na configuração da máquina do próximo ano.

“No momento, ele é mais útil no lado de motores e eletrónica, onde tem muito mais experiência do que os atuais pilotos de GP e Mika [Kallio]”, disse o diretor técnico da KTM MotoGP, Sebastian Risse.

Ele tem sensibilidade para sentir a moto, e se fizermos um pacote com dez atualizações para entregar aos pilotos de GP, eles [dirão] “ah, isso é mesmo o que eu estava à procura”.

“Este tem sido, basicamente, um dos nossos principais focos durante esta época. E depois, claro, a moto do próximo ano também está nas mãos de [Pedrosa] em grande medida.”

“Vamos testar este pacote o mais rápido possível, também com os pilotos de GP”.

“Temos de um lado o Pol e também o Mika, que se concentram muito na aderência da traseira. E depois temos pilotos vindos da Yamaha, que se concentram mais em ter uma moto mais fácil, com melhor comportamento e capacidade de inserção em curva”, disse ele.

“É claro que neste momento, eles têm que forçar muito a nossa moto para conseguir alguma coisa. Pode-se tirara desempenho dela, mas nem todos os pilotos conseguem ou estão preparados para chegar a esse limite.”

“Essas são basicamente as nossas duas principais áreas de foco. Portanto, temos que apoiar Pol no que ele precisa, ele é bastante singular na sua pilotagem, mas consegue resultados neste momento. E, por outro lado, também ajuda os outros pilotos.”

Embora Espargaró ainda não tenha repetido o heroísmo do pódio no ano passado, o espanhol é décimo primeiro do campeonato mundial e já marcou mais pontos do que em qualquer outra temporada da KTM, incluindo um novo melhor lugar de sexto em Le Mans.

“Pol teve uma temporada difícil no ano passado com lesões e este ano estamos realmente a vê-lo noutro nível”, disse Risse. “Do nosso ponto de vista durante o inverno, ele deu um grande passo.”

O ritmo de desenvolvimento técnico tem sido rápido com a KTM “agora estamos a usar a nossa terceira especificação de motor da temporada”, mas a maioria das maiores mudanças foram introduzidas no final do ano passado.

“A moto ainda não está ao nível que queremos, mas Pol está a usando o que temos brilhantemente … mesmo quando algo não funciona tão bem, ainda pode lutar pelos dez primeiros este ano. Isso é realmente um grande passo à frente.”

“Por outro lado, com o Johann, ainda não encontramos o caminho, ele e nós. Basicamente, a sua contribuição para o desenvolvimento é muito apreciada, tentamos muitas coisas, mas realmente os resultados não chegaram e refletem as mudanças feitas até agora “.

A chegada de uma equipa satélite através da parceria com a Tech3 também revelou uma estrela em ascensão na forma de Miguel Oliveira, o estreante português atualmente classificado como o segundo melhor piloto ‘laranja’ depois de Espargaró, com um melhor resultado de oitavo.

“O Miguel começou como uma página em branco no MotoGP, logo é muito aberto e apenas absorve o melhor de todos os outros estilos de pilotagem e tenta desenvolver-se e isso é uma boa confirmação e uma boa contribuição para nós, é claro”, disse Risse.

No entanto, espelhando a situação na equipa de fábrica, o companheiro de equipa Hafizh Syahrin lutou com a mudança de uma Yamaha mais amigável para o piloto. “Hafizh vem de um passado semelhante ao Johann e na maioria das áreas confirma os seus comentários”, confirmou Risse.

A KTM é o único fabricante de MotoGP a não usar chassis de alumínio ou suspensão Öhlins, que alguns sentem serem fatores que penalizam as suas hipóteses num campeonato de pneus de marca única.

Risse discorda: “Basicamente, trabalhamos com vários conceitos de suspensão, mas é claro que vamos nos manter com a WP. E também no quadro temos desenvolvimento contínuo em detalhes, bem como em conceitos, mas não queremos ir para um chassis de alumínio”.

“Acreditamos firmemente que podemos alcançar os nossos objetivos com uma estrutura de quadro de aço – seja na flexão, rigidez ou qualquer outra coisa. É tudo acerca de encontrar os alvos certos e depois alcançá-los. É nisso que trabalhamos.”

Da mesma forma, ele acredita que a KTM está equipada para lidar com uma mudança de especificação para alguns dos pneus Michelin para 2020.

“Os pneus foram a maior área a entender quando nos juntámos ao MotoGP. Não apenas como fazer o pneu funcionar, mas como analisá-lo corretamente, tomar as decisões certas.”

“Mas acho que agora temos as ferramentas para estarmos prontos para especificações de pneus diferentes.”

A KTM, que fez a sua estreia no MotoGP no final de 2016, tem uma vantagem de 22 pontos sobre a Aprilia na classificação dos construtores.

O piloto de testes da KTM, Mika Kallio, que agora trabalha ao lado de Pedrosa, entrará em campo caso Zarco não complete a temporada.

1
Deixe um comentário

Please Login to comment
1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
joao Recent comment authors
recente antigo mais votado
joao
Membro
joao

não me parece, primeiro que o Pedrosa tenha tido qq influência nos últimos desenvolvimentos da KTM, visto que, creio, ter andado na moto 1 vez (tem estado ‘de baixa’ médica desde que assinou com a marca; depois, porque sinceramente não tenho o Pedrosa como uma pessoa com especiais características de desenvolvimento – sempre andou a reboque das primeiras figuras da Honda Team; experiência, sim, terá, nada mais .. o Kallio tem tido esse papel, mas o que é certo é que as motos, nomeadamente tanto de moto2 como de motoGP têm-se mostrado invariavelmente de muito difícil condução – essa tem… Ler mais »

últimas MotoGP
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png