MotoGP, 2021, Mugello: Quatro pilotos, 16 pontos: o rastilho está aceso

Por a 19 Maio 2021 14:02

Três Ducati perseguem a Yamaha de Quartararo em direção ao quintal da fábrica de Bolonha em Mugello

O Grand Prix de France foi um fim-de-semana selvagem. A primeira corrida de bandeira a bandeira em quatro anos foi a ponta do iceberg no domingo, quando a 5ª ronda da época lançou tantos desafios para os pilotos, mas no final de tudo, Le Mans viu a corrida ao título de 2021 de MotoGP ficar ainda mais apertada logo a seguir.

O triunfo frio, calmo e decisivo de Jack Miller (Ducati Lenovo Team) no GP Francês viu-o tornar-se o primeiro australiano desde a lenda do MotoGP Casey Stoner a vencer corridas consecutivas na classe rainha.

Miller esbanjava confiança em todas as condições em Le Mans, e não tendo permitido que duas penalidades de volta longa levassem a melhor sobre as suas emoções numa batalha caótica de domingo, deu a volta a um começo de campanha dececionante.

Juntaram-se ao australiano na tribuna do pódio um par de heróis caseiros: Johann Zarco (Ducati Pramac Racing) e Fabio Quartararo (Yamaha Monster Energy).

No caso de Zarco, são agora três pódios nas cinco corridas de abertura. A ressurreição do francês desde o seu desastre na KTM em 2019 tem sido sensacional, e Zarco está a provar que a Ducati estava absolutamente certa em apostar no duplo Campeão do Mundo de Moto2.

Uma primeira vitória em MotoGP continua a escapar a Zarco, mas ele fala como um homem cujo único objetivo é ganhar o Campeonato do Mundo. Por outras palavras, a mentalidade correta.

Menos de duas semanas após ter sido submetido a uma segunda cirurgia de tendinite no braço em três anos, Fabio Quartararo desencantou um fim-de-semana de Grand Prix em casa cinco estrelas. Rápido no seco, outra pole em Le Mans ficou no saco, mas pela segunda vez sucessiva em França, os deuses do tempo estragariam a festa a Quartararo pois no final da volta 5, estava demasiado molhado para ficar em pista em slicks.

No ano passado, vimos Quartararo terminar 9º tendo saído da pole nas condições húmidas da relva caseira. Foi a primeira prova molhada do El Diablo em MotoGP, por isso não foi surpresa ver os seus rivais Joan Mir (Team Suzuki Ecstar), Francesco Bagnaia (Ducati Lenovo Team) e outros pilotos inexperientes da classe rainha debaterem-se ligeiramente.

No entanto, em circunstâncias indiscutivelmente mais complicadas, 2021 viu o jovem de 22 anos produzir uma excelente performance para terminar 3º.

O próprio Quartararo admitiu que sentiu isso como uma vitória. Depois do contratempo de Jerez, regressar ao pódio em tais condições foi uma prova de campeão.

Outra pessoa que entregou uma prova de Campeão em Le Mans foi Bagnaia.

O resultado de 16º na grelha sábado após um erro de escolha de pneus no Q1 poderia ter sido um spoiler de fim-de-semana para o italiano, que estava a liderar o Campeonato do Mundo antes do encontro cheio de drama de domingo.

Mantendo-se com a cabeça nivelada e sem floreados, Pecco foi 5º a sair do pitlane à medida que o campo trocava de motos.

O italiano desceu então para 10º antes de levar duas penalidades de volta longa, mas chegou a 4º até à bandeira de xadrez, a menos de dois segundos de Quartararo. Mais uma exibição de topo.

A propósito, os quatro primeiros classificados do GP de França são o quarteto líder do Campeonato do Mundo ao sairmos de Le Mans e ao marcarmos uma data com uma das joias italianas.

Quartararo lidera Bagnaia por um ponto, com Zarco em terceiro e Miller em quarto lugar, 12 e 16 pontos à deriva, respetivamente. Uma Yamaha à frente de um trio esfomeado de Ducati.

Essa jóia que mencionámos? Mugello, é claro. Uma magnífica fita de asfalto aninhada nas espetaculares colinas da Toscana, é um lugar a que a Ducati chama casa.

Se houvesse algum lugar no calendário em que a Ducati escolhesse ganhar, seria Mugello. Fizeram exatamente isso nas últimas três ocasiões, graças a Danilo Petrucci (2019), Jorge Lorenzo (2018) e Andrea Dovizioso (2017).

Têm pelo menos três pilotos que estarão ansiosos por repetir o sucesso dos seus antecessores, todos eles sabendo que uma vitória os poderia impulsionar para a liderança da corrida ao título.

O único piloto Yamaha a ganhar nas últimas 11 visitas a Mugello foi Lorenzo. Com a velocidade inigualável da Ducati a percorrer os 1,1 km de reta, a Yamaha e Quartararo vão ter de utilizar os seus pontos fortes nos bocados sinuosos para terem uma hipótese de vencer o trio de Ducati que está a seguir todos os seus movimentos este ano.

A Ducati demonstrou que o seu míssil GP21 é uma moto que tem a versatilidade para vencer em qualquer lugar, por isso, num aperto como Mugello, a Yamaha e os outros fabricantes vão ter de estar no seu melhor.

E vão estar, especialmente no caso de Quartararo. As suas atuações em Doha e Portugal foram perfeitas ao milímetro, assim como a sua saída da Andaluzia antes do problema no braço. Nas condições secas em Le Mans, parecia também uma tarefa difícil vencer o francês.

Vamos ver como se passam as coisas em Mugello dia 30!

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x