MotoGP, 2020: Maverick Viñales, dois anos com a Yamaha

Por a 11 Maio 2020 14:30

Maverick Viñales, estrela da Yamaha, recorda os seus primórdios com a equipa oficial da Yamaha, os primeiros sucessos e a subsequente baixa de resultados, que durou dois anos. “Tínhamos desaparecido completamente“, recorda o catalão.

Quando Maverick Viñales se juntou à equipa de fábrica da Yamaha no início de 2017, depois de dois anos de MotoGP com a Suzuki, tudo correu como planeado de início. O espanhol venceu as suas duas primeiras corridas para o seu novo ganha-pão e também venceu a quinta corrida do Campeonato do Mundo em França. No Grande Prémio em Mugello, terminou em segundo.

Mas a partir da prova de Barcelona desse ano, as coisas não correram como planeado. Apesar de ter chegado ao pódio mais três vezes no resto da temporada (segundo em Silverstone e terceiro em Brno e Phillip Island), o piloto, então com 22 anos, tinha-se desviado do percurso inicial de sucesso, como recorda na oitava edição do podcast “Last on the Brakes”, no site MotoGP.com.

“Foi perfeito para mim, era exatamente o que eu procurava“, explica, referindo-se ao seu compromisso com a Yamaha. “Desde o primeiro dia que pensei: ‘Agora temos uma oportunidade, tenho de lutar pelo título'”, disse a estrela de MotoGP de Figueres. “Nas primeiras seis corridas também mostrámos que é bem possível, estive na liderança por mais de 36 pontos. Mas depois tudo mudou.”

“O que fizemos de errado?”, pergunta Viñales, e imediatamente nos dá a resposta: “Começámos a mudar muito a moto, e no processo perdemo-nos completamente. Levamos dois anos para voltar ao caminho certo. E não foi fácil para mim”, lamenta. “Porque imaginei mais, nas primeiras corridas dominei exatamente como tinha planeado. Mas depois o pneu traseiro foi mudado, mudou tudo e em Montmeló cometemos um erro na escolha dos pneus e acabei muito atrás.”

Depois disso, a Yamaha começou a mudar tudo, relata Viñales. “Lembro-me de Assen, lá tínhamos três chassis e quase enlouqueci. Perdi completamente a sensação na mota e também lamentei pela equipa, pois nada correu como antes. Foi muito difícil para mim perceber que era o caso, porque me via como um campeão potencial. Foi muito difícil para mim. 2017 e 2018 foram muito complicados porque não estava onde queria estar. Sempre pensei que podia fazer muito mais, e continuo a pensar assim hoje. No ano passado, também ainda não atingimos o nosso potencial.”

“Desde meados da temporada de 2019, tudo começou a mudar, mesmo que as coisas já tivessem mudado um pouco para 2019. A Yamaha funciona bem agora, e aproveitamo-nos disso; estamos a trabalhar bem para perceber que partes nos dão vantagem”, disse o terceira classificado no Mundial 2019, que se sente novamente confortável na Yamaha, sobretudo graças à sua equipa em torno do chefe da tripulação Esteban Garcia e do treinador Julian Simon.

No entanto, salienta que: “Correr é sempre outra coisa, temos de o provar no fim de semana de corrida.”

“Se não fizermos alterações, não se pode esperar que nada mude”, acrescentou o piloto da fábrica da Yamaha em retrospetiva. “Os meus resultados não foram os esperados. Acho que teríamos conseguido melhores resultados e ser consistentes no pódio – essa é a nossa posição com a moto que temos. Não havia razão para continuar a falhar corrida após corrida.”

“Falei com a equipa, começámos a mudar algumas coisas e tenho trabalhado na minha atitude. Na segunda metade da temporada ganhámos muita consistência e conseguimos lutar no topo e aproximarmo-nos do pódio”, disse o espanhol de 25 anos, que registou seis das suas sete vitórias no MotoGP na Yamaha.

Um aspeto em particular provou ser decisivo: “O mais importante era melhorar o arranque”, disse Viñales. “Acho que a Yamaha fez um bom trabalho nesta área no inverno. O mais importante deste ano será estar em primeiro ou segundo na primeira curva.”

Basicamente, a M1 2020 parece ser um pacote global melhor do que o modelo anterior, o que é positivo em termos de gestão de pneus, velocidade máxima e aceleração.

“Parece haver muitos progressos, não só nos arranques, mas também depois disso. Quando a moto levanta, ainda se pode usar muita potência”, confirma. “Também mudei a minha abordagem e estou a puxar mais agora. Olhando para os tempos depois de cada corrida, via que a hipótese de ganhar teria estado lá se tivesse começado à frente, porque sempre consegui colmatar a lacuna para os melhores.”

E acrescentou: “Isso estava no topo da minha lista de desejos na Yamaha e foi o meu trabalho de casa mais importante neste inverno. Se não conseguirmos melhorar o arranque, não conseguiremos alcançar os resultados que sabemos serem tangíveis. No ano anterior, este foi precisamente o maior obstáculo; em muitas corridas comecei em sétimo ou oitavo e acabei em 2º ou 3º lugar. Se eu estivesse no topo desde o início, talvez tivesse sido capaz de abrir um intervalo. É muito difícil aceitar que tivemos este problema, mas tivemos de ser pacientes para melhorar.”

É por isso que o desenvolvimento da Yamaha e a confiança que têm em mim são tão importantes.”

0 0 votes
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x