MotoGP, 2020, Brno: Binder em entrevista

Por a 12 Agosto 2020 13:00

“É uma loucura pensar que sou o primeiro sul-africano a ganhar uma corrida de MotoGP!”

Brad Binder fez história no domingo no GP da República Checa, ao conquistar a sua primeira vitória no MotoGP, que foi também a primeira vitória da KTM Red Bull Factory Racing na classe rainha.

Além disso, o jovem de 25 anos, natural de Krugersdorp, tornou-se no primeiro Sul-africano a vencer na classe rainha, apenas a sua terceira corrida, depois da sua promoção do escalão de Moto2, onde terminou em segundo lugar atrás do também estreante de MotoGP Álex Márquez em 2019.

Eis o que o campeão do mundo de Moto3 de 2016 tinha a dizer sobre o seu dia especial:

Até que ponto é significativo seres o primeiro sul-africano a vencer no MotoGP?

É inacreditável. É uma loucura pensar que sou o primeiro sul-africano a ganhar uma corrida de MotoGP. Os sul-africanos em casa estão loucos, são enormes fãs de desportos motorizados e do desporto em geral. Desde que comecei a correr, sinto-me como se tivesse todo o país atrás de mim a apoiar-me. Conseguir a primeira vitória foi absolutamente incrível, não só para mim. Espero que crie algo na África do Sul para o nosso desporto.

Vimos o mundo reagir às notícias da tua vitória, mesmo nos EUA. O que significa ser celebrado globalmente?

Sinceramente, não sei como explicar. É a coisa mais louca para mim. Sempre pensei que deixaria os meus resultados falarem por si e parece que tanta gente tirou tanta alegria de eu ter um bom resultado. Acho que o que impulsionou tudo foi que foi tão inesperado, e acho que todos gostaram desse facto.

Já viste as reações em casa sobre a tua vitória? Alguma vez esperarias um apoio tão grande?

É uma loucura. O meu telemóvel está em modo de voo há 24 horas porque era uma loucura. Estava a ficar ridículo. Acho que todas as pessoas que conheci na vida me enviaram uma mensagem ou tentaram ligar-me.

Os teus pais apoiaram-te durante toda a tua carreira. Como foi a conversa depois da corrida?

Foi muito fixe. Telefonei aos meus pais algumas vezes, mas estavam sempre ao telefone quando liguei e não responderam. Dava para ver como estavam felizes, foi um grande sacrifício para nós como família. Para mim, eu era um miúdo adolescente a correr e a viver o meu sonho de estar no paddock do MotoGP mas, para eles, foi um sacrifício enorme nos bastidores. Tivemos momentos difíceis. Foi difícil no início e um dia como o domingo faz com que tudo encaixe e tudo valha a pena.

Este é também um momento significativo para a KTM – qual é o objetivo da equipa em 2020 e não só? Podes ser um dos desafiantes ao título?

Estou super orgulhoso de fazer parte da família KTM. Para ver onde começámos, ganhámos em todas as classes. Vir fazê-lo no MotoGP foi incrível, literalmente um sonho tornado realidade. Acho que só mostra que com muito trabalho e dedicação tudo é possível. Os rapazes esforçam-se ao máximo em tudo o que fazem. São o grupo de pessoas mais louco que já conheci. Quando se tem esta quantidade de dedicação, é impossível não acertar. Estou super orgulhoso da KTM.

Ganhaste em Spielberg no ano passado, podes continuar a tua corrida vencedora no próximo fim de semana?

Sempre me dei bem em Spielberg. Mas nunca estive lá na moto de MotoGP. Sempre que chego a uma nova pista de MotoGP, tudo muda. Toda a escolha de trajetórias é tão diferente, como os marcadores de travagem e vou ter uma potência extra de 100 cavalos na moto…

Começaste a fazer desportos motorizados em karts na África do Sul antes de trocar pelo motociclismo. O que te deu o bicho das duas rodas?

Assim que tinha idade para correr de moto, fiz a mudança. No início fiz as duas coisas, mas adorei as duas rodas mais do que quatro e acho que foi aí que tudo começou.

Agora que te estás a tornar um herói local, esperas que mais crianças se inspirem no teu caminho? Algum conselho para eles?

É difícil dar conselhos. Há tantos jovens rápidos na África do Sul neste momento. Sempre que vou para casa, fazemos sempre estes dias de treino e gosto muito de sair com os jovens talentos. O conselho seria trabalhar duro, mas aproveitar ao mesmo tempo. Se não há diversão envolvida e as corridas de moto se tornarem um trabalho, então acabou para ti. Um dia de cada vez. Tens de tentar melhorar e ficar cada vez melhor. Se continuarem a trabalhar, chegarão lá eventualmente.

Qual foi a importância da Red Bull Rookies Cup no teu desenvolvimento e no teu sucesso de hoje?

Foi aí que toda a minha carreira começou. Antes disso, só tinha corrido na África do Sul. Assim que entrei na Red Bull Rookies Cup, foi a minha grande oportunidade. Foram definitivamente três anos em que aprendi muito. Foi incrível e adorei cada minuto, e especialmente para nós vindos da África do Sul, não teria havido outra maneira. Se não tivesse isso, acho que ainda estaria a correr em casa.

Fonte: Red Bull

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas MotoGP
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x