MotoGP, 2019: O ano da Petronas

Por a 10 Dezembro 2019 16:00

O chefe da equipa Yamaha Petronas SRT, Razlan Razali, e o diretor da equipa, Johan Stigefelt, reflectem sobre a temporada de 2019

Se alguém lhes dissesse em Valencia o ano passado que a equipa alcançaria os excelentes resultados obtidos em 2019, o que diriam? Estão satisfeitos com esta temporada?

Razlan: “Eu nunca acreditaria se alguém tivesse previsto os grandes resultados que alcançaríamos no nosso primeiro ano. Não esperávamos, e entramos na temporada contando com o Franco para entregar com base na meta que estabelecemos para ele no início do ano. O objetivo para ele era estar entre os seis primeiros no campeonato e, para o Fabio, ser o Rookie do Ano. Não esperávamos fazer o que fizemos como equipa e fazer com que os pilotos tivessem um desempenho tão bom, especialmente o Fabio. Estamos extremamente satisfeitos com o ano, porque foi uma temporada maravilhosa de conto de fadas. ”

A vitória de McPhee em LeMans foi a primeira da equipa

 

Depois de um ano a trabalhar com as três categorias juntas, como classificam a temporada de 2019 e qual foi o destaque?

Johan: “O ponto alto da temporada para mim foi juntar as três equipas no Qatar depois de uma temporada difícil em 2018 para estabelecer metas para a equipa. Trabalhar tão duro para preparar tudo foi um momento de orgulho em Losail na primeira corrida; um dos marcos para todo o projeto. É claro que a temporada em si foi incrível no MotoGP, superando as nossas expectativas mais loucas. De certa forma, o ano inteiro foi um grande destaque para nós, graças ao que alcançámos. ”

Por que acham que a equipa conseguiu surpreender o paddock de MotoGP e a comunidade mais ampla do motociclismo?

Razlan: “Fizemos uma entrada tão forte no paddock com a equipa de MotoGP, e não apenas com o desempenho dos nossos pilotos. Chegamos à primeira corrida na Europa, com a nossa presença na pista causando um grande impacto e com as pessoas comentando imediatamente como a equipa era amigável e acolhedora. Apresentámo-nos muito bem em 2019, não apenas no MotoGP, mas também no Moto2 e Moto3. Não parecemos uma equipa novata no seu primeiro ano – parecia que já lá estávamos à muito tempo. Obviamente, estávamos, com a Moto3, mas o MotoGP é um jogo muito diferente e conseguimos trazer um pouco de ar fresco ao paddock. ”

Qual é a chave para ter todas as três equipas juntas e como um único grupo?

Johan: “Para mim, trabalhando como diretor de equipa em todas as três categorias, era a importância de manter todos juntos como uma equipa. Ouvir e conversar com todos da equipa é fundamental, e tento ser amigo e chefe de todos e ouvi-los. No final do dia, é um trabalho árduo, com muito tempo gasto longe das nossas famílias, e precisamos de garantir que tenhamos um ambiente agradável fora da garagem e que todos sejam bem tratados. “

Morbidelli ia ser a estrela, mas acabou por não ser bem assim…

Quais são os vossos momentos favoritos de 2019?

Razlan: “Há dois momentos em que refleti bastante. O número um foi a vitória do John (McPhee) no Grande Prémio de França, obter o nosso primeiro gosto de vitória. Depois disso, foi o primeiro pódio do Fabio na Catalunha, que também foi um momento incrível. É claro que tivemos sete pole positions durante toda a temporada, mas subir ao pódio pela primeira vez na nossa temporada de estreia foi fantástico.”

Johan: “Eu tenho dois momentos favoritos do ano, começando com a primeira vitória de John para a equipa. Foi um grande alívio para nós, porque trabalhamos há cinco anos na Moto3 e eu insisti este ano para termos um dos melhores na categoria. Contratando John, eu sabia que ele seria um bom piloto, e foram necessárias apenas cinco corridas para ter a pole position e uma vitória. O segundo grande momento foi a pole do Fabio e o segundo lugar do Franco na grelha em Jerez. Fomos para lá com uma hospitalidade totalmente nova, novos reboques e uma nova configuração na Europa. Causamos um grande impacto antes mesmo de sairmos para a pista, e a pole foi bastante surreal. ”

É o primeiro ano trabalhando com a Yamaha no MotoGP. Como é o relacionamento com eles?

Razlan: “Foi uma curva de aprendizagem acentuada, mas tivemos um enorme apoio da Yamaha, tanto comercial, como tecnicamente. A Yamaha está muito feliz com o que fizemos e muito feliz com o apoio que eles nos deram. Parece que não somos apenas um cliente, mas também um parceiro, e estamos contribuindo juntos e desenvolvendo as motos para 2020.

Depois de um ano trabalhando com as três categorias, qual a diferença ou semelhanças do trabalho com cada equipa?

Johan: “O básico de administrar uma equipa é o mesmo em todas as categorias, mas no MotoGP há mais pressão dos media, patrocinadores e fãs. Fiquei um pouco surpreso e chocado ao ver quanta atenção havia sobre nós, mas isso é uma consequência do sucesso que tivemos e de ter um nome enorme como a Petronas em parceria connosco. Todo mundo no automobilismo sabe quem eles são e tenho muito orgulho de ostentar o nome.”

Qual a importância desta temporada para o Grande Prémio da Malásia e o automobilismo em geral na Malásia e qual é o próximo passo?

Razlan: “Para o Grande Prémio da Malásia, ter a equipa foi fantástico. A multidão veio em massa para apoiar não apenas o evento, mas a nossa equipa, e trabalhar em conjunto com a Petronas tem sido muito eficaz, tanto para nós como para a Malásia. Conseguir ter mais de 100.000 pessoas no Domingo foi incrível, e ver tantas delas a usar mercadorias da equipa deixa-me muito orgulhoso. Embora os resultados não fossem o que esperávamos, começar da pole e terminar entre os cinco primeiros foi ótimo. Talvez possamos melhorar no próximo ano na corrida, mas em geral demos aos jovens na Malásia algo a que aspirar. Agora eles podem ver que o sonho de ser piloto de MotoGP pode ser uma realidade se se trabalhar duro.

Quartararo foi, sem dúvida, a surpresa do ano

Na próxima temporada, a equipa vai manter quatro dos atuais pilotos e receber dois novos pilotos na Moto2. A equipa também terá duas motos especiais da Yamaha no MotoGP. O que podemos esperar para 2020?

Johan: “Começando 2019 como fizemos, a pressão vai ser ainda maior para 2020. Esta temporada foi a lua de mel, mas agora precisamos de estar à altura dos nossos resultados e da nossa imagem. E precisamos de manter a equipa feliz e sorridente ao fazê-lo. Haverá um desafio maior, mas estamos prontos para enfrentá-lo. Estabelecemos um padrão alto, mas o objetivo será aumentá-lo ainda mais. Todos na equipa são competitivos e querem fazer melhor – ninguém fica feliz até que cumpramos nossas expectativas. O ano de 2019 foi difícil na Moto2 e é bom ter um piloto experiente como Xavi Vierge e alguém que esteja com fome e fresco como o Jake Dixon. Jake pode surpreender e Xavi só precisa de um ajuste final para estar no topo. Na Moto3, elevamos a fasquia com o John e sabemos no que precisamos de trabalhar para estar na frente todos os fins-de-semana. Com Pawi a voltar à Moto3, também será um desafio – mas ele conhece a classe e a moto e teve sucesso no passado. Estou ansioso para ver ele e o John trabalhando juntos durante todo o ano.”

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas MotoGP
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png