MotoGP. 2019: Crutchlow quer Honda mais consistente

Por a 8 Dezembro 2019 15:00

Cal Crutchlow comentou aspetos da época agora concluída, dizendo entre outras coisas que entende perfeitamente a decisão de Jorge Lorenzo de se retirar do MotoGP após uma temporada dolorosa e desmoralizante na Honda.

Mas o inglês também sustenta que o cinco vezes campeão mundial ‘teria conseguido no final’ no RCV, explicando que – com exceção de Casey Stoner – leva ‘muitos anos’ para ter sucesso na Honda para quem chegar de uma máquina de MotoGP diferente.

“Ainda mantenho o que disse, ou seja, se Jorge tivesse ficado, acho que ele se teria dado bem no final”, disse Crutchlow.

“Digamos que um piloto está a três segundos do ritmo, mesmo assim ainda é rápido, ainda corre o risco de cair. Eu sei que três segundos no nosso mundo é uma diferença enorme, três décimos já é uma grande diferença. O que estou a dizer é que se ele tivesse continuado, teria ficado mais rápido.”

“Mas entendo perfeitamente a decisão dele, provavelmente até mais do que qualquer outra pessoa no paddock. Não é fácil recuperar e, pelo que ele fez na sua carreira, ele cumpriu tudo o que se poderia realmente esperar dele, tem que estar contente – e tenho a certeza de que está. ”

Crutchlow reconheceu que passou por um processo mental semelhante ao de Lorenzo depois de sofrer graves lesões no tornozelo em Phillip Island na última temporada. Mas, no caso dele, durou apenas uma hora.

“Quando Lorenzo caiu em Assen, levantou-se e decidiu que não queria continuar. Entendo, porque no ano passado, quando eu caí em Phillip Island, também senti o mesmo”, disse Crutchlow…

“Mas eu sou diferente porque, como nos treinos em Valencia quando caí, eu simplesmente gosto do facto de ter voltado a montar e ter sido ainda mais rápido, mas isso sou só eu.”

“Por isso eu entendi mas também uma hora depois em Phillip Island, eu já estava a planear com o cirurgião como voltar a correr em Valencia. Obviamente era impossível com o aparelho na minha perna, mas na minha cabeça eu já queria voltar.”

“É diferente para pessoas diferentes. Acho que Marc é mais parecido comigo e alguém talvez mais sensível como o Jorge seja diferente, mas o que é certo ou errado não sei.”

As estatísticas mostram que, após 44 vitórias e três títulos na Yamaha, mais três vitórias na Ducati, o melhor resultado de Lorenzo na Honda foi um décimo primeiro lugar.

“Não, não estou nem um pouco surpreendido com a temporada difícil de Lorenzo. Eu sempre disse, peguem num piloto da Yamaha ou Ducati e coloque-no na Honda e verão. É uma moto difícil, a habituação leva anos “, disse Crutchlow, que começou a sua própria carreira no MotoGP numa Yamaha satélite, depois passou uma temporada na equipa Ducati de fábrica antes de ingressar na Honda LCR em 2015.

Crutchlow subiu ao pódio na sua campanha de estreia na RCV, tornando-se o primeiro piloto britânico desde Barry Sheene a vencer uma corrida da classe rainha, em Brno, na temporada seguinte.

Outras vitórias vieram em Phillip Island em 2016 e na Argentina em 2018, ao lado de um total de 12 pódios com a Honda.

“Se olharmos no papel, eu sou o único que veio de um fabricante diferente e foi rápido com esta moto e esteve no pódio, exceto o Casey Stoner, mas aí estamos a falar de um planeta diferente.”

“Estou a falar do ponto de vista de um piloto satélite. Porque Marc, Dani, Jack, Scott, Tito, Luthi só tinham andado de Honda. Por isso, eu sei como são as outras motos e os seus pontos fortes. Apesar de ter sido alguns anos atrás, o ADN das motos permanece sempre o mesmo”.

Curiosamente, Crutchlow acredita que a chave para se adaptar à Honda não é tanto lidar com os pontos fracos, mas tirar o máximo proveito do seu ponto forte.

“A moto é tão forte na travagem, que não dá para acreditar. Por isso, para entenderem isso, devemos desviar a atenção do ponto mau, e pensar no ponto positivo“, disse ele.

“Como se pode continuar a forçar, a forçar ao máximo com a frente da moto, depois travar mais tarde é uma coisa difícil de fazer, tem de se correr mais riscos. Mas quanto mais riscos se corre e depois se trava no limite, melhor a moto reage e mais rápido andamos”.

Crutchlow foi o único piloto da Honda, além de Marc Márquez, a subir ao pódio nesta temporada, em três ocasiões, mas terminou em nono na classificação geral.

“Médio” foi a palavra que Crutchlow usou para descrever o seu quinto ano em uma RCV, acrescentando: “Precisamos de construir uma moto mais consistente, onde se possa ir ao limite de forma consistente sem cometer erros e cair”.

De facto, apesar de todas as suas vitórias na Honda, a melhor temporada de Crutchlow permanece quinto no campeonato mundial na Yamaha Tech3 em 2015 – quando ele sofreu apenas dois abandonos.

Isso compara-se com cinco ou seis para cada temporada completa na Honda (Crutchlow retirou-se apenas três vezes na última temporada, mas perdeu as últimas três rondas por lesão).

Em termos de seu próprio futuro no MotoGP, depois de sugerir que poderia acabar a sua carreira quando seu contrato expirar no final da próxima temporada, o piloto de 34 anos de idade lembrou que nenhuma decisão foi ainda tomada.

“A história toda começou porque eu fiz uma entrevista a meio do ano dizendo que talvez este seja o meu último contrato, talvez eu me afaste. Mas foi talvez”, disse ele.

“Eu não fixo uma data para quando [decidirei] … Mas o meu plano é entrar no próximo ano a 100% e ver o que acontece, e então vou tomar minha decisão”.

Embora os preparativos de 2019 para Crutchlow fossem severamente prejudicados pela longa recuperação necessária da lesão no tornozelo, ele é agora o único piloto experiente da Honda que não passou recentemente por uma grande operação.

Marc Márquez e Takaaki Nakagami, companheiro de Crutchlow na LCR, estão atualmente a recuperar de uma cirurgia ao ombro cada um, e o irmão de Marc Alex é um rookie.

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas MotoGP
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png