Moto GP, história: Quase, quase, Graeme Crosby

Por a 2 Maio 2020 16:00

Nenhuma lista de grandes pilotos de moto do passado estaria completa sem incluir o (quase esquecido nos nossos dias) Graeme Crosby, mesmo que não tivesse sido, como foi, vice-Campeão Mundial de 500 em 1981.

Graeme Crosby nasceu a 4 de Julho de 1955 em Renwick Blenheim, na Nova Zelândia. Piloto versátil, Crosby era igualmente capaz em corridas de Superbike a quatro tempo ou em dois tempos de Grande Prémio. Para mais, detém a distinção de ser a única pessoa a ter vencido as 200 Milhas de Daytona, as 200 Milhas de Imola, a corrida do Mundial de Resistência das 8 Horas de Suzuka, e o TT da Ilha de Man.

Graeme interessou-se pela primeira vez por motos quando era jovem, com o piloto de motocross em ascensão Ivan Millar.

Mudando-se para Auckland no final da década de 1960, Graeme assumiu uma aprendizagem de mecânica moto em 1972 com um concessionário local. Começou a correr numa Kawasaki H2 aprendendo a correr nos circuitos de rua da Nova Zelândia. Em 1979, já estava a correr no campeonato australiano de Superbike para o importador australiano para a empresa de peças especiais Yoshimura. Foi então contratado para correr para o genro de Yoshimura, Mamoru Moriwaki, outro talentoso engenheiro que estava a lançar a sua própria marca.

Com a Moriwaki, Graeme começou a correr, numa variedade de máquinas de produção e logo se tornou um favorito da multidão com os fãs locais, por êxitos incluindo ganhar as 6 Horas Castrol três vezes, duas vezes pilotando sozinho em 1975 e novamente em 1976 e finalmente em 1977 em equipa com o australiano Tony Hatton.

Mas foram as suas façanhas durante a série internacional de corridas Marlboro de 1976-77 que o fazem ser recordado pela maioria que ainda se lembra dele. Andar numa Kawasaki Z1 Superbike que não era realmente competitiva contra as máquinas de Grande Prémio, como Yamaha TZ e Suzuki RG500, não importava a Croz.

Isso deu-lhe grande impacto com os fãs, montando uma máquina diferente do resto da grelha e entretendo-os com grandes cavalos e alguns bons resultados, especialmente nos circuitos mais apertados.

No ano seguinte, 1978, foi o último ano da série Marlboro. Foi a primeira série que juntou em verdadeiras máquinas de fábrica pilotos amadores, juntamente com uma série de outros pilotos líderes, principalmente em Yamaha TZ750s. Mas fiel à sua forma, Graeme alinhou, desta vez, numa Kawasaki Superbike Z1-R. Mais uma vez as pessoas não se importavam que a máquina não fosse uma máquina de GP. Por um segundo ano, Crosby, quase sempre em derrapagem ou em cavalo, era o favorito dos fãs.

Nos anos que se seguiram, Graeme partiu para o estrangeiro e alcançou muitos sucessos no exterior.

Na corrida inaugural de Suzuka 8 Horas de resistência em 1978, Crosby e o co-piloto Tony Hatton tiveram a oportunidade de vencer a corrida numa Kawasaki Moriwaki Kz1000 antes de ficarem sem combustível, relegando-os para o terceiro lugar. No ano seguinte, Crosby qualificou uma Kawasaki Moriwaki na pole position nas 8 Horas de Suzuka de 1979, à frente de todas as principais equipas de fábrica.

Moriwaki ganhou fama internacional ao fornecer a Crosby motos Kawasaki para competir no campeonato mundial de Fórmula TT e na Ilha de Man TT. Nelas, o Kiwi, como são alcunhados os Neo-Zelandeses, ficou em 4º lugar na Classe de TT Fórmula 1 na Ilha de Man de 1979 e terminou a temporada em terceiro lugar na Classe de Fórmula 1 do campeonato do mundo de Fórmula 1 TT.

Antes do início da temporada do campeonato mundial de 500, Crosby regressou a Daytona em Março, onde acabou por perder por pouco a conquista de uma segunda corrida de Daytona Superbike. Depois de uma longa batalha com o seu companheiro de equipa da Suzuki Yoshimura, Wes Cooley e Freddie Spencer da Honda, Crosby foi derrotado até à meta por Cooley por apenas alguns comprimentos de moto, com Spencer terminando no terceiro lugar. Na corrida de Daytona 200, Crosby foi forçado a retirar-se devido a um problema de transmissão.

Os impressionantes resultados de Crosby valeram-lhe patrocínios apoiados pela fábrica em 1980 com a equipa de Grande Prémio da Suzuki, operada pelo seu importador britânico, a Suzuki GB. Ao mesmo tempo, competiria numa Suzuki GS1000 de quatro tempos no campeonato do mundo de Fórmula TT e montava uma Suzuki RG 500 de dois tempos no campeonato mundial de 500cc. Crosby também deu um impulso à carreira de Wayne Gardner, dando-lhe a sua primeira oportunidade de correr na Europa e inclusivamente emprestando-lhe a sua Moriwaki para o efeito. Apesar de Crosby ter sido contratado para pilotar pela Suzuki, decidiu patrocinar Gardner para competir no campeonato britânico de Superbike de 1981, montando Kawasaki geridas pela concessão britânica Moriwaki, propriedade de Crosby. Gardner viria a tornar-se o primeiro campeão mundial de 500cc da Austrália em 1987.

Assim, Crosby foi contratado pela Suzuki GB para defender o seu campeonato mundial de Fórmula TT e competir ao lado do colega de equipa Randy Mamola no campeonato mundial de 1981 500cc.

Começou o ano com uma vitória na corrida de Superbike em Daytona em Março. Crosby foi forçado a começar na última linha da grelha de partida devido a uma infração menor das regras, forçando-o a passar todo o campo de competidores a caminho de uma vitória inesperada sobre Freddie Spencer. Seguiu-se uma vitória no TT Sénior nas corridas de 1980 da Ilha de Man TT realizadas em Junho. Em Julho, Crosby juntou-se a Wes Cooley numa Suzuki Yoshimura GS1000 para vencer a corrida de resistência das 8 Horas de Suzuka. Em seguida, venceu o Grande Prémio do Ulster para garantir a Classe 1 de Fórmula 1 do campeonato do mundo de Fórmula 1 de 1980. Assim, em 1980, Graeme venceu a Corrida Superbike AMA em Daytona, as 8 Horas de Suzuka, o Senior TT na Ilha de Man e o Mundial de Formula 1 TT, juntamente com uma série de vitórias pelo caminho.

A sua série de vitórias com máquinas de quatro tempos valeu-lhe a reputação de especialista nas 4T. No entanto, Crosby também se mostrou um piloto capaz em 2 tempos quando conduziu uma Suzuki RG 500 para um oitavo lugar no campeonato mundial de 500 em 1980 , incluindo um impressionante segundo lugar no Grande Prémio da Alemanha de 1980 realizado no desafiante Nurburgring.

O ano seguinte, 1981, viu Graeme começar armado com um contrato de fábrica com a Suzuki para correr no Mundial de Fórmula 1 TT e no Mundial de 500 com o jovem americano Randy Mamola como seu companheiro de equipa.

No final do ano, Graeme voltou a ganhar a Fórmula 1 TT e terminou em quarto lugar no Campeonato Mundial de 500cc.

Com a sua mente ainda virada para o campeonato Mundial de 500, as coisas pareciam brilhantes para 1982. No entanto, a Suzuki tinha renovado com Mamola e esperava que Graeme se juntasse a ele mais uma vez montando as máquinas de F1 e 500, no entanto o norte-americano tinha uma cláusula no seu contrato para quem seria o seu companheiro de equipa que excluia Croz.

A Suzuki ofereceu a Graeme um acordo para lhe fornecer motos de fábrica de 500 através de terceiros. Graeme queria tanto correr no campeonato de 500 que teria aceite, mesmo que para isso tivesse de andar ao mesmo tempo numa quatro tempos de F1 no Campeonato de Fórmula 1 TT, que poucos pilotos faziam.

Em 1982 Graeme acabou por correr no Campeonato Mundial de 500, mas não com a Suzuki. Assinou um acordo para correr numa Yamaha de fábrica para a nova equipa de Giacomo Agostini. No final da temporada tinha vencido as 200 Milhas de Daytona e as 200 Milhas de Imola e terminou em segundo lugar no Mundial de 500 atrás de Franco Uncini, que como vimos, foi o último campeão Italiano de 500 antes de Valentino Rossi.

(continua)

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas MotoGP
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x