MotoGP, 2021, Texas: Pilotos discutem o acidente de Moto3 em Austin

Por a 5 Outubro 2021 14:30

Marc Márquez, Fabio Quartararo, Francesco Bagnaia, Valentino Rossi e Joan Mir comentaram o terrível acidente no COTA e a subsequente sanção de Öncü

Foi um incidente aterrador do qual, felizmente, todos conseguiram sair ilesos.

Após o contacto com Deniz Öncü (KTM Red Bull Tech3) na reta da meta de 1,2km do COTA, Jeremy Alcoba (Indonesian Gresini) voou por cima da moto do truco e caiu a grande velocidade também.

O incidente na 3ª volta da corrida recomeçada de Moto3 do Red Bull Grand Prix of The Americas, viu Alcoba cair em frente do grupo de perseguição, com Andrea Migno (Rivacold Snipers) e o líder do Campeonato Pedro Acosta (KTM Red Bull Ajo) incapazes de evitar a Honda prostrada, já atingida por Alcoba.

O trio de pilotos que se despistaram a alta velocidade, Alcoba, Migno e Acosta, conseguiram afastar-se ilesos, e a segunda corrida de Moto3 do dia parada por bandeira vermelha, com as posições da volta anterior a contar, acabou por levar Izan Guevara (Solunion GASGAS Aspar) a assegurar uma vitória inaugural em Grande Prémio.

No final da tarde, os Comissários de MotoGP da FIM confirmaram que Öncü foi considerado o causador da queda, e por isso entregaram ao piloto turco uma suspensão de duas corridas.

No final da ação de domingo em Austin, alguns dos pilotos de MotoGP, reunidos em conferência,  tiveram uma palavra a dizer sobre o que tinha acontecido.

Marc Márquez: “Claro que hoje foi um momento assustador e na televisão… Quero dizer, todos na minha boxe ficaram em silêncio porque nunca se sabe, e já é uma época difícil para o mundo das motos. Mas a verdade é que foi um erro ou movimento brusco de um piloto que criou toda esta situação.”

“Por isso, penso que sim, é uma penalidade muito forte, claro que não foi intencional da parte do Öncü, mas é verdade que eles têm de seguir por esse caminho se quiserem parar estas manobras. Não se pode mudar de trajetória tão agressivamente no meio da reta, porque se pode criar estas coisas. Para mim, esta é a forma, especialmente nas pequenas categorias, de parar estas manobras”.

Fabio Quartararo concordou e lembrou, ademais: “Sim, os últimos três grandes acidentes que tivemos foram todos nas categorias pequenas. É verdade que para eles o cone de ar é extremamente importante, mas não se pode mudar de linha na reta. Para mim, é preciso pensar bem na estratégia que se deve ter na Moto3, mas isso não se pode fazer. Com certeza que não foi intencional do Deniz, mas infelizmente precisamos de ter, penso eu, grandes penalidades que impeçam movimentos estranhos na reta, especialmente”.

Francesco Bagnaia: “Não é a primeira vez que vemos algo assim nas Moto3. Em Barcelona também, o Rodrigo fez o mesmo, mas com mais sorte, porque não houve um acidente. Estamos a ver muitos movimentos estranhos, temos também a sorte de aqui a reta ser muito grande e o muro um pouco longe. E nada, é bom que tenha recebido este tipo de penalização, porque é a única maneira de começar a mudar alguma coisa, mas têm de pensar em algo mais, porque assim, será sempre muito perigoso”.

Valentino Rossi: “Em suma, não quero dizer mal de Öncü ou outro piloto, mas para mim a penalidade está certa. Eles tiveram de fazer alguma coisa. É o mínimo que ele tenha de passar duas corridas em casa, porque eles têm de fazer algo sério, porque a situação está completamente fora de controlo, para mim.”

“Öncü moveu-se na reta quando sabia que tinha outro piloto mesmo ao lado e atravessou-se. Isto foi potencialmente um acidente mortal. Fiquei muito assustado por todos. O Acosta fez um voo aterrador, e eles tiveram muita sorte por nada ter acontecido. Mas eles têm de fazer algo sério com estes jovens desde o início. A situação tem de mudar, antes que algo pior aconteça. As corridas de moto são demasiado perigosas para ter este comportamento na pista!”

“Têm de respeitar a vossa segurança, e a segurança do vosso rival, e isto é mais importante do que ganhar uma posição, porque aqui brinca-se com a vida destes jovens e é potencialmente um desastre”.

Joan Mir: “Acerca isso, eu vi a cara do Deniz, ele já estava estafado antes, no final da primeira corrida. Ele simplesmente não fez aquilo de propósito, e não é o único que faz estas manobras. Penso que a pena não é apenas pela manobra que ele fez, é mais para exemplo, para que os outros parem de fazer isto. É apenas uma punição exemplar. Por isso, concordo com a sua aplicação. Não podemos continuar a ter este tipo de manobras.”

“Perdemos este ano muitos pilotos crianças, e hoje quase perdemos outro. Portanto, temos de tomar algumas decisões firmes porque estas categorias, as pequenas com aquelas motos que são tão fáceis de perder, em grandes grupos, penso que isto está a tornar-se tão, tão, tão perigoso. Não há nenhum líder nesse campeonato que fuja e que vença isolado, os grupos são sempre realmente grandes. Eu não estava contente antes da minha corrida, não é fácil para os pilotos verem uma queda assim. Não sei que tipo de medida se pode tomar, mas precisaremos dela em breve, porque se não, voltará a acontecer alguma coisa má. É assim”.

Com a corrida declarada um resultado no final da primeira paragem por bandeira vermelha, Acosta leva uma vantagem de 30 pontos para o Gran Premio Nolan del Made in Italy e dell’Emilia-Romagna sobre o segundo colocado no COTA Dennis Foggia (Leopard Racing)

5 1 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x