Moto2, Tailândia: Hafizh Syahrin garante lugar na classe

Por a 4 Outubro 2019 12:00

Os planos de Hafizh Syahrin para 2020 parecem finalmente estar definidos, com o piloto que perde o lugar ao lado de Miguel Oliveira na KTM Tech3 a garantir um lugar nas Moto2 para a próxima temporada.
Apesar de não nomear ainda a sua futura equipa, o boato no paddock é que Syahrin vai juntar-se à equipa de Angel Nieto no lugar de Jake Dixon, que está a mudar para a equipa de Sepang.
“Ainda não assinámos o contrato. Provavelmente, neste fim-de-semana, assinaremos”, disse Syahrin, falando em Buriram.
“Assim, irei para a Moto2 e o desafio é que agora o motor é diferente”, acrescentou Syahrin, que passou quatro temporadas completas na classe intermédia com os antigos motores Honda de 600cc.
O primeiro e até agora único piloto de MotoGP da Malásia contempla uma quinta temporada na classe movida pelos motores Triumph, com o objetivo de depois regressar à classe rainha.
“Voltando à Moto2, gostaria de fazer o mesmo que Luthi; lutar pelos lugares no pódio, e no campeonato quero estar entre os cinco primeiros, se possível, porque fiz dois anos entre os dez primeiros no Campeonato do Mundo de Moto2.”
“Não estou a dizer que será fácil no próximo ano, mas o que ganhei com a experiência em MotoGP e com a minha condição física, acredito que posso lançar um desafio.”
“Estou feliz porque continuo neste campeonato e quero voltar o mais rápido possível ao MotoGP”.
A equipa Angel Nieto de Moto2 está atualmente com o chassis da KTM, que não está disponível na próxima temporada, mas Syahrin diz que a equipa utilizará Kalex ou Speed Up.
“Não posso dizer de momento, porque a equipa não decidiu para que lado seguirá”, disse Syahrin. “Será Speed Up ou Kalex, estou esperando a equipa anunciar que pacote terei.”
Buriram é onde Syahrin pilotou uma máquina de MotoGP pela primeira vez, durante os testes de pré-temporada em 2018:
“Com certeza, gosto dessa pista, e também da cultura aqui e do clima, provavelmente semelhante a voltar para casa, mas é um pouco mais quente que a Malásia. A Malásia tem mais humidade, enquanto aqui é mais quente. Mas gosto da comida, o país é bonito e a pista parece fácil, mas não é fácil de entender.”
“Algumas curvas são muito técnicas, por exemplo, a última curva é muito complicada; se se cometer um pequeno erro ou estivermos no limite, é fácil sair largo e cair. Essa é a parte da pista. que é preciso entender.”
“Esta é uma pista que eu gosto, e também no ano passado não estive tão mal. Vamos ver o que podemos fazer e espero que tenhamos um bom fim de semana”.
Com a moto de Oliveira igual às da fábrica, Syahrin tem atualmente a KTM de especificação mais baixa da grelha, mas recebeu uma atualização este fim de semana.
“Não temos um motor novo, mas temos um novo corpo de borboleta da KTM, que com certeza será um passo em frente. Vamos ver depois da FP2”. disse Syahrin, que marcou sete pontos na KTM nesta temporada, comparado aos 46 com a Yamaha em 2018.
Syahrin disse que não sabe quando receberá o mais recente motor RC16, com rumores sugerindo que chegará a tempo para a corrida em casa no início do próximo mês. Brad Binder assumirá o comando da KTM Tech3 de Syahrin em 2020.

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas Moto2
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png