Ilha de Man, a era de Hislop, 1989-1991

Por a 2 Setembro 2019 16:55

Com duas vitórias no TT e algumas performances impressionantes na Honda RC30 na Fórmula 1 e no Senior TT de 1988, não surpreende que a Honda Britain tenha retido os serviços de Steve Hislop para a temporada de 1989.

O gigante japonês comemorava o seu 30º aniversário no TT em 1989 e tinha uma formação formidável com Joey Dunlop a liderar a equipa numa RC30 RVF de fábrica, apoiado por Hislop, Morrison e Carl Fogarty nas versões de kit da máquina conquistadora.

No entanto, com Dunlop de fora do TT devido a ferimentos graves sofridos nas corridas do Eurolantic em Brands Hatch na sexta-feira, a responsabilidade de dar-lhes sucesso repentinamente recaiu sobre os ombros de Steve.

Ao contrário da crença popular, Hislop não recebeu a RC30 de fábrica de Joey para o TT em 1989, mas duas semanas antes do início dos treinos, a Honda mandou por avião uma caixa com uma etiqueta simples ‘TT F1 – Mr Hislop’ que continha uma moto especial.

Foi uma surpresa inesperada e, embora não fosse idêntica à RVF que havia sido atribuída a Dunlop, foi um esforço de fábrica, feito à mão e sem olhar a despesas, com  escape de fábrica, um motor de F1 completo e carenagens em fibra de carbono, tão finas que se podiam perfurar com um dedo. Em essência, era tudo o que ele poderia desejar.

No entanto, só na quarta-feira da semana de treinos é que ele a montou, pois a sua chegada tardia significava que ainda estava a ser pintada. O plano era pintá-la nas tradicionais cores vermelha, branca e azul da Honda – nas quais Morrison e Fogarty pintaram – mas, em vez disso, as restrições de tempo forçaram-nos a estabelecer um esquema de cores simples em dois tons, vermelho e branco. O chefe da Honda no Reino Unido na época, Bob McMillan, supostamente não estava impressionado, mas já era tarde demais!

Steve já tinha quebrado a barreira das 120 mph/ 193 km/h com a RC30 menos equipada na terça-feira à noite, que mostrava a que ponto a moto era boa e também como o escocês estava a andar ao máximo. Ele não precisava de uma moto de fábrica para quebrar recordes e fazer história! Uma volta de 121,99 mpm / 195 Km/ h segui-se na quinta-feira à noite da semana de treinos.

Os resultados da corrida de TT Fórmula 1 mostram que Steve venceu Morrison por mais de dois minutos e várias fotografias mostram como era leve a carenagem, pois a  frente, onde estava o grande número seis, achatava-se com a deslocação de ar nas retas de alta velocidade ao redor do circuito do TT.

Dadas as voltas nos treinos, não há dúvida de que Steve teria quebrado o recorde definitivo em qualquer uma das motos e a qualidade da moto de kit também pode ser vista na corrida quando, apesar de estar longe de Hislop, Morrison exibiu impressionante ritmo na corrida com a RC30 menos equipada, que o viu fazer duas voltas acima de 120 mph (193 Km /h).

Treze meses mais velho que Steve, o piloto de Kirkcaldy tinha subido na hierarquia num período semelhante ao seu conterrâneo, mas não foi até 1988 que os seus caminhos se cruzaram na pista, pois enquanto Hislop havia optado por motos de corrida para iniciar sua carreira, fazendo o Britânico de 250cc, Morrison tinha percorrido a rota de produção de motos, fazendo as Superstock 600, 750 e 1000.

No entanto, assim como a Honda começou a apoiar Steve em 1988, por trás das suas conquistas nas dois tempos, fizeram o mesmo com Morrison depois das suas performances nas grandes motos de produção de 750 e 1300cc, que incluíram pódios nas corridas do TT de 1986 e 1987.

Apoiado pelo negociante de carros da Irlanda do Norte, Francis Neill, Morrison dominou a cena de circuito na RC30 em 1988, ficou no pódio em Vila Real e, com nada menos que 10 vitórias nas 12 rondas, venceu o Campeonato MCN Superstock com uns incríveis 93,5 pontos, enquanto também conquistou o Campeonato Seniorstock de 600cc.

Hislop foi um dos poucos pilotos a bate-lo naquele ano, vencendo uma ronda de Superstock em Mallory Park. E enquanto Hislop finalmente prevaleceu no TT de 1989, Morrison mais do que provou as suas credenciais na posição de vice-campeão.

Voltas de 120,03mph (segunda volta) e 120,18mph (sexta volta) fizeram dele o segundo piloto a quebrar a barreira dos 120mph (193 Km /h) e o par foram os únicos dois pilotos a alcançar a façanha naquele ano.

Isso não apenas demonstrou a força e o desempenho das Honda RC30, mas também do contingente escocês ao redor do Ilha de Man, algo que foi repetido posteriormente por nomes como Ian Simpson, Iain Duffus e Jim Moodie.

Hislop e Morrison competiram entre si no TT por mais dois anos, com Morrison terminando em terceiro na Loctite Yamaha, atrás de Steve e Fogarty na Corrida de Fórmula 1 de 1991, quando ele marcou a sua melhor volta a 121,64 mph.

Mas os seus duelos de curto-circuito continuaram pelo resto da década. De facto, eles viriam a tornar-se companheiros de equipa novamente no Campeonato Mundial de Resistência quando disputaram a Endurance com a Kawasaki França, mas em 1989 foi a Honda RC30 que reinou suprema.

(continua)

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas Velocidade
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png