MotoGP história: Alex Crivillé, o primeiro Espanhol, Parte 3

Por a 15 Abril 2020 16:00

Vimos como Alex Crivillé começou nas 500 em grande, mas sempre à sombra de Doohan. Porém, depois de terminar como vice-campeão em 1996, alguns especulavam que havia uma hipótese real de Crivillé ganhar o seu primeiro título de 500cc em 1997.

Crivillé começou a temporada fora, com segundo lugar, embora perdendo para o colega de equipa Mick Doohan mais uma vez. Na Malásia, terminou num distante segundo lugar atrás do homem de Brisbane. No Japão, porém, tudo foi muito mais próximo. Crivillé seguiu de perto Doohan na última volta, mas não foi capaz de fazer uma jogada adequada. Na curva 15, parte do conjunto de curvas do “Casio Triangle”, Crivillé tentou fazer o interior a Doohan, mas recuou no último momento, terminando atrás do Australiano a 0,431s.

Na terceira ronda em Espanha, Crivillé venceu a sua primeira corrida da temporada. Com os companheiros de equipa Doohan e Okada a terminarem em segundo e terceiro lugar, o pódio voltou a ser um pódio todo Honda. Crivillé também fez a volta mais rápida, a sua primeira e única da temporada. Nas três corridas seguintes em Itália, Áustria e França, Crivillé terminou em quarto, quinto e quarto, respetivamente.

Na sétima ronda da temporada na Holanda, Crivillé nem alinhou. Caiu violentamente durante os treinos de qualificação, perdendo o controlo da sua moto numa chicane, deslizando pela pista com o braço preso debaixo da moto. Foi tratado ao lado da pista durante dez minutos antes de ser levado numa maca. Como resultado do acidente, uma artéria foi rasgada e teve de ser levado para o hospital para ser operado para restaurar o polegar, exigindo também enxertos de pele e osso para a mão.

Sofreu danos nos tendões e nos ossos, bem como lesões dos vasos sanguíneos no pulso esquerdo. O polegar esquerdo ficou gravemente afetado. Devido à cirurgia e à recuperação subsequente, falhou não só a ronda em Assen, mas também as rondas de Imola, Alemanha, Rio de Janeiro e Britânica, todas ganhas pelo seu companheiro de equipa Doohan.

A passagem pelas 250 foi a mais discreta de Crivillé

Crivillé confirmou que só correria em Setembro desse ano, com a esperança de poder regressar na sua corrida em casa na Catalunha, mas que também havia a hipótese de nunca mais voltar a correr.

No entanto, voltou uma ronda mais cedo. Na corrida da República Checa, impressionou ao terminar na quarta posição, lutando com Nobuatsu Aoki e Norifumi Abe pelo terceiro lugar. A sua boa forma continuou quando ficou em terceiro lugar na sua corrida em casa, na Catalunha, subindo do sétimo para o terceiro lugar, passando para a primeira curva e lutando com o colega de equipa Doohan e Carlos Checa para a liderança ao longo da corrida. Seguiu-se mais um distante pódio no terceiro lugar na penúltima ronda na Indonésia, com mais um pódio na Honda, devido à vitória de Okada e ao segundo lugar de Doohan.

Na Austrália, Crivillé conquistou a sua segunda e última vitória da temporada. Doohan começou da pole mas caiu na corrida, permitindo que Crivillé vencesse a corrida por 2,268 segundos do segundo lugar de Takuma Aoki.

Crivillé terminou esse ano em quarto lugar no campeonato, com 172 pontos, 168 pontos atrás do campeão e companheiro de equipa Mick Doohan e 25 pontos atrás do segundo classificado, Tadayuki Okada.

Apesar de ter perdido uma oportunidade ao título em 1997, Crivillé continuou com a equipa da Repsol Honda em 1998.

Inicialmente, começou com dois quartos no Japão e na Malásia. Em Espanha, Crivillé conseguiu a primeira vitória da época. Lutou com Max Biaggi, Carlos Checa e Alex Barros e, nos instantes finais, também com o colega de equipa Mick Doohan. Depois de Doohan assumir a liderança e liderar por cerca de 15 voltas, com Biaggi e Crivillé atrás dele, Crivillé ultrapassou Biaggi para o segundo lugar e caçou o australiano, acabando por passar para a liderança nas últimas voltas. Doohan tentou reagir, mas falhou, permitindo que o catalão vencesse por 0,393 segundos Também fez a volta mais rápida e dedicou esta vitória ao seu pai, que falecera durante o inverno.

Após a primeira vitória da temporada em Jerez, a boa forma de Crivillé continuou no GP de Itália, onde terminou em terceiro. Em França, a sua segunda e última vitória do ano surgiu depois de ter ultrapassado o então líder Carlos Checa três voltas antes do final e ter afastado Doohan para vencer por uma margem de 0,283 segundos. Fez a sua segunda volta mais rápida do ano neste local também. Nas rondas de Jarama, Holanda e Grã-Bretanha, terminou em quinto, sexto e quarto.

Na Alemanha, Crivillé regressou ao pódio em terceiro, embora a 11,379 segundos do vencedor da corrida, Doohan. Nas duas corridas seguintes na República Checa e em Imola, Crivillé terminou em segundo por duas vezes. Em Brno, perdeu a vitória (que foi para o estreante Max Biaggi), mas fez a volta mais rápida, e em Imola Crivillé terminou a 6,564 segundos do companheiro de equipa Doohan. Na 12.ª jornada da Catalunha, Crivillé conquistou a sua primeira e única pole da temporada, mas caiu na primeira volta, o que fez com que se retirasse pela primeira vez nesse ano. O último pódio chegou na ronda australiana, mas seguiu-se mais uma desistência na última prova na Argentina.

Crivillé terminou em terceiro no campeonato com 198 pontos, 62 pontos atrás do campeão e companheiro de equipa Mick Doohan e 10 pontos atrás do segundo classificado Max Biaggi.

Poucos previram que Crivillé poderia ganhar o título em 1999, depois de Doohan ter conquistado mais um campeonato mundial em 1998, mas a grave queda de Doohan que poria fim à sua carreira abriu a porta a Crivillé, que agora tinha uma oportunidade real ao título.

Na ronda inaugural, na Malásia, Crivillé subiu de imediato ao pódio, formando o terceiro lugar no novo circuito de Sepang. No Japão terminou em quarto lugar, enquanto o seu companheiro de equipa Doohan terminou em segundo.

Quando o penta-campeão mundial e companheiro de equipa Mick Doohan quebrou a perna em vários lugares, mas também a clavícula e o pulso quando caiu durante em Jerez uma sessão de qualificação muito molhada no Grande Prémio de Espanha, Crivillé aproveitou de imediato a oportunidade e fez a pole no sábado. No domingo, lutou e afastou Max Biaggi para fazer a volta mais rápida e a sua primeira vitória do ano por 0,157 segundos, apenas na sua terceira corrida da temporada.

A sua boa forma continuou nas três corridas seguintes. Em França, conseguiu uma vitória à frente de John Kocinski e Tetsuya Harada, em Itália, afastou Biaggi mais uma vez para marcar vitórias consecutivas e, na Catalunha, fechou o marcador com o colega de equipa Tadayuki Okada, que liderava a corrida na última volta, ultrapassando-o na curva 10 e afastou Okada para reclamar uma vitória popular por apenas 0,061 segundos. Foi a primeira vez que Crivillé venceu quatro corridas consecutivas na sua carreira.

O Catalão finalmente celebrou o título em 1999

No GP da Holanda, registou a sua primeira saída da temporada, mas seguiu-a com mais uma vitória na sua 100ª corrida na Grã-Bretanha. Com o colega de equipa Okada a sair da pole, Crivillé subiu do meio do campo para terceiro à medida que a corrida progredia. Em seguida, ultrapassou Roberts Jr. em segundo lugar e foi atrás do líder Okada. Depois de uma tentativa falhada de ultrapassagem no “Melbourne Hairpin” Crivillé tomou a liderança na última volta, aguentou-se e venceu a corrida por 0,536 segundos. Fez a sua segunda e última volta mais rápida do ano aqui também.

Seguiram-se dois segundos lugares na Alemanha e na República Checa. No Sachsenring, Crivillé perdeu para Kenny Roberts Jr. por apenas 0,338 segundos e em Brno também aconteceu quando o colega de equipa Okada levou a melhor e cruzou a linha 0,240 segundos à frente do catalão. Na 11.ª ronda, a corrida da Cidade de Imola, Crivillé conquistou a sua segunda pole da temporada, ao superar Kenny Roberts Jr.. No domingo, Crivillé manteve-se à frente de Alex Barros e do herói da casa Max Biaggi para vencer a prova com uma margem de 0,265 segundos sobre Barros. Esta vitória aumentou a sua vantagem sobre Roberts Jr. por 66 pontos.

Depois de uma série de bons resultados, Crivillé teve uma segunda desistência da temporada na nova ronda da Comunidade Valenciana. Algumas voltas antes do fim, teve um acidente que o tirou da contenda. Na Austrália, Crivillé sofreu uma queda durante a qualificação, na qual sofreu uma quebra de osso na mão devido a uma zona alta, que o cuspiu da moto a alta velocidade. Participou na prova no domingo e terminou em quinto lugar. Na África do Sul terminou em terceiro, sendo o seu último pódio da temporada.

Na penúltima ronda do Rio de Janeiro, Crivillé tinha uma vantagem de 44 pontos sobre o seu companheiro de equipa Okada e precisava de terminar em décimo ou mais para garantir o título. No entanto, ainda estava a recuperar de uma lesão no pulso que sofrera duas corridas antes em Phillip Island e assim iniciou a corrida a partir do 11º lugar. Durante a corrida lutou com Anthony Gobert e Garry McCoy e terminou em sexto, à frente de Okada, para conquistar o título. Tornou-se o primeiro espanhol a conquistar um título de 500cc. Com o título já conquistado, Crivillé terminou em quinto lugar na última corrida da temporada na Argentina.

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas MotoGP
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x