MotoGP, 2020: O segredo dos novos números

Por a 7 Janeiro 2020 14:30

Três proeminentes pilotos de MotoGP tiveram que se separar dos seus números tradicionais há um ano. Para 2020, apenas Brad Binder teve que mudar. As causas são interessantes.

Há um ano, o trio de Moto2 Miguel Oliveira, Pecco Bagnaia e Joan Mir subiu ao Campeonato do Mundo de MotoGP para 2019 – mas os números de corrida 44, 42 e 36 já estavam ocupados. É por isso que, embora pilotos de destaque, tiveram que mudar os seus números na temporada passada.

Por exemplo, Miguel Oliveira, vice-campeão mundial de Moto2, que foi o primeiro português na categoria rainha em 2019 pilotou com a equipa KTM cliente da Red Bull Tech3 de Hervé Poncharal ao lado de Hafizh Syahrin. O português terminou em oitavo em Spielberg como mehor resultado, mas teve que ceder ao seu companheiro de equipa da KTM Pol Espargaró no ano passado (# 44) e procurar outro número. Como é sabdio, Miguel dobrou o 44 para 88 “porque na MotoGP tudo é maior!”

O campeão mundial de Moto2 Francesco “Pecco” Bagnaia na temporada de estreia na Pramac-Ducati Porque os dois competiram na classe de Moto2 com os números de largada 42 e 44, que são tradicionalmente reivindicados no MotoGP por Alex Rins e Pol Espargaró.

Bagnaia pilotou ao lado de Jack Miller na Pramac-Ducati pela primeira vez em 2019 e teve que enviar uma nova proposta para a alocação do número de partida. Ele acabou por escolher o número 63. O italiano está habituado a sofrer a esse respeito, porque quando disputou o Campeonato do Mundo de Moto3 pela equipa SKY VR46 pela primeira vez, aceitou o número 21 porque a estação de TV SKY pertence à empresa americana “21st Century Fox”.

Quando Bagnaia foi promovido para a classe de Moto2 em 2017, teve que desistir do número 21 porque foi o escolhido por Franco Morbidelli. Ele decidiu também dobrar – e escolheu o 42. Não foi uma escolha a longo prazo, porque na classe de MotoGP, o #42 já pertencia ao piloto de fábrica da Suzuki, Alex Rins. Por isso, Bagnaia adicionou outros 21 para a MotoGP em 2019, escolhendo o 63.

O critério que se aplica é, quem tiver os direitos mais antigos na respectiva categoria poderá manter o seu número inicial.

Joan Mir, Campeão do Mundo de Moto3 de 2017 na Honda Leopard, no entanto, já foi autorizado a trazer o tradicional número 36 da Marc VDS na Moto2 para a Suzuki Ecstar no MotoGP. Até então, o seu número 36 pertencia a Mika Kallio, de 36 anos. Mas o piloto de testes da Red Bull KTM da Finlândia não era um piloto permanente, e é por isso que Joan Mir foi autorizado a reter o seu atual número 36.

O neozelandês Brian Harden, engenheiro eletrónico de Mika Kallio, piloto da Red Bull KTM, explicou. “ O Mika realmente pilotou com o número ‘menos 36°’. Poderíamos ter ficado com ele – sorriu.

Mika Kallio realmente exibiu um «-36 °» na carenagem durante anos. Com este sinal de menos, ele apontou a diferença de temperatura entre a sua casa finlandesa e o calor durante o primeiro teste de Sepang em Fevereiro, que lhe causou dificuldades.

“Em vez do número 36, o número 66 estava livre para 2019, então aceitei-o”, explicou Mika no teste de Sepang. Mas no GP de Aragón, Kallio subiu à KTM RC16, em vez de Johann Zarco, que fora demitido.

Ele escolheu o número 82 desta vez. “Eu achava que realmente não tinha qualquer relação com o #66. Então, voltei ao número 82, com que fiz a minha estreia no Campeonato do Mundo de 125cc em 2001”, explicou Kallio.

A estrela da Yamaha, Maverick Viñales, também ansiava por outro número de partida após a temporada de 2018. Quando Tom Lüthi voltou ao Campeonato do Mundo de Moto2, ele levou o #12 ao invés do #25.

“Ele teve sorte no passado”, disse a estrela da Yamaha.

Para 2020, três rookies entrarão no Campeonato do Mundo de MotoGP: Brad Binder, Alex Márquez e Iker Lecuona. Apenas Brad Binder teve que escolher um novo número de moto, porque Aleix Espargaró tradicionalmente usa o #41.

“Eu escolhi o #33 porque ele me permitiu escolher um design que lembrava as minhas iniciais BB”, disse o piloto Sul-Africano da KTM Red Bull.

Alex Márquez, por seu lado, pode continuar com o 73 posição na Honda Repsol, e Iker Lecuona ostenta o #27 como no Campeonato do Mundo de Moto2, porque o número 27 não foi reivindicado na classe rainha desde a saída de Casey Stoner.

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas MotoGP
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png