MotoGP, 2020: Honda sem pódios em cinco corridas

Por a 26 Agosto 2020 15:00

A HRC está neste momento na sua pior série de corridas sem um pódio na classe rainha desde o seu regresso em 1982, mas porquê?

Não há como esconder os factos. Na ausência de Marc Márquez, a Equipa Honda Repsol, de facto toda a Honda, está em dificuldades. A HRC está a ter dificuldades em 2020, com a fábrica a atravessar a sua maior fase sem um pódio na classe rainha desde que regressaram à modalidade há 38 anos, em 1982.

Certamente isto faz uma leitura sombria para os líderes da Honda, mas vamos ver as razões deste insucesso.

Obviamente, a lesão do campeão do mundo Marc Márquez não está a ajudar as coisas. O espanhol tem sido o homem da Honda Repsol desde que saltou para a classe rainha, vencendo seis Campeonatos do Mundo em sete anos e umas incríveis 56 corridas nesse período também.

A sua queda no Grande Prémio de Espanha vai mantê-lo fora por pelo menos mais dois meses, o que significa que a Honda terá de olhar para um dos seus três pilotos restantes a tempo inteiro para pôr fim à seca de pódios.

O mais provável do trio restante neste momento é Takaaki Nakagami, da Honda LCR. O piloto japonês viu o pódio de estreia no MotoGP escapar-lhe por entre os dedos no domingo, depois da bandeira vermelha a meio do Grande Prémio da Estíria ter abalado fortemente as suas hipóteses.

O antigo vencedor de corridas de Moto2 ficou em segundo lugar na altura, gerindo a pressão aplicada por Jack Miller (Ducati Pramac) atrás, e procurando probabilidades de converter a sua estreia na primeira linha de partida para um top 3 final de estreia.

No entanto, não era para ser, e o piloto de 28 anos vai, em vez disso, virar as suas atenções para Misano. O piloto japonês elevou o seu nível em 2020, apesar de estar na Honda do ano passado, para se tornar o melhor homem da Honda até agora e decerto o primeiro pódio não está muito longe.

Cal Crutchlow, colega de equipa de Nakagami, já venceu na Honda e é definitivamente um candidato ao pódio. O homem de Coventry vai, sem dúvida, beneficiar muito das próximas duas semanas de férias.

O britânico parecia estar na ponta final do MotoGP mais uma vez durante os dois primeiros dias em Jerez, antes de um acidente na manhã de domingo o ter afastado da ronda inaugural depois de fraturar o escafoide.

A cirurgia apenas dois dias depois foi necessária e o três vezes vencedor na classe rainha fez uma corrida de coragem a ranger os dentes com dores para averbar alguns pontos no Grande Prémio da Andaluzia.

Ainda não a 100%, as corridas consecutivas terão tirado força ao piloto de 34 anos, mas que deverá estar perto da forma física plena quando chegarmos a San Marino.

Além disso, ele está neste momento sem uma equipa confirmada no MotoGP para 2021, por isso um final de ano forte vai ser essencial, pois ele tenta encontrar um lugar e permanecer na classe rainha. Talvez esse seja o impulso adicional necessário para pôr fim à maré da Honda?

Finalmente, o estreante Alex Márquez está certamente a começar a mostrar progressos na complicada RC213V. O atual campeão do mundo de Moto2 ainda não conseguiu travar um ataque de uma volta, com a sua melhor qualificação do ano uma 16ª posição.

No entanto, chegado o dia da corrida, o espanhol quase sempre encontra o seu ritmo e é capaz de fazer alguns lugares razoáveis; um exemplo foi o Grande Prémio da Andaluzia onde, tendo sido 21º classificado na grelha, se deparou com um 8º na corrida, melhor marca da carreira até então.

É certamente um choque olhar para o Campeonato de Equipas e ver a Honda Repsol sentada no fundo com 15 pontos, oito à deriva da próxima melhor Aprilia Racing Team Gresini. Mas quando olhamos para a situação, talvez seja de esperar.

Qualquer equipa de qualquer desporto sofreria se perdesse o seu homem estrela. O Juventus sem Ronaldo, ou a Mercedes sem Hamilton poderiam ser exemplos. Juntamente com o facto de terem investido no desenvolvimento do futuro, é simplesmente um mau momento. Sim, a RC213V pode ser difícil de dominar, mas a pior série de corridas na classe rainha da Honda em 38 anos certamente não poderá durar muito mais

0 0 vote
Article Rating
1 Comentário
antigo
recente mais votado
Inline Feedbacks
View all comments
Genesis
Genesis
1 mês atrás

Não percebo a Honda. Mais tarde ou mais cedo o MM ia-se magoar, por é mesmo burrice colocar todos os ovos no mesmo cesto. Nem parece que são japoneses.

Ensaios
últimas MotoGP
últimas Motosport
Motomais
1
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x