Estoril Classics: A extraordinária König de Kim Newcombe

Por a 9 Novembro 2019 15:00

Muito de tempos a tempos, surge um prodígio de tal talento que desafia a crença atual de que só quem começou a correr muito novo pode alcançar sucesso. Eles são os “naturais” míticos, aqueles que realizam tarefas complexas extraordinariamente bem, apesar da falta de anos de experiência ou dos antecedentes certos.

O neozelandês Kim Newcombe foi um desses prodígios e, junto à estranha König 500, por ele desenvolvida, um dos maiores prodígios das corridas de motos. Logo que entrou na competição como um novato, começou a derrotar veteranos experientes.

Não apenas isso, mas ele, sozinho, criou e manteve a sua própria máquina – que utilizou com sucesso ao nível mais alto do desporto contra os maiores pilotos do Mundial de 500 da década de 1970.

A história de Kim e da sua moto König 500 GP é um verdadeiro conto de fadas do desporto motorizado, completo com o quase inevitável trágico desfecho tão vulgar na era dourada das corridas de moto.

Mas começemos do princípio… Kim Newcombe nasceu em Nelson, na Nova Zelândia, em 1944, e cresceu em Auckland, onde conheceu o amor de sua vida, Janeen. Casados ​​na adolescência, Kim e Janeen mudaram-se para a Austrália (primeiro Brisbane, depois Melbourne) em 1963, por dois motivos: estar mais perto da mãe de Janeen e seguir o amor de Kim pelas corridas de moto.

Kim era um piloto habilidoso com uma paixão incontrolável por motos e exibia um talento notável em pistas de terra, para o espanto da competição mais experiente.

Primeiro, competiu com sucesso em vários locais de motocross na Nova Zelândia e na Austrália na década de 1960. Depois, teve a chance de “experimentar” corridas de flat track numa Jawa emprestada oferecida pelo experiente piloto Jack White, e venceu prontamente as quatro primeiras corridas em que participou.Basicamente, Kim podia ganhar com todo que tivesse duas rodas, independentemente de sua falta de experiência na modalidade.

Após vários anos de competição bem-sucedida sobre duas rodas, Kim seria apresentado às corridas aquáticas, o que viria a ter uma profunda influência em sua vida.

Foi enquanto trabalhava como mecânico de motores marítimos para Bob Jackson em Melbourne que Kim foi apresentado ao motor fora de bordo de corrida da König.

O König era um motor quatro cilindros de 494cc a dois tempos com potência impressionante e um bom desempenho nas corridas de motonáutica. Kim ficou imediatamente impressionado com o simples e poderoso motor König e queria conhecer o homem por trás do design. Em 1968, Kim conseguiu o seu desejo e foi apresentado a Dieter König – que prontamente ofereceu uma posição a Kim na fábrica da König na Alemanha.

Assim, Kim e Janeen mudaram-se para o outro lado do mundo para Berlim Ocidental, onde Kim trabalharia no desenvolvimento. A marca König produzia motores náuticos em Berlim desde 1928 e era bem conhecida nos círculos de competição pelos seus motores de corrida a dois tempos.

Foi durante o trabalho no departamento experimental que ele recebeu uma oportunidade única. Um piloto alemão chamado Wolf Braun construiu um chassis de moto de corrida em torno de um König 500cc quatro, mas foi forçado a abandonar o projeto devido a uma lesão.

Dieter pediu a Kim para assumir e continuar o desenvolvimento, e ele prontamente se dedicou de todo o coração ao empreendimento.

Independentemente do entusiasmo de Kim e do arrojo experimental de Braun, o motor ainda era um propulsor náutico foi projetado como tal. Colocá-lo numa moto não era simples e exigia muito trabalho de desenvolvimento para fazer todo o pacote funcionar, quanto mais vencer uma corrida.

O motor König era um tetra super-quadrado de diâmetro e curso de 54 mm x 54 mm. Em vez de apontar as cabeças ao vento como por exemplo num boxer BMW, o motor foi montado transversalmente, com os cilindros de frente para trás, em linha com as rodas.

Isso manteve a largura razoável, mas aumentou o comprimento – a moto resultante é baixa e longa, parecendo mais uma moto de Grande Prémio de 50cc em ponto grande do que qualquer outra coisa na categoria rainha de 500cc.

O quadro era baseado numa espinha dorsal maciça de aço, um braço oscilante convencional com dois amortecedores, com garfos Ceriani à frente e travões de tambor Ceriani nas duas extremidades.

Os motores marítimos acionam o veio de transmissão diretamente, sem transmissão pelo meio; portanto, para adaptar uma caixa de velocidades, o König precisava dum veio primário acionado por corrente no lado esquerdo do motor, ligado através de uma embraiagem a uma caixa de velocidades Norton com um conjunto de engrenagens atualizado de seis relações.

O motor muito longo teve que ser inclinado na parte traseira para dar espaço para a caixa de velocidades, o que lhe dava uma aparência característica de estar a cair fora de controle.

(continua)

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas MotoGP
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png