MotoGP, Jorge Lorenzo: A importância do factor psicológico no MotoGP

Por a 4 Janeiro 2022 16:52

Olhando para trás, Jorge Lorenzo fala abertamente sobre um ponto psicológico baixo na sua carreira de MotoGP e a ligação crucial com o gestor da equipa Repsol Honda, Alberto Puig, antes da vitória de Mugello em 2018.

Os primeiros meses do seu segundo ano na Ducati em 2018 foram particularmente difíceis para Jorge Lorenzo, porque o maiorquino habituado ao sucesso ainda não tinha vencido na Desmosedici – desde o final da temporada em Valência em 2016, onde o pentacampeão mundial triunfou com a Yamaha.

“Antes de Mugello estava um pouco deprimido, porque percebi que estava sem uma moto de fábrica para a próxima temporada e sentia-me como se estivesse no melhor momento da minha carreira”, disse recentemente o ex-campeão do mundo de 34 anos ao DAZN. “Vi tudo negativamente e só queria dormir. Não sei se foi uma ligeira depressão ou apenas um momento muito triste, mas eu estava realmente por baixo. “

O ponto de viragem foi o apelo de Alberto Puig, que fez o primeiro contacto com Lorenzo com vista à passagem para a equipa Repsol Honda. “Ele passou por momentos difíceis na Ducati, as coisas não correram como planeado e estava a ter problemas. Na Honda decidiram falar com ele e lembro-me de ter-lhe telefonado. Não concordávamos em nada, mas tínhamos uma ideia do que poderíamos fazer ”, disse Puig.

O que aconteceu a seguir é conhecido: Lorenzo mudou para a equipa da Honda em 2019. Ainda que a colaboração do tricampeão mundial de MotoGP com a Honda não tenha sido coroada com sucesso no final (nenhum resultado entre os 10 primeiros) e terminou  prematuramente com a retirada dos Grandes Prémios, “esse ano de 2018 foi um momento chave”, segundo Alberto Puig.

Pouco depois de ser contactado por Puig, Lorenzo (com ergonomia melhorada e um depósito modificado na sua Desmosedici) comemorou a sua primeira vitória como piloto de fábrica da Ducati a 3 de junho de 2018 em Mugello. Apenas duas semanas depois, a segunda corrida no “Circuito de Barcelona-Catalunya” teve igual resultado.

“O mesmo piloto, a mesma pessoa, pode estar em posição de ser o melhor se tiver confiança a nível mental e se estiver fisicamente bem, se estiver confortável com a moto e com a equipa. Quando isto tudo vem junto, então um piloto pode ser muito superior ao outro – inversamente, o mesmo piloto, a mesma pessoa, quando as coisas não funcionam pode acabar em último.”, disse Lorenzo.

“’Obsessão’ soa muito negativo, mas este desporto tornou-se cada vez mais profissional, metódico e perfeccionista, ou você está obcecado e a 100 por cento, ou é impossível lutar com os melhores”, conclui.

Jorge Lorenzo concluiu a sua carreira como piloto de Grandes Prémios com 5 títulos mundiais, dois de 250cc (2006 e 2007) e três no MotoGP (2010, 2012 e 2015).

0 0 votes
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x