MotoGP, Japão: Haverá ou não ordens de equipa na Ducati?  

Por a 23 Setembro 2022 10:02

É, sem dúvida, o tema forte no MotoGP depois da ‘vingança’ do Motorland com a vitória de Bastianini sobre Bagnaia que subtraiu cinco pontos ao ‘candidato’ da Ducati ao título.

Apesar de Paolo Ciabatti , ter dito que precisava conversar e repensar sua estratégia, no Japão tudo continua na mesma: respeito a Pecco… mas liberdade para atacá-lo em caso de vitória ou opções de pódio. Ou pelo menos é o que os seus pilotos perceberam nas conversas que tiveram nessa longa viagem.

Enea Bastianini, apesar de estar a 48 pontos do líder Fabio Quartararo, reafirma por palavras a sua posição de candidato: “Sei que as minhas hipóteses são bem pequenas, mas não desisto do campeonato . É importante ter boas corridas“, disse, sabendo que enquanto estiver na luta matematicamente, esse argumento não pode ser usado para detê-lo. .

O piloto de Rimini foi contundente ao afirmar que ninguém até agora lhe disse para cortar gaz a favor de Pecco. “Tenho que aproveitar esta oportunidade para dar cem por cento. Na última parte do campeonato vamos ver se recebo algum aviso, mas vou ‘stressar’ com isso. Há uma grande incógnita sobre esta situação e a mídia está a pressionar muito, mas na minha box tudo está calmo. A situação é positiva. A Ducati quer que seja assim no momento e não recebi pedido algum , veremos no futuro “.

Pecco Bagnaia, que ocupa o segundo lugar no campeonato, a 10 pontos de Quartararo, disse que prefere esta liberdade, embora alguns possam percebê-la como anarquia. “Não preciso de ajuda para estar à frente. Prefiro vencer alguém na pista, não porque me deixaram passar. Mas não decido essas coisas. Se decidirem o contrário, não depende de mim. Além disso, pedi que não houvesse nenhuma ordem de equipa”.

Os demais pilotos da casa de Borgo Panigale, Miller, Jorge Martín, Zarco, Marini, Bezzecchi e Di Giannantonio, não receberam novas instruções e serão guiados pelo bom senso, amizade e interesses pessoais nas provas que se seguem..

Entretanto, este rio conturbado dá aos outros dois concorrentes, Fabio Quartararo e Aleix Espargaró, opções de ‘pescar’, porque como até Bagnaia admite: “A Ducati é a moto a bater , é a mais completa, vamos sempre bem”.

Aleix Espargaró foi o mais incisivo nesta questão. “Há um mês todos dissemos que a Ducati tinha um exército de motos para lutar contra o Fabio ou contra mim, e agora acho que o inimigo está na sua própria casa. O Enea não deve esquecer que tem suas chances de ser campeão e isso tem que ser gerenciado, alguém tem que falar de cima, ou não, mas vamos ver como fazem. O Pecco também tem pressão porque a sua equipa é a que mais investe e a sua moto é a melhor, qualquer piloto é rápido com aquela moto, e ele tem outro piloto em casa que está a andar rápido. O Bagnaia só quer vencer depois dos erros do ano passado e do início deste ano, então não sei qual dos dois tem mais pressão para vencer. Eu, por outro lado, não tenho pressão nem a Aprilia a coloca em mim, algo que não sei se acontece o mesmo nas outras duas fábricas”, explicou.

O ‘veterano’de Granollers também enviou uma mensagem a ‘El Diablo’. “No final, o Fabio é quem mais tem a perder, é o líder e o campeão do mundo, não o vejo tocado, mas ele tem que sentir a pressão. Ele tem a sensação de que tem a pior moto dos três, vamos ter um final de temporada divertido”, concluiu.

0 0 votes
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x