MotoGP, França, Corrida: Terceira vitória do ano de Enea Bastianini

Por a 15 Maio 2022 13:45

Enea Bastianini (Gresini Racing MotoGP) venceu o GP de França, a sétima prova do calendário de 2022 do MotoGP. O piloto da Gresini conquistou a sua terceira vitória do ano, depois de ultrapassar Francesco Bagnaia (Ducati Lenovo Team), que esteve grande parte da corrida na liderança do pelotão. No entanto, depois de ter sido ultrapassado por Bastianini a sete voltas do fim da prova francesa, o piloto da Ducati caiu e teve de desistir. Um rude golpe para o italiano.
Com a desistência de “Pecco” Bagnaia, Jack Miller (Ducati Lenovo Team) assumiu o segundo lugar, mas já com uma grande diferença para o líder, sendo impossível pressionar Bastianini nas últimas voltas. Aleix Espargaró (Aprilia Racing) fechou as posições de pódio, tendo aguentado a pressão do campeão do mundo de 2021, Fabio Quartararo (Monster Energy Yamaha MotoGP) durante várias voltas.
Miguel Oliveira (Red Bull KTM Factory Racing) recuperou várias posições durante a corrida, mas quando estava entre os dez primeiros classificados e a três voltas do fim, caiu e perdeu uma boa oportunidade para poder pontuar num fim de semana difícil para a KTM.

Enea Bastianini (Gresini Racing MotoGP) venceu o GP de França, a sétima prova do calendário de 2022 do MotoGP. O piloto da Gresini conquistou a sua terceira vitória do ano, depois de ultrapassar Francesco Bagnaia (Ducati Lenovo Team), que esteve grande parte da corrida na liderança do pelotão. No entanto, depois de ter sido ultrapassado por Bastianini a sete voltas do fim da prova francesa, o piloto da Ducati caiu e teve de desistir. Um rude golpe para o italiano.
Com a desistência de “Pecco” Bagnaia, Jack Miller (Ducati Lenovo Team) assumiu o segundo lugar, mas já com uma grande diferença para o líder, sendo impossível pressionar Bastianini nas últimas voltas. Aleix Espargaró (Aprilia Racing) fechou as posições de pódio, tendo aguentado a pressão do campeão do mundo de 2021, Fabio Quartararo (Monster Energy Yamaha MotoGP) durante várias voltas.
Miguel Oliveira (Red Bull KTM Factory Racing) recuperou várias posições durante a corrida, mas quando estava entre os dez primeiros classificados e a duas voltas do fim, caiu e perdeu uma boa oportunidade para poder pontuar num fim de semana difícil para a KTM.

Destaques: 
Francesco Bagnaia foi o piloto que mais perdeu no final da corrida do GP de França. O piloto da Ducati teve a liderança da prova durante várias voltas e parecia que iria ser uma vitória “fácil”, mas Enea Bastianini aproveitou a melhor forma nas voltas finais e conseguiu roubar o primeiro lugar. Bagnaia, pressionado para recuperar a posição, cometeu um erro primeiro e caiu poucos metros depois. Enquanto Enea Bastianini foi o grande vencedor, até porque não teve um fim de semana fácil, e em sentido contrário esteve Francesco Bagnaia. 

Jack Miller acabou por ser feliz quando não demonstrou ritmo para poder chegar-se ao companheiro de equipa e a Bastianini depois de ter perdido a posição para ambos. O australiano subiu ao segundo lugar numa altura em que a luta entre Aleix Espargaró e Fabio Quartararo colocou-o numa zona do pelotão sem pressão imediata. O australiano terminou a corrida numa espécie de “terra de ninguém”, já que tinha mais de 2 segundos de desvantagem para o líder e sem andamento para lhe fazer frente, mas com vantagem para os seus perseguidores.
Mais uma boa corrida de Aleix Espargaró, que aguentou a pressão constante e por várias voltas de Fabio Quartararo. Impediu o francês de repetir o pódio de 2021 no “seu” Grande Prémio e roubou alguns pontos no campeonato. Quartararo mantém-se como líder do campeonato, mas Aleix Espargaró e Enea Bastianini conseguiram recuperar alguns pontos. O mau arranque e volta inicial colocaram-no fora da disputa pela vitória na corrida. 

Miguel Oliveira fez uma corrida de recuperação. Saindo da 17ª posição da grelha de partida, o português alcançou o top 10 com várias ultrapassagens pelo meio. Ainda chegou a estar à frente de Brad Binder e ser o melhor piloto da KTM, mas já nas últimas 10 voltas perdeu duas posições, para Binder e Pol Espargaró que o atrasaram, conseguindo ainda recuperar o posto sobre Espargaró. Muito perto de conseguir segurar uma posição dentro do top 10, o piloto português sofreu uma queda que retirou a possibilidade de pontuar. Muito injusto, até porque depois de dois dias muito difíceis da KTM em França, Oliveira iria conseguir um resultado francamente positivo.

Filme da corrida:
Com a temperatura da pista muito alta, as equipas variaram as suas escolhas de pneus entre os pneus macios à frente e o médio e o médio como pneu traseiro. Miguel Oliveira arrancou com pneus médio/médio. 
No arranque Jack Miller subiu para a liderança, seguido do seu companheiro de equipa, Francesco Bagnaia. A classificação sofreu muitas alterações na primeira volta, com Marc Márquez a ser um dos pilotos que mais dividendos tirou, subindo ao 6º posto, enquanto Fabio Quartararo perdeu várias posições, caindo para o oitavo lugar.  
Álex Rins caiu na volta 3 e na mesma altura, Quartararo conseguiu ascender ao sexto posto, deixando Márquez na sétima posição. 
Pól Espargaró e Miguel Oliveira discutiam o décimo segundo posto. Por esta altura, Bagnaia ultrapassou Miller e assumiu a liderança da corrida à volta 4. 
À passagem pela sexta volta, Bagnaia liderava o pelotão, perseguido por Jack Miller. Enea Bastianini estava a 0.4s do piloto australiano da Ducati e com Joan Mir, Aleix Espargaró e Fabio Quartararo atrás.
Na volta 10, Miguel Oliveira conseguiu ultrapassar Espargaró e subiu ao 12º lugar, tendo à sua frente o seu companheiro de equipa Brad Binder. Na frente, os dois pilotos da Ducati passaram a ter a companhia de Enea Bastianini. 

Alex Márquez foi penalizado com uma “long lap” e Miguel Oliveira foi avisado para cumprir os limites de pista, numa altura em que o piloto português estava em perseguição a Binder. 
Na volta 12, Bastianini conseguiu ultrapassar Miller e tentava pressionar o líder da corrida, Francesco Bagnaia, que tinha mais de 0.5s de vantagem para o homem da Gresini. 
Jorge Martin cometeu um erro quando seguia no décimo posto e foi ultrapassado pelos dois pilotos da KTM, mas Oliveira estava mais rápido que Binder e conseguiu ficar com o décimo lugar, ficando a mais de 2.6s de Takaaki Nakagami (LCR Honda), que era o nono classificado. 
Na volta 15, Joan Mir caiu, quando seguia na quarta posição, passando Aleix Espargaró a ocupar essa posição, a 1.030s do trio da frente. Com a queda do piloto da Suzuki, todos os pilotos que seguiam atrás subiram uma posição, passando Oliveira a ocupar o nono posto. 

À entrada das últimas 10 voltas da corrida, Miller perdeu o contacto com Bagnaia e Bastianini, enquanto Aleix Espargaró encurtou a diferença para o terceiro classificado. 
Bagnaia estava cada vez mais pressionado por Enea Bastianini, na mesma altura em que Jorge Martin caiu e a sua moto teve um princípio de incêndio. Foi o quinto abandono de Martin em sete provas do MotoGP em 2022.  
A nove voltas do final da prova francesa, Miguel Oliveira perdeu duas posições, para Brad Binder e Pol Espargaró, mas recuperou uma posição depois de responder a Espargaró. 

O terceiro líder da corrida surgiu quando Bastianini atacou na travagem para a curva 1, na volta 21 da corrida, mas Bagnaia conseguiu recuperar a posição pouco metros à frente. No entanto, o piloto da Ducati errou e voltou a perder a posição e deixou Bastianini fugir. Na curva 13, e quando Bagnaia estava sob pressão para tentar ir atrás do prejuízo, perdeu o controlo da moto e caiu, deixando o líder isolado. Miller subiu ao segundo posto, com segundo e meio do líder, e Aleix Espargaró ao terceiro posto, pressionado por Fabio Quartararo, que tentava subir ao pódio e cimentar o primeiro lugar na classificação geral do mundial. 

Nas voltas finais, Quartararo pressionou o bastante Aleix Espargaró para tentar repetir o pódio do ano passado no GP “caseiro”, mas sem sucesso, visto que a Aprilia demonstrou uma velocidade de ponta impossível de ser batida pela Yamaha do piloto francês. 

Quando faltavam duas voltas para o final da corrida, Miguel Oliveira caiu e desistiu quando ocupava uma posição dentro dos 10 primeiros classificados, atrás de Brad Binder. Perdeu uma posição no campeonato, num fim de semana extremamente difícil para a KTM, mas que tinha conseguido subir várias posições. 
Na frente, Enea Bastianini venceu a corrida à frente dos 110 mil espectadores presentes em Le Mans, seguido de longe por Jack Miller. Aleix Espargaró subiu ao pódio na frente de Fabio Quartararo e Johann Zarco fechou os cinco primeiros. Marc Márquez foi sexto, à frente de Takaaki Nakagami e Brad Binder. Com a queda de Miguel Oliveira, Luca Marini (Mooney VR46 Racing Team) foi nono e Maverick Viñales (Aprilia Racing) fechou o top 10.

0 0 votes
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x