MotoGP, 2021: Yamaha Petronas com Augusto Fernández em 2022?

Por a 26 Julho 2021 19:00

Com a mudança de Franco Morbidelli para a equipa da fábrica da Yamaha em 2022, em vez de Viñales e Rossi, a Yamaha Petronas vai precisar de dois pilotos, mas os candidatos de topo escasseiam

Um dos possíveis candidatos era o Turco Toprak Razgatlioglu, que entretanto roeu a corda, e Garrett Gerloff também renovou agora com a GRT.

A dupla de pilotos que a Yamaha Petronas SRT irá inscrever para a próxima época continua a ser um mistério até agora.

Um piloto com hipóteses promissoras na Petronas é agora o piloto da Marc VDS de Moto2 Augusto Fernández, que recentemente terminou em terceiro lugar em Assen e está na oitava posição da classificação.

O madrileno de 23 anos ganhou três corridas do Campeonato do Mundo de Moto2 até agora.

Andrea Dovizioso gostaria de ver a Petronas trazer um veterano do seu calibre, mais um novato como Augusto Fernández. Mas até agora não há nenhum acordo desse tipo no horizonte para ele.

A Petronas também manifestou interesse no estreante da KTM Red Bull Ajo de Moto2 Raúl Fernandez, (abaixo) que os malaios queriam mesmo comprar do seu contrato à KTM por 500.000 euros.

Mas o contrato com a KTM do espanhol de 20 anos é estanque. Além disso, o sensacional segundo classificado do Campeonato do Mundo quer ficar com a Aki Ajo por mais um ano no Campeonato do Mundo de Moto2.

É por isso que o nome Jake Dixon continua a surgir, até porque já está sob contrato com a equipa Petronas Sprinta de Moto2 e a Dorna gostaria de ter um britânico de novo na classe rainha e pode dar facilidades a equipas quando lhe convém.

Mas colocar em campo dois estreantes no MotoGP (Dixon é apenas 21º no Mundial) seria uma estratégia arriscada, especialmente porque a Petronas é uma das equipas mais ricas e celebrou seis vitórias em GPs em 2020, com 3 cada de Quartararo e Morbidelli. Além disso, Morbidelli foi vice-campeão. Por isso, as expectativas são elevadas.

E também é evidente que Dixon, pelo menos, não tem até agora o calibre necessário para o MotoGP, provando-se inconsistente e afetado constantemente por pequenas lesões.

Nem mesmo Tom Lüthi, duas vezes vice-campeão mundial de Moto2 e 125cc em 2005 e 17 vezes vencedor de GP, teve êxito na MotoGP em 2018.

5 1 vote
Article Rating
1 Comentário
antigo
recente mais votado
Inline Feedbacks
View all comments
alessandrohansenvargas
alessandrohansenvargas
1 mês atrás

Segue o drama, penso que Gerloff ainda não está fora de questão…talvez “carta na manga” da yamaha

Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
1
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x