MotoGP, 2021: Viñales deixa a Yamaha por causa de Quartararo

Por a 17 Julho 2021 18:00

Kevin Schwantz e Jorge Lorenzo pouco devem ter em comum além de serem ex-Campeões Mundiais… mas numa coisa concordam: O sucesso de Quartararo é a razão porque Viñales deixa a Yamaha

“Não basta ser um bom piloto, também é preciso ser mentalmente forte” Kevin Schwantz

A decisão de Viñales de deixar a Yamaha prematuramente continua a ser objeto de debate e conversa, mesmo entre antigas glórias do desporto. Os últimos argumentos foram desenvolvidos separadamente por Kevin Schwantz e Jorge Lorenzo, mas com uma e a mesma certeza: o espanhol foge de Fabio Quartararo que o privou, de uma só vez, de ser o foco de atenção na Yamaha…

Se Cal Crutchlow, ao deixar a Ducati antes do fim do seu contrato, e Johann Zarco ao mudar-se da KTM antes do fim do seu, saíram numa demonstração de independência e vontade, já o caso de Viñales é diferente…

O que provocou a desmotivação e rutura contratual com a Yamaha, segundo Kevin Schwantz e Jorge Lorenzo, é uma admissão de impotência, uma capitulação ao seu recém-instalado colega de equipa Fabio Quartararo.

E é verdade que a chegada do francês prejudicou o estatuto de Viñales.

O Espanhol ganhou oito corridas de MotoGP para a Yamaha em quatro anos e meio e Quartararo sete em onze meses.

Viñales também passou por três chefes de equipa na Yamaha em dois anos e meio.

Como consultor da Suzuki, Kevin Schwantz conheceu bem Viñales em 2015 e 2016.

O texano admira-se do desempenho do atual sexto lugar no campeonato mundial: “Vê-lo em último lugar com uma Yamaha de fábrica na Alemanha, enquanto Fabio Quartararo terminou em terceiro na corrida, foi incrível. Com uma Yamaha de fábrica! E uma semana depois foi mais rápido em cada sessão em Assen, conseguiu a pole position e só foi derrotado por Fabio na corrida”, recorda Schwantz

“Os dois pilotos de fábrica da Yamaha foram mais rápidos do que qualquer outro em Assen, por uma clara margem “, continua o americano, que aponta imediatamente, “uma moto não passa de uma máquina de último lugar para uma moto vencedora numa semana. Pode ir do quinto ou sexto lugar para o primeiro. Mas uma moto de corrida só pode progredir um tanto em poucos dias e tornar-se tão competitiva. O Fabio mostrou isso. Acabou em terceiro lugar na Alemanha e primeiro na Holanda. É claro que as diferenças na grelha estão menores hoje do que nunca. Assim, se tiver um dia mau, pode perder três ou quatro décimos. Mas nunca cair 20 lugares…”.

Isto traz Schwantz de volta ao homem: “Não basta ser um bom piloto de corrida no MotoGP”, sublinha o reformado de 57 anos de idade. “Também tem de se ser forte mentalmente. Se o tipo ao lado ganhar e lidera o campeonato, pode-se facilmente ficar triste ou desanimado. Depois sente-se desmoralizado e batido. Mas tem sempre de se concentrar no seu trabalho, aproveitar ao máximo e fazer o seu melhor até ao final do ano.”

Um Viñales apanhando pelo turbilhão de Quartararo é também uma teoria que Jorge Lorenzo está a seguir e baseia-se na experiência pessoal quando disse:

“Maverick deu tudo para ganhar com a Yamaha, mas por alguma razão não teve sucesso. Com certeza que do ponto de vista psicológico não é fácil de lidar com ter um colega de equipa como Quartararo, que normalmente está à sua frente, e penso que isso foi um grande peso para ele. Ele certamente pensa que é um piloto capaz de ganhar o campeonato e tem tentado durante muitos anos com a Yamaha. Falhou por alguma razão e agora quer tentar outra via. Também já o fiz no passado e desejo-lhe o melhor!”

3.7 3 votes
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x