MotoGP, 2021, Silverstone: A sucessão de Valentino Rossi

Por a 23 Agosto 2021 16:00

Duma maneira ou de outra, o mediatismo da MotoGP vai sofrer com a reforma de Valentino Rossi, e o primeiro a reconhecer isso é o CEO da Dorna Carmelo Ezpeleta

“Valentino é insubstituível” Carmelo Ezpeleta

O homem forte da Dorna, Carmelo Ezpeleta, tinha-se preparado para este momento há muitos anos.

No entanto, o ambiente na conferência de imprensa do nove-vezes campeão do mundo em Spielberg, a 5 de Agosto, quando anunciou ao mundo a sua retirada, foi triste e melancólico, marcado por pensamentos sobre os melhores anos do vencedor 115 vezes.

E pelas perguntas inevitáveis: O que fica depois de Rossi? O que vem depois dele? Como é que ele segue em frente? Quem poderá seguir nos seus passos?

Há 14 meses atrás, Marc Márquez teria sido um sucessor digno óbvio. Mas hoje ninguém sabe se a estrela da Honda Repsol será capaz de lutar novamente pelo título após as suas três operações ao braço superior. Acima de tudo, precisa de uma moto capaz de vencer, que a Honda ainda não foi capaz de lhe fornecer.

Mas entretanto, Márquez continua a fornecer momentos brilhantes em pista, mesmo que muitas vezes as suas tentativas acabem em quedas, como no GP austríaco, onde caiu na Curva 1 na corrida com pneus de chuva e depois só terminou em 15º lugar.

“No passado, acidentes como esse não me teriam acontecido”, recorda o 57 vezes vencedor da MotoGP, que venceu 12 das 19 corridas em 2019 e garantiu seis segundos lugares ainda por cima.

Seja como for, Carmelo Ezpeleta está convencido de que o Campeonato do Mundo de MotoGP está em bases sólidas e que, mesmo sem Rossi como piloto, não perderá nenhum dos seus atrativos para o público na pista e em frente aos ecrãs de televisão.

Além disso, Rossi tem estado muito apagado nos resultados em 2020 e 2021, mas as audiências televisivas mantiveram o nível habitual.

É um caso de Rei morto, Rei posto! Antes de Valentino Rossi, nenhum piloto de motociclismo tinha andado no topo do mundo durante 26 anos. Alguns heróis de GP como Freddie Spencer ficaram queimados ao fim de alguns anos e nenhum piloto conseguiu ser tão popular como o italiano de 42 anos.

“A carreira e os sucessos de Valentino são únicos“, admitiu Ezpeleta numa entrevista recente. “Mas não é necessário ter apenas um ícone durante tanto tempo. Lembremo-nos: Kenny Roberts foi muito dominante no Campeonato Mundial de 500cc de 1978 a 1980, depois vieram outros americanos como Lawson, Mamola, Rainey, Spencer e Schwantz. Mais tarde os australianos foram superiores, com Doohan e Gardner, mais tarde com Stoner. Há sempre gerações diferentes”.

“Mas penso que Valentino é insubstituível”, afirmou o bem-sucedido promotor da MotoGP.

O próprio Rossi lamentou a sua reforma na sua conferência de imprensa quando disse: “Por mim, gostaria de ter continuado a correr durante mais 20 anos”.

O que pensa Ezpeleta que o seu compatriota Marc Márquez poderá fazer nos próximos anos? “Não sei quando irá começar o concurso para o sucessor de Rossi”, diz o espanhol de 75 anos. “A principal preocupação de Marc neste momento é voltar a ser tão competitivo como era no passado. Espero que ele o consiga fazer. Se ele conseguir fazer isso, pode conseguir tudo o que tem em mente”.

Não há falta de candidatos para serem a próxima superestrela. Nomes como Joan Mir (23), Fabio Quartararo (22) e Jorge Martin (23) irão moldar o Campeonato do Mundo de MotoGP no futuro. Além disso, novos talentos como Raúl Fernandez (20), Pedro Acosta (17) e Sergio Garcia (18) estão prontos para futuro e tudo indica que, do CEV e da Red Bull Rookies, não há falta de talento nos bastidores.

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x