MotoGP, 2021: Serão necessários mais eventos duplos?

Por a 24 Janeiro 2021 14:00

Por enquanto, é difícil avaliar se haverá outro Grande Prémio fora da Europa em 2021, exceto no Qatar, mas já existe um plano B

A Dorna adiantou o Grande Prémio de Portugal uma semana para que dois Grandes Prémios em Portugal não se realizassem dentro de oito dias, ainda por cima no mesmo circuito

Na sexta-feira, a Dorna e a FIM apresentaram uma nova versão do calendário de MotoGP para a temporada de 2021, que certamente não será a última.

Desde 18 de Dezembro que se sabe que Termas de Rio Hondo na Argentina e Austin no Texas não podem ter lugar nos dias 11 e 18 de Abril como planeado, por causa da pandemia.

Por essa razão, o Gabinete de Crise da Dorna começou a planear um segundo GP no Qatar a 4 de Abril, e a alternativa do Autódromo Internacional do Algarve foi inserida no calendário no dia 25 de Abril.

Mas, entretanto, os promotores da Fórmula 1 Liberty Media e da FIA fizeram uma reviravolta no GP de Fórmula 1, pois adiaram o GP da Austrália de 21 de Março para Novembro, e passaram a abertura da temporada para o Bahrain e o GP de Portugal para 2 de Maio.

Assim, a Dorna trouxe o Grande Prémio de Portugal para a frente uma semana a 18 de Abril, para que dois Grandes Prémios em Portugal não se realizassem dentro de oito dias, ainda por cima no mesmo circuito.

Há ainda a ter em conta que, de 7 a 9 de Abril, o Campeonato do Mundo de Superbike vai voltar a Portugal.

É questionável se os eventos de MotoGP da Argentina e do Texas podem ser feitos mesmo no outono.

Em primeiro lugar, o calendário já deixa pouca margem de manobra. Além disso, a Dorna tem de contar com um cenário que não permita eventos no estrangeiro em 2021, com exceção dos dois GPs do Qatar.

É por isso que o GP da Rússia anunciado para o Circuito Igora Drive, perto de São Petersburgo, continua a ser um problema que poderá substituir o falido Brno a 18 de Julho.

A pista construída pela Tilke tem 4 km de comprimento e também vai ser a casa do GP de Fórmula 1 na Rússia em 2022.

Até agora, Igora Drive ainda não está definitivamente no calendário, por duas razões. De acordo com um acórdão do Tribunal Internacional do Desporto (CAS), na sequência do escândalo de doping na Rússia, não se podem realizar campeonatos mundiais até ao final de 2022 para desportos sujeitos às regras da Agência Mundial Antidopagem.

Isto inclui todas as disciplinas da Federação Internacional de Motociclismo. Em teoria, uma exceção é possível, porque a Fórmula 1 em Sochi e os jogos para o Campeonato da Europa de Futebol de 2021 em São Petersburgo também estão autorizados a ter lugar.

Mas a WADA ainda não deu luz verde à FIM para o Campeonato do Mundo de Patinagem no Gelo na Rússia 2021, em meados de Fevereiro, em Togliatti!

É por isso que os criadores do Campeonato do Mundo de Motocross, do Campeonato do Mundo de Superbike e do Campeonato do Mundo de MotoGP correm o risco de ter problemas.

Para piorar as coisas, a Rússia fechou as suas fronteiras para conter a epidemia de Covid 19 e conseguir um visto é impossível atualmente.

Entretanto, os principais especialistas em saúde, como o Dr. Anthony Fauci (EUA) e Christian Drosten, assumem que a vacinação da população nos países industrializados só pode ser alcançada em pleno no final do verão ou a meio do outono.

No entanto, os promotores locais de MotoGP devem notificar a Dorna 90 dias antes do evento se podem realizar o seu Grande Prémio. No exterior, com exceção do Qatar, só vai haver corridas se o número máximo de espectadores for permitido e, portanto, a taxa total pode ser paga à Dorna.

Mas, por enquanto, os números da infeção na Ásia deixam pouca esperança de um regresso à normalidade até ao prazo de Junho ou Julho.

A Austrália, por exemplo, está atualmente isoada do estrangeiro. Na Tailândia, passa-se o mesmo e pela mesm a razão, é pouco provável que a Indonésia possa intervir como um GP de substituição.

Como resultado, as corridas no exterior em Outubro e Novembro poderiam ser canceladas.

Ao contrário de 2020, a Dorna quer correr em Mugello, Assen, no Sachsenring, no KymiRing e em Silverstone, mas mesmo na Europa, as previsões são difíceis porque os países estão a armar-se contra as variantes do Covid da Grã-Bretanha e da África do Sul, que se diz serem muito mais contagiosos.

Na luta contra a pandemia, por exemplo, a Bélgica quer proibir todas as viagens desnecessárias ao estrangeiro a partir de quarta-feira.

Os líderes da UE concordaram em abrandar em grande medida as viagens evitáveis num futuro previsível. A

Em países como a Alemanha, está a ser tomada em consideração a proibição de os viajantes de países fortemente afetados entrarem apenas com testes de PCR negativos. Para o efeito, os regulamentos de quarentena estão constantemente a ser apertados.

Além do plano A atual, a Dorna também tem planos B e C na gaveta. Estes incluirão eventos duplos adicionais para cobrir a lacuna de eventos fora da Europa. Spielberg, Misano, Aragón e Valência podem tornar-se candidatos.

A Dorna planeia usar o mesmo conceito de saúde (cerca de 1.300 membros de equipas por evento) e uma “bolha” como no ano anterior.

0 0 votes
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x