MotoGP, 2021, Jerez: Quartararo e Yamaha, “totalmente diferentes” em 2021

Por a 22 Abril 2021 15:00

Mentalmente mais forte, de volta à sua forma de 2019 em pista e lidera a corrida ao título: El Diablo deixa Portimão repleto de confiança

Se o seu nome acontece ser Fabio Quartararo, da Yamaha Monster Energy MotoGP, é seguro dizer que gostou do fim-de-semana no Grande Prémio 888 de Portugal.

Primeiro no TL3, primeiro no TL4, pole position – ainda que fortuitamente – e uma vitória na corrida é o melhor resultado possível, e o francês de 22 anos deixa o Algarve como líder do Campeonato do Mundo.

Mas Quartararo, uma personagem reformada da época passada, não está a levar muito a sério a classificação do Campeonato tão cedo na temporada.

Na mesma fase da campanha de 2020, depois de três corridas, Quartararo também esteve no topo da classificação.

Quartararo nunca tinha estado naquela posição antes e admitiu, após a vitória de domingo passado em Portimão, que se sentiu estranho por estar no topo da tabela em 2020, mas não este ano.

Quartararo explicou que está muito melhor mentalmente em 2021, tendo trabalhado com um psicólogo durante o inverno para melhorar esta parte do seu jogo, e isso começa a dar frutos.

“Sim, o que é que se pode fazer, sinto-me totalmente diferente”, disse o piloto de fábrica da Yamaha, quando questionado sobre a sua mentalidade diferente este ano.

“Quando ganhas as duas primeiras corridas consecutivas com uma vantagem de quatro segundos, sentes que vai começar e continuar, mas os outros estão a trabalhar tanto para te passar, para ocupar esse lugar”, continuou, falando sobre o início da época passada, quando venceu os dois encontros de Jerez, para onde vamos a seguir, de enfiada.

Naturalmente, especialmente com a lesão de Marc Márquez da Honda Repsol

e Quartararo tendo um ano tão impressionante na sua época de estreia em 2019, as expectativas foram amontoadas nos ombros do jovem. 2020 ia ser o ano dele. Com a mesma moto que os pilotos de fábrica Maverick Viñales e Valentino Rossi, que se juntaram a ele no pódio do GP da Andaluzia, e aparentemente um grande pacote, a Yamaha e Quartararo iam dominar a temporada. Só que, como sabemos, não aconteceu.

“Na verdade, neste momento, estou a pensar corrida a corrida. Quando ganhei estas duas corridas em Jerez, fiquei tipo, uau, nós somos os primeiros no Campeonato. Nunca tinha estado naquela posição. Foi estranho para mim. É por isso que neste momento não estou a ver o Campeonato. Só estou a pensar na próxima corrida para continuar. Mentalmente durante a pré-época, trabalhei muito bem com o meu psicólogo. Sinto que todos os exercícios que me fez foram bons e me mantêm calmo. Por isso, estou feliz com a minha pré-época”, explicou Quartararo.

“Honestamente, a Yamaha deu um grande passo em relação ao ano passado. Mas para mim, mentalmente, sinto-me mais forte. No ano passado, depois de Aragón, perdermos mais ou menos a oportunidade de lutar até ao fim com o Joan para o Campeonato, nem sequer fiquei frustrado, mas perdemos aquele momento para lutar com ele. Aprendi muito no ano passado. Quando a moto não ia tão bem, sentia-me negativo e agora mudei completamente. Sempre a sentir-me positivo, acho ótimo. Quando cheguei aqui, sabia que a moto estava a funcionar. Mesmo com algumas coisas que não estavam a funcionar bem, só pensei no que estava a funcionar bem. Para definir o ritmo que estabelecemos não foi fácil, mas eu estava focado. Acho que 70% está na tua mente.”

As aspirações do companheiro de equipa de Quartararo na Yamaha Monster Energy, Viñales, em 2020, acabaram por ser terminadas por um sobe e desce que na YZR-M1. Vencendo corridas num fim de semana e terminando fora do top 10 no seguinte viu Quartararo, tendo vencido as duas primeiras corridas tão dominantemente, terminar em oitavo lugar. Algo tinha de ser feito para mudar isso. Claramente, a Yamaha tem feito maravilhas durante o inverno para retificar os problemas de 2020. Juntando a isso um novo Quartararo, estamos a presenciar uma mistura formidável.

Quartararo explicou então melhor a YZR-M1 de 2021: “Acho que como toda a gente sabe, no ano passado tivemos muitas dificuldades com o motor e a eletrónica. Por isso, precisávamos de tirar muitas coisas que, na verdade, estavam a funcionar bem para nós, mas pela consistência do motor tivemos de as tirar. A partir deste ano começamos com uma base normal e é claro que é muito melhor.”

“Sinto-me melhor com o novo chassis. Tenho um pouco mais de feedback que, na verdade, é uma coisa que me faz ir mais rápido. Se não sinto a frente, estou perdido. Como em Valência o ano passado, foi um desastre total. No Qatar 2 disse que tenho uma grande sensação na frente. Também foi bom para fazer ultrapassagens”.

“Ao chegar aqui, tínhamos exatamente a mesma sensação. Na curva 1, onde ultrapassei o Alex Rins, estava a sentir-me no limite, mas sentia todos os movimentos da frente. Senti que estava a correr bem. Em termos eletrónicos, não faz mal. Em termos de pneus, é mais com a mão e tentando definir o melhor ritmo possível, mas mantendo também reserva para o final. E é tudo, depois é só forçares-te a ir ao limite.”

5 2 votes
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x