MotoGP, 2021: Esperanças e medos: Perspetivas para o Mundial de MotoGP

Por a 19 Janeiro 2021 17:00

As esperanças de uma grande temporada de MotoGP em 2021 são altas depois das corridas emocionantes do ano passado, mas algumas incógnitas ainda perduram

Depois do brilhante final da temporada de 2020, o regresso do Autódromo Internacional do Algarve, em Portimão, foi uma possibilidade calorosamente recebida pelos participantes

Os problemas de 2020 ficaram para trás, mas agora as preocupações de 2021 já estão à porta. Será que o ano vai realmente compensar os sacrifícios do ano passado?

Todos esperam que sim, mas, ao mesmo tempo, existe um clima geral de incerteza. Nestas condições, o Campeonato do Mundo de MotoGP prepara-se para um início de temporada difícil, ou pelo menos, um começo difícil.

Os primeiros testes, que deveriam ter ocorrido em Sepang em meados de Fevereiro, já tiveram de ser cancelados devido à emergência de Covid na Malásia. O teste IRTA no Qatar foi prolongado por dois dias de testes oficiais adicionais e o “shakedown” foi encurtado para um dia.

O calendário provisório publicado em Novembro era uma cópia das 20 corridas já previstas para o ano anterior, um número recorde. Mas, nesta altura, seria aconselhável esperar para reservas para as corridas no estrangeiro em Abril nos EUA e na Argentina.

O GP da Austrália em Outubro em Phillip Island também deverá ser cancelado.

A data para o décimo primeiro Grande Prémio no verão, que ainda não foi atribuída, teria sido destinada a Brno, mas o promotor não conseguiu financiar a prova e está de fora.

O novo GP da Finlândia, em Julho, depende da homologação do KymiRing, bem como de uma das três pistas de reserva: no Circuito de Mandalika, na Indonésia, a construção ainda está em curso. A pista Russa de Igora Drive é uma incógnita e é provável que fique no calendário em vez de Brno.

Depois do brilhante final da temporada de 2020, o regresso do Autódromo Internacional do Algarve, em Portimão, foi uma possibilidade calorosamente recebida pelos participantes.

Para ser justo, a promotora da Copa do Mundo, a Dorna Sports S.L. salientou expressamente, no momento de publicação, que o calendário era provisório.

A privação em 2020 não foi tão grande como se temia por vezes graças a planeamento hábil, a vários eventos duplos nas mesmas pistas e à vontade de Dorna e de algumas outras entidades de aceitar perdas financeiras.

O calendário original para a classe rainha encolheu para 14 Grandes Prémios, todos na Europa, mas no final houve um campeonato mundial digno que só falhou num aspeto: os espectadores.

A programação de TV operou uma limitação de danos, transmitindo as corridas.

O MotoGP não foi a única série de desportos motorizados que mostrou resiliência e adaptabilidade em 2020, mas foi um líder, e deve voltar a manter o barco a flutuar, pelo menos durante a primeira metade do ano.

Apesar do calendário encurtado, 2020 estabeleceu um recorde de mais vencedores diferentes numa temporada de MotoGP, com nove: Fabio Quartararo, Brad Binder, Andrea Dovizioso, Miguel Oliveira, Franco Morbidelli, Maverick Viñales, Danilo Petrucci, Alex Rins e o campeão mundial Joan Mir.

A nova temporada pode ser tão equilibrada e emocionante como 2020? Provavelmente. A resposta depende em grande parte de Marc Márquez. Não há dúvida de que a ausência do astro da Honda Repsol na pré-temporada melhorou as hipóteses de sucesso para qualquer outro piloto e ajudou-nos a desfrutar de grandes corridas.

A sua saúde também levanta questões para a próxima temporada, alimentada pela longa sequência de lesões e pela falta de informação clara. Só depois do final da temporada de 2020 é que a verdadeira extensão dos seus problemas de saúde se tornou evidente, com uma terceira operação, uma maratona de oito horas com uma terceira placa de titânio a ser instalada e um transplante de osso que finalmente curou.

A “pseudartrose” é uma história problemática, mais de seis semanas após o terceiro procedimento desde o acidente de Jerez, em Julho, Marc Mérquez ainda está a ser submetido a uma terapia antibiótica para controlar a infeção anterior, a causa do atraso.

A abertura da temporada no Qatar está marcada para menos de quatro meses após a cirurgia ao braço no dia 3 de Dezembro. Entretanto, Marc Márquez pode voltar a estar em forma, mas depois de ter falhado uma temporada completa, certamente estará a ficar destreinado.

Agora, enfrenta vários jovens condutores. Marc, que celebra 28 anos no dia 17 de Fevereiro, dificilmente pode ser descrito como velho. Afinal, Valentino Rossi já terá 42 anos.

No entanto, apenas cinco pilotos no campo de MotoGP são mais velhos do que o oito vezes campeão do mundo e nenhum é muito mais velho.

O campeão em título Joan Mir tem apenas 23 anos, e o favorito falhado da pré-temporada, Fabio Quartararo, é ainda mais novo aos 21 anos.

O francês cometeu erros em 2020, mas ainda venceu três corridas, tal como o seu ex-companheiro de equipa Franco Morbidelli. Ninguém podia fazer mais.

Morbidelli, aos 26 anos é um dos mais velhos candidatos a 2021, tem a mesma idade que Maverick Viñales, da Yamaha, que o duas vezes vencedor da KTM Miguel Oliveira e que o novo líder da equipa da Ducati, Jack Miller. Alex Rins (Suzuki) tem 25 anos, e Pecco Bagnaia (Ducati) tem 24.

No final, porém, a idade é marginal. Talento e determinação é que contam. E uma moto que permite ao piloto tirar o máximo de si.

O facto de certos aspetos do desenvolvimento estarem congelados não permitirá muitas mudanças, o que é bom para alguns fabricantes.

Com ou sem telespectadores, quer o calendário encolha ou não, as perspetivas para 2021 são tentadoras.

4 2 votes
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x