MotoGP, 2021: De onde veio Fabio Quartararo?

Por a 13 Julho 2021 16:30

A carreira de Fabio Quartararo nem sempre foi positiva ao longo dos últimos sete anos. Depois de ter sido considerado o novo Marc Márquez aos 14 anos de idade, até foi esquecido temporariamente

“Quartararo já está a ser comparado com os maiores talentos dos últimos 40 ou 50 anos”

O extraordinário talento de Fabio Quartararo foi evidente desde muito jovem. No entanto, o seu início no Campeonato Mundial de Moto3 foi por vezes espinhoso, e só conseguiu ganhar uma corrida no Campeonato Mundial de Moto2. Foi por isso que a nova equipa Yamaha Petronas começou a temporada de 2019 com ele com expectativas baixas, e alguns repórteres pensaram que ele não merecia a promoção.

Mas pouco depois, na quarta corrida em Jerez, “El Diablo” já estava a fazer pole positions e envergonhou regularmente os pilotos de fábrica Maverick Viñales e Valentino Rossi durante toda a temporada.

Com a sua M1, supostamente de 2018, apesar de nunca ter vencido, tomou seis pódios e deu batalhas ferozes ao campeão mundial Marc Márquez.

No processo, foi-lhe limitado o motor com 500 rpm a menos do que as duas estrelas da Yamaha, porque era suposto ele sobreviver com menos motores do que o permitido para poupar dinheiro.

O director da equipa da Yamaha Petronas, Razlan Razali, via Fabio perder tempo precioso nos setores onde a potência do motor era necessária, em corridas nos circuitos de potência como Brno e Spielberg.

Depois, como a Yamaha já tinha percebido que o número 20 francês era um Campeão do Mundo de MotoGP em potencial, foi-lhe permitido repor a rotação do motor mais alta a partir do GP de Misano, e o fornecimento de motores novos deixou “subitamente “de ser um problema logístico.

Claramente, por esta altura, Honda, Ducati, Suzuki e KTM também estavam interessados em Quartararo, e a Yamaha teve de o manter feliz, a ele e ao seu manager Eric Mahé. Felizmente, ele já tinha um contrato com a Yamaha Petronas para 2021.

Quartararo já está a ser comparado com os maiores talentos dos últimos 40 ou 50 anos.

Parece descontraído e maduro, está à frente em todas as sessões, quase nunca cai, e sabe como lidar com a pressão e com os media.

No entanto, nem mesmo a Yamaha e a Petronas esperavam coisas milagrosas do novato Francês, pelo menos para 2019.

A equipa contratou o chefe de equipa italiano Diego Gubellini da extinta equipa Marc VDS Honda. Porém, em vez de continuar a trabalhar para o seu compatriota Morbidelli na Petronas, foi-lhe atribuído o prémio de consolação com Quartararo.

No final de 2018, Maverick Viñales separou-se do prestigiado chefe de equipa Ramon Forcada, que tinha ganho três títulos de MotoGP com Jorge Lorenzo, na Yamaha Movistar.

Forcada foi para a Petronas, cuidar do antigo Campeão do Mundo de Moto2 e protegido de Rossi Franco Morbidelli.

Gubellini resignou-se ao seu destino, deixando o experimentado e testado Morbidelli a Forcada mas, no final, acertou no jackpot com Fabio Quartararo!

Para o descontraído Diego, que trabalhou com Stefan Bradl durante um ano e meio na Aprilia em 2015 e 2016, o desempenho do “El Diablo” não é uma surpresa.

Na noite seguinte ao final do teste de Sepang de Fevereiro de 2020, Gubellini apareceu confiante e satisfeito.

“Fábio dominou logo a Yamaha de fábrica de 2020 no sábado, no primeiro dia de testes. E agora também melhorou no ritmo das corridas. Em comparação com o GP da Malásia de 2019, até cinco décimos de segundo. Por conseguinte, já era claro para nós no teste de Sepang que Fabio fez progressos claros no ritmo de corrida no segundo ano, em comparação com 2019”.

Se quisermos explorar as razões pelas quais Fabio Quartararo não correspondeu às elevadas expectativas depois de ganhar o Campeonato CEV Repsol de Moto3 duas vezes, aos 14 e 15 anos, no Campeonato do Mundo de 2015 e mais além, deparamo-nos com várias.

Depois dos primeiros contratempos no Campeonato Mundial de Moto3, Fabio dava desculpas, e caiu em desgraça com o chefe de equipa Emílio Alzamora.

Na Moto2 com Sito Pons não foi diferente, porque nessa altura não correspondeu às elevadas expectativas.

Hoje sabemos que o “aprendiz de feiticeiro” Quartararo não foi chamado “o novo Márquez” em 2015 por nada.

O seu pai Étienne tem feito muitas coisas bem na criação do seu filho. Por exemplo, não contou com o apoio da federação francesa FFM, mas promoveu o júnior a Espanha aos sete anos de idade, onde contestou e dominou todas as séries de iniciação.

Étienne foi ele próprio campeão francês de 125cc em 1981 em Morbidelli, e tinha um conhecimento de base útil.

Mas a expectativa no Campeonato Mundial de Moto3 era enorme, na Honda e na equipa 0,0 Honda da Estrella Galicia, onde Alex Rins e Alex Márquez tinham anteriormente lutado pelo título.

Com apenas 16 anos de idade, Fabio não conseguia satisfazer essas exigências logo de início, ali ou em qualquer outro lugar.

Quando se queixou, depois de ter feito a pole position no GP de Le Mans 2015, que o seu motor não era tão potente como o do colega de equipa Jorge Navarro, (abaixo) caiu em desgraça com Alzamora.

A relação com o chefe da equipa deteriurou-se, e isso estava a causar muitos problemas ao jovem inexperiente.

Além disso, depois de um tornozelo partido em Misano, Fabio teve de perder algumas corridas, e o resto da época foi tudo menos o desejado.

No entanto, houve sempre exibições em destaque, por exemplo, em Assen e Indianapolis.

O Pai Étienne provavelmente sucumbiu à sedução do dinheiro da Leopard para 2016. Fabio tornou-se colega de equipa do notável campeão mundial Joan Mir na Honda Leopard.

Aqueles que perguntavam na altura sobre as razões para o desempenho menos do que estelar do piloto eram informados que o pai Étienne causava frequentemente problemas, (crítica por vezes também levantada a Miguel Oliveira), que Fabio não conseguia concentrar-se, o sucesso inicial subiu-lhe à cabeça, mudava de ideias quase a toda a hora. A pressão da HRC também chegou ao jovem francês, a Honda tinha grandes planos para ele, mas que não deram em nada.

Após o fracasso com a Leopard, onde o director técnico Christian Lundberg falou de um desastre, Quartararo foi levado sob a asa do bicampeão mundial de 250cc Sito Pons para o Campeonato Mundial de Moto2 de 2017. Falou-se de um contrato de três anos para o Campeonato do Mundo de Moto2.

Mas mesmo com Pons, o francês não encontrou o apoio que queria. Queixou-se durante algum tempo que tinha de andar com um chassis torto.

O poupado Pons não tinha patrocinadores suficientes na altura, e os seus apoiantes preferiam pilotos espanhóis. Nem o famoso chefe de tripulação Santi Mulero conseguia tirar o máximo proveito da capacidade de Fabio Quartararo.

No final da época, separaram-se e o contrato de três anos foi rescindido.

O proprietário da equipa Speed Up Luca Boscoscuro, um caçador de talentos comprovado, deu a Fabio a confiança de que necessitava para 2018.

Aqui encontrou a desejada atmosfera familiar que agora o rodeia e o inspira na Yamaha Petronas.

O piloto de Moto2 venceu na Catalunha em 2018, conseguiu o 2º lugar em Assen, depois surpreendentemente conseguiu o contrato Yamaha Petronas e ganhou novamente em Motegi em 2018. Mas essa vitória foi cancelada porque o seu pneu traseiro não tinha 1,5 bar de pressão de ar após a corrida, mas estava 0,05 bar abaixo – uma amostra precoce da prepotência da Dorna que entretanto se tem vindo a generalizar, sobretudo com pilotos não-espanhóis.

Em 2019, no seu primeiro ano de MotoGP com a Yamaha Petronas, tornou-se claro que, com 20 anos, Quartararo tinha ganho muita maturidade; o seu talento excecional nunca esteve em questão, de qualquer forma. Além disso, parece agora amigável, descomplicado, e muito maduro para a sua idade.

Durante os últimos dois anos e meio, o francês maravilha, conhecido como ‘El Diablo’, escrito nas costas do seu fato, tem vindo a causar um alvoroço semana após semana na sua Yamaha de MotoGP.

No entanto, a alegação de alguns sabichões de que Quartararo até estava a bater Rossi e o resto dos pilotos Yamaha de 2019 com uma M1 usada de 2018 era falsa. “Todos os quatro pilotos Yamaha têm motos de 2019, as diferenças são muito pequenas”, assegurou Lin Jarvis, director de corrida da Yamaha.

Razlan Razali, director da equipa da Yamaha Petronas e antigo CEO do Circuito de Sepang, é um apaixonado pelo seu protegido. “Este miúdo é simplesmente especial… Aos 20 anos e como novato no MotoGP, deu-nos seis pole positions e sete pódios em 2019″, exultou o malaio.

Embora em 2019 a esperada vitória não se tenha concretizado, o Francês foi uma sombra atrás de Márquez.

“Nas pistas do potência como Brno ou Spielberg, Fabio não teve qualquer hipótese contra Marc. Esperávamos uma vitória na pista sinuosa de Misano, mas perdeu por pouco,” recordou Razali.

5 1 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x